PUBLICIDADE

Enxergue bem com cirurgias a laser

Tratamento é opção para quem detesta armações e tem agonia das lentes

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Quem detesta os óculos de grau, por muito tempo, tinha apenas as lentes de contato como opção para enxergar bem sem que as armações atrapalhassem o visual. Mas, de uns tempos para cá, a cirurgia corretiva para miopia, astigmatismo e hipermetropia estão cada vez mais comuns.

Para dar fim na miopia, o procedimento é simples e leva em torno de 10 minutos. Consiste na aplicação do laser no centro da córnea, alterando seu desenho. O LASIK (laser-assisted in situ keratomileusis) é o utilizado em 90% das cirurgias, por possibilitar uma recuperação mais rápida e confortável. Há também a técnica de ceratectomia fotorrefrativa, o PRK, mais utilizado para graus menores (1 ou 2 graus).

O laser é aplicado na córnea, realizando a evaporação de parte de sua superfície e diminuindo a curvatura que deforma a visão. Há a utilização de um colírio para anestesiar o local e um afastador de pálpebra (blefarostato) para evitar que o olho se feche (em sistemas mais modernos, no entanto, o laser acompanha o movimento do olho).

Antes de optar pela cirurgia, o paciente precisa de uma avaliação que revela se o grau de desvio mantém-se estável e se a córnea está saudável. "O acompanhamento de um especialista é imprescindível tanto no pré quanto no pós-operatório, pois é necessário verificar se houve boa cicatrização e também se o resultado atendeu às expectativas do paciente.", ressalta o especialista.

Após se submeter à cirurgia, o paciente pode perceber cerca de 80% da melhora na visão em 24horas e, em cerca de três meses, surge o resultado definitivo. Caso reste algum desvio após esse período, o paciente será avaliado e poderá se submeter à nova cirurgia em um período de um mês. "Isso acontece em menos de 3% dos operados, que são avaliados particularmente para a possibilidade de nova cirurgia.", explica o Chefe da Oftalmologia da Unifesp, Mauro Campos. Aparecimento de cicatrizes na córnea e infecções são os outros riscos presentes nesse tipo de procedimento.

Para outros problemas de visão, como hipermetropia e astigmatismo, o processo cirúrgico é basicamente o mesmo. "O que muda é o desenho que o laser irá fazer diante de um caso de hipermetropia, atingindo uma parte mais periférica da córnea. A faixa etária que deve fazer esta cirurgia também muda: ela é recomendada para pacientes com mais de 40 anos, por ser um desequilíbrio estrutural mais demorado para estabilizar", explica o especialista. Para astigmatismo, o procedimento é o mesmo que o da miopia, também sendo feito no centro da córnea.

Entenda os problemas
O míope pode ter o olho grande demais ou a córnea extremamente curva. As chances de alguém se tornar míope são de 20% quando os pais não são míopes e de 50% quando os dois apresentam problemas na visão. Quem possui astigmatismo também tem o formato irregular da córnea ou do cristalino, num desenho que lembra o de um ovo ou uma bola de futebol americano. O olho do hipermétrope, por sua vez, é menor que o normal, causando alterações nas imagens que estão perto.

Prevenção de doenças visuais
"Alguns conselhos valem para a vida toda e deveriam ser seguidos desde a infância. Não fumar, comer alimentos ricos em proteínas, não usar colírios sem prescrição médica e fazer uso de óculos escuros podem ajudá-lo a ter uma visão saudável e mais jovem por mais tempo", salienta Dr. Walton Nose, oftalmologista e professor livre docente da Escola Paulista de Medicina (Unifesp/EPM). Uma visão saudável requer cuidados desde o nascimento do bebê. O primeiro exame importante para a visão é o teste do olhinho, feito ainda no berçário, que pode detectar desde catarata e glaucoma congênitos até traumas de parto, hemorragias e inflamações.

Entre os 3 e os 7 anos é recomendada a visita ao oftalmologista para que sejam feitos testes que avaliem a visão de forma a identificar qualquer problema na visão da criança. Após essa época, são recomendadas visitas periódicas ao oftalmologista, que fará uma avaliação completa da visão, com dilatação da pupila e exame de fundo de olho. Dr. Walton Nose frisa que, após os 18 anos, a recomendação da periodicidade continua. "Estudos internacionais mostram que jovens pré-universitários tendem a desenvolver miopia por forçar a visão para enxergar de perto quando passam muitas horas lendo ou utilizando o computador.", explica o professor.

Já na idade adulta, a visita ao oftalmologista pode ser feita a cada 2 anos, quando não há nenhum tipo de problema na visão. Após os 40 anos, a presbiopia começa a dar as caras e o sintoma mais comum é a dificuldade para enxergar de perto. Depois dos 50, há maior probabilidade do desenvolvimento da catarata, devido à perda da acuidade e opacidade que os olhos sofrem. Grande parte dos casos resulta do envelhecimento natural do olho, mas pode se manifestar congenitamente e também por problemas como diabetes, traumas no olho, uso de corticóides, alem de herança genética. A evolução da doença varia de pessoa para pessoa, mas a catarata só é tratada através da cirurgia. Hoje, graças aos avanços da medicina, que tornaram o procedimento muito mais seguro para os pacientes, entende-se que o procedimento deve ser levado em consideração sempre que a catarata interferir nas atividades diárias do indivíduo , orienta o especialista.

Após os 65 anos, a atenção deve redobrar para a degeneração macular. Ela degenera a parte central da retina e pode conduzir a cegueira. Após os 80 anos, normalmente as doenças se agravam. No entanto, aqueles que cuidaram da saúde ao longo dos anos tendem a atingir essa idade com uma visão mais sadia.