PUBLICIDADE

Álcool pode favorecer demência precoce, mostra estudo

Pesquisadores analisaram 1 milhão de pessoas na França para chegar a esta conclusão

O hábito de beber uma cervejinha, vinho ou destilado de vez em quando relaxa, mas sabemos muito bem que beber demais mais atrapalha do que ajuda.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Um novo estudo publicado no jornal científico The Lancet Public Health e feito com 1 milhão de pessoas na França conectou o excesso de bebidas alcoólicas pode levar à demência precoce.

Durante o estudo, que durou 5 anos, os pesquisadores analisaram só pessoas diagnosticadas com demência e perceberam que o fator de risco evitável que foi mais influente para o início do quadro era justamente o álcool: o risco de ter demência quando o consumo dessas bebidas é excessivo é três vezes maior.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quando falamos em demência precoce (ou seja, que começa antes dos 65 anos), 57% dos casos estavam ligados a problemas com álcool.

O que os pesquisadores não sabem, no entanto, é se isso tem a ver diretamente com a bebida alcoólica ou está ligado a outros hábitos ligados a este estilo de vida, como tendência a fumar, sedentarismo e até depressão.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Afinal, o que é demência?

Muitas pessoas associam a demência à loucura, mas este quadro é muito mais complexo do que isso. "Na demência ocorre declínio da capacidade cognitiva associado a alterações no comportamento, com perda da capacidade de executar tarefas complexas", explica o geriatra Roberto Miranda.

Existem dois tipos de demência:

Demências reversíveis, que podem ser causadas pelos seguintes fatores: depressão, quadros endócrinos (hipotireoidismo ou hipertireoidismo, dentre outros), má nutrição, deficiências vitamínicas (B12, ácido fólico, tiamina), anemia, desidratação, uso indevido de medicações, hidrocefalia normotensiva, infecções e tumores cerebrais. Ao se tratar a questão originária, os sintomas demenciais habitualmente desaparecem.

As demências irreversíveis são caracterizadas por processos degenerativos do cérebro. Fazem parte deste grupo: doença de Alzheimer, doença vascular, doença de Creutzfeldt-Jakob, doença de Huntington, doença de Pick, doença de Parkinson, demência associada à aids e demência decorrente de traumatismo craniano.