PUBLICIDADE

Adesivo indolor promete substituir agulhas de injeções e vacinas

Dispositivo não causa dor, pode ser aplicado pelo próprio paciente e teve a mesma eficácia do que uma injeção intramuscular

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

adesivo - Foto: Divulgação
adesivo - Foto: Divulgação

Para quem sofre com o medo de agulhas, ser vacinado ou tomar uma injeção é quase um pesadelo. Porém, cada dia mais nos aproximamos de um cenário onde as agulhas não tenham mais vez. Uma criação de pesquisadores americanos do Instituto Nacional de Saúde e junto com o Instituto de Tecnologia da Geórgia promete fazer muita gente comemorar: um simples adesivo, fácil de ser usado e tão eficiente quanto uma agulha (mas sem a parte da dor e do desconforto).

A novidade age por meio de micro agulhas que inserem o medicamento na corrente sanguínea. O adesivo teve resultado positivo em 100 pacientes, entre 18 e 49 anos, que não tinham sido imunizadas contra gripe entre 2014 e 2015, em uma campanha de vacinação nos Estados Unidos.

Quando colocado na pele, o adesivo espalha a vacina por todo o corpo e os resultados mostram que a eficácia foi mantida após seis meses da aplicação. Além de ser indolor e muito prático, o adesivo também pode ser aplicado pelo próprio paciente. A novidade ainda deve passar por novos testes, incluindo uma amostra maior de participantes e testando-o contra outras doenças.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

?No caso do adesivo, você pode comprá-lo em uma farmácia e levar para casa. Após colocar em sua pele por alguns minutos e retirá-lo, o descarte pode ser feito de maneira segura, já que as microagulhas dissolvem em contato prolongado com a pele. Há também a vantagem de os adesivos poderem ser guardados fora da geladeira, o que os torna mais acessíveis?, diz Mark Prausnitz, um dos autores do estudo.