Qual é o jeito certo de lavar a vagina e o que NÃO fazer

Entenda como deve ser feita a higiene íntima adequada e quais produtos podem ocasionar problemas na região

Embora seja um hábito rotineiro e quase intuitivo, a higiene íntima reserva algumas particularidades que ainda deixam muitas mulheres na dúvida. Uma das principais questões em torno do tema é justamente sobre a maneira correta de lavar a vagina - algo que, quando feito de forma indevida, pode gerar desconfortos e até problemas de saúde.

Para começo de conversa, é importante saber que a região da vagina propriamente dita (a parte interna) não deve ser higienizada de forma alguma. Isso porque ela possui sua flora natural e sua limpeza natural, não devendo passar por qualquer tipo de higienização, seja apenas com água ou utilizando sabonetes.

Por outro lado, toda a região externa da genitália (também chamada de vulva) deve ser higienizada frequentemente, assim como o restante do corpo. Essa limpeza, inclusive, pode acontecer após cada evacuação, troca de absorventes e até depois de uma relação sexual. Entenda como lavar a vagina abaixo:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O que fazer X o que NÃO fazer

Indicações

Na higienização da região genital diária durante o banho, está liberado o uso de sabonetes íntimos, desde que usados uma vez ao dia, ou sabonetes de pH neutro, como os sabonetes de glicerina, de preferência na versão líquida.

Se houver a necessidade de mais de um banho ao dia e de lavagens intermediárias entre as micções e trocas de absorventes, é indicado o uso dos sabonetes neutros e também de lenços umedecidos. A limpeza, nesses casos, pode ser feita até mesmo apenas com água.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Em geral, durante a higienização, é preferível usar água corrente e sabonete, sempre utilizando os dedos para afastar os lábios da vulva e os pelos, para garantir a limpeza correta de cada local. O enxágue abundante é imprescindível para não deixar qualquer vestígio de impurezas.

Contraindicações

Em contrapartida, não é indicada a lavagem por meio de ducha vaginal e de jatos internos de água ou com produtos. Como dito anteriormente, a genitália feminina deve ser higienizada somente por fora, na região da vulva, e também não é recomendado utilizar os dedos para lavar a vagina por dentro.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

No caso das duchas vaginais (ou lavagem interna no canal vaginal), elas não são indicadas para a higienização diária, porque retiram a flora vaginal saudável, que contém bactérias e micro-organismos em equilíbrio. Ao retirar esta flora natural, a defesa contra bactérias oportunistas fica defasada e aumentam os riscos da mulher desenvolver alguma infecção bacteriana ou fúngica na região íntima.

Sabonete indicado para higiene íntima

Foto: Mikhaylovskiy/Shutterstock
Foto: Mikhaylovskiy/Shutterstock

O essencial para a limpeza íntima diária da mulher é a lavagem da vulva e da região perineal com água e sabonete com pH neutro, que tenha pouca possibilidade de causar alergias. Uma dica é utilizar sabonetes indicados para recém-nascidos, por exemplo.

Os sabonetes íntimos, quando usados sem exagero, também costumam trazer benefícios, como o controle de pH, pois se assemelham ao pH vaginal ácido - principalmente no período menstrual, onde o pH se torna mais alcalino; e em outras situações, como a menopausa. Além disso, são hipoalergênicos, trazem sensação de bem-estar e mantém a vagina com cheiro agradável por mais tempo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Porém, nem todas as mulheres se adaptam ao sabonete íntimo e mesmo com o uso mínimo podem apresentar reações e alteração de flora. Nestes casos, acaba sendo orientado o uso somente de água e sabonete de glicerina para o banho.

Outra orientação é evitar os sabonetes de pH alcalino, muito perfumados e com propriedades adstringentes, e optar pelos sabonetes em versão líquida.

Quando usar lenços umedecidos

Os lenços umedecidos devem ser usados para a higienização quando não estamos em casa. Na verdade, eles podem ser aliados da higiene, já que podem ser levados na bolsa para qualquer lugar. A cada troca de absorvente no período menstrual, por exemplo, é indicado o uso desses produtos.

O único cuidado, neste quesito, é que é imprescindível optar pelos lenços sem álcool e também sem perfume na composição, pois estes causam menos agressão à pele e oferecem menor risco de processos alérgicos. Então, fique de olho na embalagem.

Higiene durante a menstruação

Foto: La corneja artesana/Shutterstock
Foto: La corneja artesana/Shutterstock

Durante a menstruação, com o uso dos absorventes, deve-se tomar extremo cuidado com a higiene íntima. Recomenda-se trocar o absorvente externo em até 4 horas e o interno a cada 3 horas, pois o sangue em contato com a vulva aumenta as chances de proliferação bacteriana e fúngica, causando infecções.

Também é indicada a limpeza da vulva a cada troca, para evitar que o sangue fique em contato com a pele por muito tempo. Assim, a higiene pode ser realizada com os lenços umedecidos ou por meio de uma lavagem com água ou água e sabonete neutro.

Depois do sexo, o que deve ser feito?

Logo após o ato sexual, é indicada a tentativa de urinar até mesmo antes da higienização da vulva e da região anal, pois há a possibilidade de deslocamento de bactérias intestinais para a uretra. Com o jato de urina, acontece uma limpeza natural de toda a região uretral.

Depois disso, recomenda-se a limpeza tradicional, com água corrente ou água e sabonete neutro - tanto após o sexo vaginal quanto após o sexo anal. Lembrando que nenhum tipo de lavagem (interna ou externa) é capaz de evitar uma gravidez em casos de ato sexual desprotegido.

Riscos do excesso e da falta de higiene

Em primeiro lugar, o principal prejuízo de não se realizar a limpeza adequada da região íntima são as possíveis infecções de pele causadas por bactérias e fungos, que podem acometer tanto a vulva quanto a vagina. Outros problemas provocados pela falta de higiene são:

Já a limpeza excessiva, ainda que da região da vulva somente, pode retirar a lubrificação natural da área, conferida pelas glândulas da vulva, que garante a defesa da pele contra infecções. E também traz mais riscos de ressecamento da pele e ocorrência de alergias. Por isso, cuide-se sempre!

Cuidados com a vagina

Crossfit vaginal e yoga para o pênis: para que servem?

7 sinais da sua vagina que indicam que você deve ir ao médico

Cheiros da vagina pedem atenção quando incomodam atividades diárias