Anticorpos de COVID não duram para sempre, diz estudo

Pesquisa verificou que taxas de anticorpos desabam durante recuperação da Covid-19

A imunidade contra COVID-19 pode não ser tão duradoura, é o que avalia um estudo publicado na última segunda-feira (7) no periódico científico Science Immunology.

A pesquisa elaborada por cientistas da Universidade de Stanford analisou as interações de anticorpos produzidos contra o coronavírus (SARS-CoV-2).

Para a elaboração do estudo, 254 pessoas positivas para SARS-CoV-2 foram observadas ao longo de cinco meses. Dessas, 79 foram hospitalizadas com COVID-19, 175 não precisaram de internação e 25 morreram.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A partir de testes de RT-PCR, pesquisadores observaram como o corpo das pessoas que fizeram parte do estudo produziam os anticorpos.

De acordo com os dados descobertos, três tipos de anticorpos (IgA, IgM e IgG) normalmente são detectáveis no sangue logo no começo da infecção pelo SARS-CoV-2 - cerca de duas semanas após o contágio, quando o corpo já manifestou os primeiros sintomas de COVID-19.

Para os cientistas, isso mostra uma reação do sistema imunológico que ajuda a combater a doença logo de cara, mesmo que ela não tenha atingido seu nível mais intenso.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Entretanto, conforme o tempo de recuperação avança, os níveis de IgA e IgM caem rapidamente - isso acontece a partir da quarta e quinta semana de tratamento. As taxas de IgG chegam a se manter no corpo por mais tempo, mas ainda assim também entram em declínio.

"É importante notar que a diminuição dos níveis de anticorpos não indica necessariamente que toda a imunidade será perdida", diz o estudo.

"É possível que a produção local de anticorpos na mucosa nas vias aéreas possa ajudar a prevenir ou impedir a infecção por SARS-CoV-2 após a reexposição. Mesmo que os anticorpos diminuam para níveis indetectáveis, as células B e T de memória estimuladas por infecção podem fornecer uma resposta mais rápida ou eficaz após uma exposição futura".

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Reinfecção

Um dos temores sobre o coronavírus é um possível quadro de reinfecção e reincidência de COVID-19. Segundo o estudo de Stanford, ainda não é possível estabelecer qual fração da população será suscetível à reinfecção - e que será necessário tempo adicional de estudo e acompanhamento para obter essas informações.

"Os relatórios iniciais de reinfecção oferecem alguma esperança de que o SARS-CoV-2 possa se comportar de maneira semelhante a outros coronavírus da comunidade, com a reinfecção geralmente produzindo uma doença mais branda do que a infecção inicial".

Coronavírus

Coronavírus pode se tornar doença endêmica: o que significa?

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

SP inicia vacinação contra a COVID-19 em janeiro de 2021

15 maneiras de se proteger contra o coronavírus