Alergia respiratória: conheça os sintomas e tratamentos

Especialista lista os principais alérgenos e explica como reconhecer este quadro

A alergia é uma reação exagerada do sistema imunológico em relação a certas substâncias da natureza, que são chamadas de alérgenos. Essas reações são provocadas por substâncias habitualmente inofensivas para a maioria das pessoas.

A alergia respiratória envolve as vias aéreas superiores provocando rinite alérgica, e as vias aéreas inferiores desencadeando asma.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Acredita-se que vários fatores ambientais influenciam o desenvolvimento dessas doenças respiratórias em indivíduos geneticamente suscetíveis.

Principais causas das alergias respiratórias

Os agentes que causam esse tipo de alergia são antígenos inalantes em suspensão no ar que penetram no organismo através das vias aéreas:

Os ácaros são os principais responsáveis (dentre este grupo) pelo sintoma de alergia respiratória. São seres não visíveis a olho nu e suas fezes representam o maior grau de alergenicidade do ácaro, alimentam-se de pele descamada, de fungos e de outras substâncias ricas em proteína. Desenvolvem-se em locais com muito pó, com temperatura entre 18 a 26 graus, pouca luminosidade e umidade maior que 50%. São encontrados em colchões, travesseiros, tapetes, carpetes, brinquedos de pelúcia, etc.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os fungos são encontrados em suspensão no ar e em ambientes fechados como sótãos, porões, armários, malas, podendo aparecer também em banheiros, cozinhas, nos rejuntes de azulejos, em umidificadores e em locais quentes e mal ventilados. São seres que gostam muito de umidade e por isso abundantes em regiões próximas ao mar. Locais com umidade elevada e poeira podem ser uma ótima oportunidade para instalação de fungos, por isso podem estar presentes também em ar condicionados sem manutenção, colchões e travesseiros.

A alergia a animais prevalece em cachorros e gatos, porém ao contrário do que pensam, os pêlos não são considerados os mais alergênicos, as proteínas da saliva e urina ligadas ao pêlo são os alérgenos mais importantes, assim como o epitélio descamado, que são as caspas. Os antígenos podem ser carregados nas roupas para as escolas, escritórios, automóveis, locais onde o animal nunca apareceu.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A barata doméstica foi identificada como um importante aeroalérgeno em locais de clima tempera-do ou tropical principalmente em áreas urbanas. A sensibilização a barata é mais frequente em residências de famílias com baixo poder aquisitivo e com grande infestação. As frações que provocam alergia são: as fezes, saliva, descamação e secreção.

Os polens são grãos microscópicos destinados à fecundação das plantas. Determinadas espécies são levadas pelo ar numa época determinada chamada de período de polinização. Os grãos de polens das plantas produzem alergia respiratória por inalação. A doença polínica é mais frequente nas regiões da Europa, Argentina e Estados Unidos. No Brasil pode ser encontrada essa alergia nos estados da região sul.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Fatores que desencadeiam ou agravam alergias respiratórias

Outros fatores podem desencadear ou agravar a rinite alérgica ou asma.

Como reconhecer uma alergia respiratória?

Os principais sintomas relacionados à rinite alérgica compreendem:

Os principais sintomas relacionados a asma compreendem:

Estes sintomas podem apresentar-se associados ou isolados, em crises, mas é possível que o indivíduo apresente sintomas contínuos.

Tratamentos mais comuns das alergias respiratórias

O tratamento em relação à rinite alérgica e asma é muito abrangente. Inicialmente é importante que o paciente saiba que tratam-se de doenças crônicas, onde as medicações resolverão as crises e poderão prevenir novas, portanto trata-se de um acompanhamento a longo prazo. É importante tentar identificar os fatores desencadeantes através da detecção da IgE específica no sangue para alérgenos ou através do teste cutâneo para inalantes. Através deste procedimento é possível realizar uma orientação ambiental e caso o paciente tenha indicação, existe a possibilidade de realizar um tratamento com imunoterapia (vacinas) injetável ou sub-lingual por um período de 3 a 5 anos.

Em relação a tratamento medicamentoso há uma variedade de drogas que podem ser utilizadas como: para rinite alérgica para crises - anti-histamínicos orais ou descongestionantes orais associados a anti-histamínicos orais ou descongestionantes tópicos (devem ser utilizados por um curto período). Para tratamento preventivo: anti-leucotrienos e/ou corticosteróides tópicos nasais ou corticosteróides tópicos nasais associados a anti-histamínico tópico nasal.

Em relação à asma pode-se utilizar nas crises broncodilatadores orais ou inalatórios (sob a forma de nebulização ou utilizando sprays com ou sem o uso de espaçadores com ou sem máscara) e/ou corticosteróides orais(em casos mais graves intra-venosos). Nos tratamentos preventivos podem ser utilizados anti-leucotrienos e/ou corticosteróides inalatórios ou corticosteróides associados a broncodilatadores de longa duração inalatórios.

Para minimizar e evitar as crises de asma e rinite alérgica o paciente deve procurar um especialista alergista/pneumologista, investigar os fatores desencadeantes, estabelecer um plano de ação para crises e um tratamento preventivo com medicamentos para evitá-las. A orientação ambiental é válida para os alérgenos positivos. A asma e a rinite alérgica são doenças concomitantes em uma grande parcela de pacientes e devem ser tratadas simultaneamente. O abandono do tratamento é muito comum quando o paciente estabiliza, por isso é importante conhecer essas doenças e seguir as orientações do especialista.