1 pessoa perguntou:

O que é exame de ultrassom?

  • Respondido em 07/03/2019
    Dra. Maria Cristina Chammas Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CRM 66831/AC
    especialista minha vida
    Olá,

    A ultrassonografia (USG) é um dos métodos de diagnóstico por imagem mais versáteis, de aplicação relativamente simples, com excelente relação custo-benefício. Baseia-se no fenômeno de interação do som com os tecidos que estão sendo analisados, ou seja, a partir da transmissão de onda sonora pelo corpo, é possível observar propriedades mecânicas dos tecidos, que retornam ao aparelho por meio de ecos. Por esse motivo também é chamado e conhecido por ecografia.

    É um método não-invasivo ou minimamente invasivo, que não apresenta efeitos nocivos significativos dentro do uso diagnóstico na medicina. Não utiliza radiação ionizante, possibilita o estudo não-invasivo da hemodinâmica corporal por meio do efeito Doppler e a aquisição de imagens é realizada praticamente em tempo real, permitindo o estudo do movimento de estruturas corporais. O contraste pode ser usado em casos específicos (contraste por microbolhas).

    Trata-se de um exame muito conhecido e simples. O som é emitido por meio do transdutor (equipamento que encosta no nosso corpo) e volta pelo mesmo. O aparelho transforma primeiro o impulso elétrico em mecânico (som) e depois na volta do som, o mesmo aparelho o transforma em imagem que é visualizada no monitor. Ele permite avaliar áreas tão superficiais quanto a unha e pele, até planos profundos como abdome.

    Além dos exames convencionais que fazemos sempre, é possível estudar os vasos sanguíneos do organismo por meio do duplex-Doppler colorido. Podem ser vasos periféricos, dos órgãos internos, coração, carótidas, entre outros. Além de analisar o calibre dos vasos, é possível  avaliar se há e trombose, estenoses dos vasos e varizes etc.

    Um método recente que está sendo utilizado é a elastografia por ultrassom, que vem tomando corpo na avaliação do fígado, da tireoide, próstata, baço e avaliação de alguns nódulos, no intuito de distinguir um nódulo benigno de um maligno (câncer). Esse método estuda a dureza (deformidade) do tecido e se trata de uma metodologia não invasiva.  Em alguns casos como avaliação de fibrose ou cirrose hepática, a elastografia tem sido aceita em substituição à biópsia de fígado. Outra inovação que vem ocorrendo na US é a utilização de meios de contraste que utilizam microbolhas de gás. A ultrassonografia com contraste é pouco indicada e, atualmente, ganha força no estudo de nódulos hepáticos, renais, avaliações vasculares, cardíacas, etc.

    PUBLICIDADE