Estou com escapes de xixi: e agora?

Veja quais são as principais causas e os possíveis tratamentos para essa condição

*Conteúdo patrocinado

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), cerca de 10 milhões de brasileiros sofrem com perda involuntária de urina - ou escapes de xixi, como é também conhecido. Essa condição pode atingir pessoas de todas as idades, sendo o público feminino o mais afetado, com duas vezes mais chances de ter escapes de xixi do que os homens. Além disso, 35% das mulheres acima de 40 anos têm essa condição.

A mudança hormonal é um dos principais fatores para as mulheres serem mais suscetíveis à perda de xixi. Afinal, é bastante comum desenvolver a condição durante a menopausa e a gravidez. Outro fator de grande influência é a alteração no músculo pélvico durante a gravidez e no pós-parto, principalmente após parto normal.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Esse escape acontece em situações comuns do dia a dia que necessitam de qualquer tipo de esforço, como tossir ou espirrar, carregar algum peso, subir escadas etc. A causa para essa perda involuntária de xixi é diversa, podendo ser uma reação à infecção urinária, obesidade, doenças ginecológicas e mudanças hormonais.

Apesar de ser uma condição comum, não é normal ter escapes de xixi. Por isso, caso apresente quadros da doença, é extremamente importante consultar um médico especialista e realizar o tratamento correto - principalmente os que trabalham a musculatura pélvica.

Quando ocorrem os escapes de xixi?

Existem algumas situações cotidianas que acabam sendo mais favoráveis para que os escapes de xixi aconteçam. Quando o escape é de esforço - ou seja, a pessoa não possui força muscular pélvica suficiente para reter o xixi -, a perda de urina acontece com esforços mínimos, como ao espirrar, tossir, rir, realizar atividades físicas ou fazer algo que coloque a bexiga sob pressão ou estresse.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Já se a causa for de urgência, não é preciso nenhum esforço para que a perda involuntária ocorra; pois nesse caso a condição provoca uma forte vontade de urinar, mesmo a bexiga tendo uma quantidade pequena de urina. Também existe a perda de xixi por transbordamento, quando a bexiga nunca se esvazia por completo, levando ao gotejamento ao longo do dia.

Tratamentos para incontinência urinária

A melhor forma de tratar os escapes de xixi é fortalecendo a musculatura do assoalho pélvico. Para isso, existem alguns exercícios físicos específicos, orientados por um fisioterapeuta pélvico, que estimulam o aumento do tônus muscular e recuperam o controle da região, impedindo a saída involuntária da urina.

Os exercícios de fortalecimento são determinados de acordo com a causa da perda urinária. Também é possível tratar essa condição com dieta com controle de fluidos, treinamento da bexiga, micção dupla - para esvaziar a bexiga por completo -, estimulação elétrica, medicamentos e, caso nenhuma alternativa mostre resultado efetivo, cirurgia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Agora, na hora lidar com os escapes de xixi no dia a dia, uma ótima opção é utilizar os absorventes Plenitud Femme. Eles oferecem muito conforto e segurança, com absorção até sete vezes maior do que a dos absorventes menstruais, controle de odores específicos para urina e produtos adequados para todos os graus de perda involuntária de urina - dos leves aos intensos.

Com design discreto, Plenitud Femme ainda se ajusta perfeitamente ao corpo, garantindo às mulheres que lidam diariamente com os escapes de xixi uma rotina mais confiante, leve e livre de constrangimentos.

Para saber mais sobre escapes de xixi, lançamentos de produto e promoções, registre-se no site de Plenitud.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)