PUBLICIDADE

Extração do siso: cuidados após a cirurgia garantem boa recuperação

Cuidar do inchaço e seguir o cardápio correto evitam complicações no pós-operatório

Os dentes do siso ou do juízo, como são popularmente conhecidos, são sinônimos de dor de cabeça para muita gente quando começam a dar as caras. O medo e a insegurança podem tomar conta daqueles que precisam fazer a extração do siso, principalmente por conta do pós-operatório. Segundo o dentista Rodrigo Bueno de Moraes, os primeiros cinco ou sete dias seguintes à extração do siso são os mais decisivos. "A cirurgia estimula uma sequência de reações inflamatórias nos tecidos ao redor da área da extração do siso, inclusive com possíveis feridas que ficam expostas ao ambiente de bactérias, vírus e fungos, comuns a boca", diz. Por isso, seguir os cuidados descritos pelo dentista é fundamental para reduzir a margem de desconforto e risco após a extração. Pensando nisso, conversamos com especialistas no assunto e separamos a melhores dicas para que a sua recuperação após uma extração do siso seja tranquila e sem transtornos:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Fique de olho na dieta

sopa de batata - Foto: Getty Images
sopa de batata - Foto: Getty Images

Nos sete dias que sucedem a cirurgia, a dieta deve ser diferenciada. Logo após a extração dos sisos, deve ser feita uma dieta líquida, evitando comer alimentos quentes nos primeiros três dias. "Nos quatro dias seguintes é recomendada uma dieta pastosa, evitando mastigar naquela região alimentos granulosos, duros ou consistentes", afirma o dentista Rodrigo Bueno de Moraes, consultor científico da Associação Brasileira de Odontologia. Isso ajuda a diminuir o inchaço e o sangramento, reduzindo o risco de infecções. "É importante que tanto a dieta líquida quanto a pastosa sejam nutritivas, mantendo o sistema imunológico fortalecido", afirma o dentista Eduardo Rollo, de São Paulo. Algumas sugestões para os primeiros dias são sucos e sopas - que devem ser consumidos in natura, morno ou resfriados. Consumir alimentos quentes nas primeiras horas após a cirurgia e nos cinco ou sete dias seguintes pode prejudicar a cicatrização ou causar dor e desconforto.

Tome todas as medicações

medicamentos - Foto: Getty Images
medicamentos - Foto: Getty Images

O seu cirurgião-dentista irá prescrever uma série de medicamentos para impedir que o local da extração infeccione ou inflame. "Podem ser usados analgésicos leves, moderados ou fortes, sedativos, anti-inflamatórios esteroides ou não esteroides e antibióticos", lembra o dentista Eduardo. O tempo de medicação deve ser estabelecido pelo profissional, mas no geral são três dias para medicação analgésica e de cinco a 15 dias para os antimicrobianos. O dentista também pode receitar enxaguantes bucais específicos, bem como géis e outros produtos tópicos para a higiene do local. O recomendado é para que o paciente avise o seu dentista caso sinta dores que não possa suportar para que a medicação prescrita possa ser revista.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Cuidados ao escovar os dentes

homem escovando os dentes - Foto: Getty Images
homem escovando os dentes - Foto: Getty Images

Durante as primeiras 24 horas, é preciso escovar os dentes de forma mais suave que o habitual e evitar escovar os dentes vizinhos dos sisos extraídos para proteger a região da cirurgia. Do segundo ao quinto ou sétimo dia, retome a escovação suave de todos os seus dentes. Não use enxaguantes bucais, a não ser que tenham sido prescritos pelo dentista. "Atualmente existem escovas de delicadíssima plumagem (cerdas pós-cirúrgicas ultra macias) que atendem a possibilidade de escovação da área operada e arredores sem problemas", diz Rodrigo Bueno. Essas escovas também podem auxiliar na aplicação de géis e outros produtos destinados aos cuidados bucais das regiões de extração do siso, desde que tenham sido recomendadas pelo cirurgião-dentista.

Faça compressas para o inchaço

homem fazendo compressa na boca - Foto: Getty Images
homem fazendo compressa na boca - Foto: Getty Images

Sofrer com edemas após a cirurgia é muito comum, e sua gravidade depende da intensidade da cirurgia e do tipo de anatomia do paciente, como sua musculatura, a amplitude bucal e a articulação da mandíbula chamada de ATM. "Além dos aspectos citados, o inchaço ou edema também pode ser uma resposta do organismo para contribuir com o reparo e a cicatrização cirúrgica", ressalta Eduardo Rollo. Para diminuir o inchaço, aplique nas primeiras 24 horas uma compressa gelada a cada 20 minutos, durante 10 minutos aproximadamente. Repita conforme necessário. Após esse primeiro dia, trate o inchaço com compressas quentes, aplicando uma toalha quente e úmida na área de 20 em 20 minutos, repetindo conforme necessário.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Lidando com o trismo muscular

mulher com dores na boca - Foto: Getty Images
mulher com dores na boca - Foto: Getty Images

Em alguns casos, pode ser que o paciente tenha dificuldades para abrir ou fechar a boca após a cirurgia, em virtude da tensão gerada pela extração feita - é o efeito do chamado trismo muscular. O trismo é definido pelo tensionamento de músculos da região da articulação da mandíbula. Quando essa complicação acontece, em geral é a abertura da boca que fica bastante limitada, há dificuldades para fazer a higiene bucal, comer ou colocar a língua para fora. "Essa situação é transitória e se recupera juntamente com a cicatrização das áreas de extrações dos sisos", afirma Rodrigo Bueno. Há casos em que o trismo permanece mesmo após os sete dias de recuperação da cirurgia e retirada dos pontos, mas o paciente não deve forçar a abertura da boca. Segundo o especialista, as medicações e o repouso são os melhores agentes de tratamento para o trismo. O dentista poderá receitar remédios anti-inflamatórios, relaxantes musculares e compressas quentes com o objetivo de relaxar a musculatura da face e recuperar movimento de abertura da boca. "Se persistirem os problemas deve-se avaliar as causas e a abordagem de tratamento."

Boca anestesiada

mulher com as mãos na boca - Foto: Getty Images
mulher com as mãos na boca - Foto: Getty Images

A anestesia de extração do siso dura em torno de quatro a cinco horas. No entanto, pode ser que o paciente sofra com a parestesia transitória, que é um formigamento na região, sem a recuperação total da sensibilidade. Isso acontece no geral porque algum nervo responsável pela sensibilidade da boca foi lesado durante a cirurgia e anestesia. "Neste caso, a sensação de anestesia irá perdurar por alguns bons dias, até cessar por completo", lembra o dentista Rodrigo. O especialista recomenda paciência e a busca por apoio em tratamentos odontológicos que visam acelerar essa recuperação, como o uso de derivados do complexo B e outras medicações destinadas a essa finalidade receitadas pelo seu cirurgião-dentista. "Essa ocorrência, embora possível, é muito rara, mas possui tratamento adequado."

Não fume ou beba álcool

cigarro apagado - Foto: Getty Images
cigarro apagado - Foto: Getty Images

Pelo fato de você ter uma ferida na boca que precisa ser cicatrizada, e portanto sujeita a inflamações e infecções, a recomendação é suspender o uso de cigarro pelo menos durante a primeira semana, até os pontos serem retirados. Isso porque as substâncias tóxicas do cigarro penetram na mucosa da boca e podem interferir na cicatrização dos pontos, bem como causar uma infecção grave na área. No caso do álcool, a recomendação é suspender a ingestão durante o tempo em que se estiver usando antibióticos ou outras medicações, pois a bebida pode interagir com o remédio e causar efeitos colaterais.

Retirando os pontos

mulher no dentista - Foto: Getty Images
mulher no dentista - Foto: Getty Images

O ideal é que o paciente retorne ao consultório sete dias após a extração para remover os pontos. "Deixar pontos na boca além do previsto pelo dentista pode resultar na retenção de alimentos, bactérias e impurezas que dificultam a cicatrização, arriscando a saúde dos dentes vizinhos e de todo o restante da boca, podendo chegar ao ponto de causar infecção e feridas na região", explica o dentista Rodrigo. Eduardo Rollo lembra que os pontos podem ficar na boca quando eles são do tipo reabsorvíeis, não sendo necessária a visita ao dentista para remoção.