Cheiro diferente? Entenda possíveis causas e como cuidar da região íntima

Aprenda a identificar que tipo de odor é comum ou quando indica alguma infecção

Quando se trata da saúde feminina, muitos tabus ainda são comuns, que afetam tanto mulheres como homens. Um deles, por exemplo, é o cheiro da região íntima. Na maior parte das vezes, o pensamento é o de que a vagina precisa estar sempre com um aroma agradável, como se o contrário disso indicasse um problema. Na verdade, não bem é assim.

Em muitos casos, o odor sentido é apenas o natural da vagina, causado pela renovação celular do próprio órgão. Por isso, ele pode ser considerado normal desde que não seja forte e muito característico, assim como as secreções que o acompanham. Além disso, é importante lembrar que cada mulher é única, logo, nenhum odor será igual ao outro.

Porém, em outras ocasiões, quando ele vem acompanhado de coceira, ardência e corrimento, o odor pode indicar problemas que merecem atenção e cuidados médicos específicos. Pensando nisso, preparamos uma lista que te ajudará a melhorar os cuidados com a região íntima e identificar quando o cheiro merece atenção. Confira:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Má higiene

Você sabia que existe um jeito certo para realizar a higiene íntima feminina? Sem essa limpeza adequada, a região pode sofrer com o mau cheiro e se tornar mais propícia a infecções, uma vez que fica abafada na maior parte do dia e pode acumular resíduos de menstruação e urina.

Para começar uma rotina de higiene mais adequada, o primeiro passo é contar com Protex Íntimo, sabonete líquido pensando especialmente para a área íntima feminina. O produto pode ser usado diariamente, inclusive durante a menstruação e até mesmo na gravidez. Isso porque o ácido láctico presente no produto garante mais limpeza, frescor e proteção à região íntima, sendo adequado para todas as fases do ciclo feminino.

Ao utilizar o Protex Íntimo, você deve despejar uma pequena quantidade do produto na palma da mão e espalhar a espuma pela parte externa da vagina e também na virilha, fazendo movimentos leves. Em seguida, basta enxaguar abundantemente. Para sua praticidade, o sabonete ainda está disponível em fragrâncias e embalagens de tamanhos diferentes.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Vale ressaltar que duchas internas, com ou sem o sabonete íntimo, não são recomendadas, pois prejudicam a flora vaginal, machucam a vagina e podem propagar fungos e bactérias. Também não é necessário lavar a vagina muitas vezes ao dia; duas lavagens são suficientes, uma vez que lavar a área repetidamente pode prejudicar a proteção natural do corpo.

Desequilíbrio natural

Nossa flora vaginal, assim como a intestinal, é formada por diferentes tipos de bactérias que atuam para regular e proteger o organismo. Porém, hábitos e situações do cotidiano podem desequilibrar a flora ali presente, como o ciclo menstrual, sexo, estresse e alto consumo de carboidratos. Caso você perceba um corrimento anormal ou odor muito forte, procure o médico.

Infecções por fungos ou bactérias

Doenças causadas por fungos e bactérias são comuns, como a candidíase (causada pelo fungo Candida albicans) e a vaginose bacteriana. Embora a primeira não tenha como característica o mau cheiro, a vaginose pode ser identificada devido ao odor específico, semelhante ao de peixe, que vem acompanhado de um corrimento branco acinzentado.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Nesses casos, é fundamental procurar um especialista e investir no tratamento adequado, que pode envolver medicamentos antifúngicos e antibióticos. Lembre-se: o uso diário de sabonetes íntimos não elimina infecções, portanto, não deixe de marcar uma consulta para receber o diagnóstico adequado.

Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs)

Gonorreia, clamídia e tricomoníase são exemplos de infecções sexualmente transmissíveis que causam sintomas como mau cheiro, coceira e corrimento. Se notar alguma alteração na região íntima, procure o ginecologista assim que possível, já que as IST?s demoram alguns dias para se manifestar no organismo. Além disso, não se esqueça que o uso da camisinha é primordial para evitar o contágio por essas e outras doenças importantes.

Como cuidar da região íntima

Adotar uma rotina de higiene cuidadosa e procurar o médico sempre que desconfiar de algum problema na área íntima, como mencionamos acima, são atitudes que garantem mais saúde para todo o seu organismo. Além disso, outros hábitos podem ajudar ainda mais, tais como:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Aprender a reconhecer sintomas e sinais do próprio corpo é um passo importante de autocuidado e garante muitos benefícios à saúde. O mesmo vale para a região íntima, que também dá sinais de quando algo não vai bem. Por isso, deixe a vergonha de lado e converse com o seu médico e amigas sobre esse tema.