PUBLICIDADE

Hipocromia: o que é, principais causas e tratamento

O termo refere-se à perda da tonalidade vermelha das células, quadro comum em anemias

Hipocromia é o nome dado a uma redução na tonalidade avermelhada (hemoglobina) das células vermelhas - as hemácias - e está associada à redução da hemoglobina dentro desta célula. Esse processo é inicialmente identificado por meio do hemograma completo, usando-se do parâmetro HCM (hemoglobina corpuscular média).

Valores entre 28 e 34 pg (picogramas por glóbulo) são considerados normais, enquanto os inferiores a 28 pg já são considerados hipocromia. O achado do hemograma pode ser confirmado pelo esfregaço de sangue periférico, um teste que permite a visualização no microscópio das células do sangue.

Com o microscópio, encontram-se normalmente até 5 células hipocrômicas. Se forem encontradas entre 6 e 15, há uma hipocromia leve. Esta é moderada entre 16 e 30 células e intensa quando mais de 30 células estão hipocrômicas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Causas

De acordo com o hematologista Rubens Zalton, membro da Sociedade Brasileira de Trombose e Hemostasia (SBTH), as causas da hipocromia são as anemias, em especial aquelas causadas pela carência do ferro (ferropênica).

Outras anemias, como a talassemia, também podem cursar com hipocromia. Por isso, a simples presença deste achado no hemograma não é capaz de fechar um diagnóstico da Hipocromia, pelo menos não isoladamente.

Hipocromia, microcitose e anisocitose

A anemia ferropriva, que decorre da deficiência de ferro no organismo, e a talassemia, uma desordem hereditária que pode causar anemia, compartilham tanto da hipocromia como da microcitose - um termo que se refere a hemácias mais pálidas e menores, pois não há produção normal de hemoglobina, segundo Jacques Tabacof, hematologista do CPO Oncoclínicas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Já a anisocitose indica uma disparidade no tamanho das hemácias: se mais de 14% das hemácias estão em volume desproporcional (maior ou menor que o normal), é caracterizado o quadro de anisocitose. Este também é um achado comum na anemia carencial.

Uma pessoa que apresenta anemia com microcitose, hipocromia e anisocitose provavelmente tem o diagnóstico de anemia por deficiência de ferro. São parâmetros utilizados no hemograma que complementam o diagnóstico e a possível causa da anemia.

Sintomas

Como não constitui uma doença em si, em geral os sintomas presentes em quem apresenta hipocromia costumam ser os decorrentes da anemia causadora do quadro:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Pessoas com hipocromia também podem vivenciar uma eventual alteração na pele, como a alteração da cor, em geral mais pálida que o habitual, bem comum na hipocromia severa. Já em casos leves, pele e mucosas são inalteradas

"É importante não confundir hipocromia no hemograma com lesões hipocrômicas na pele, que seriam 'pintas' ou 'manchas' claras na pele, com inúmeras causas, como hanseníase ou vitiligo, por exemplo", acrescenta Juliane Garcez Musacchio, hematologista da Oncoclínicas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tratamento

Não se trata a hipocromia em si, mas sim a anemia. No caso da anemia ferropriva, o tratamento adequado é a reposição de ferro. Já no caso da talassemia, o que se deve repor são vitaminas, como o ácido fólico.

Referências

Rubens Zaltron, médico hematologista e hemoterapeuta - CRM-SP 187983

Jacques Tabacof - Hematologista e oncologista do CPO Oncoclínicas - CRM 52996 SP

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Juliane Garcez Musacchio - hematologista da Oncoclinicas no Rio de Janeiro - CRM 5267526 - 1