PUBLICIDADE

Dieta da Mimis: como ela perdeu 33 kg e ganhou um corpo de atleta

Abolir o óleo da cozinha, investir em vegetais e mudar a relação com a comida foram algumas estratégias

Veja a dieta que fez Mimis perder 33 quilos - Foto: Getty Images
Veja a dieta que fez Mimis perder 33 quilos

Loira, magra, sorridente, corpo esculpido em músculos, um bronzeado saudável de quem mora na praia e um batalhão de fãs nas redes sociais. Essa é Michelle Franzoni, que hoje é mais conhecida por Mimis, tornou-se uma "blogueira da saúde" de respeito e inspiração para os seus mais de 845 mil seguidores em função de uma causa que ela propaga aos quatro ventos: ter um estilo de vida mais saudável.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Há três anos, porém, Mimis compartilhava do anonimato e da mesma estatística de milhões de brasileiros que enfrentavam o problema de excesso de peso - o levantamento mais recente do Ministério da Saúde aponta que 51% da população brasileira adulta está acima do peso. Em 2011, aos 34 anos, ela, que tem 1.70m, pesava 98 quilos. "Tive dificuldades com o peso a vida inteira, mas por problemas pessoais eu engordei muito. Resolvi dar um basta na situação, pois quero ter filhos e pensava que da maneira como estava, não conseguiria passar bons hábitos para a família", explica Mimis.

Hoje, 33 quilos mais magra e adepta de uma rotina de exercícios físicos quase religiosa, Mimis é outra mulher. Moradora de Florianópolis, ela anda de bicicleta por no mínimo três vezes na semana e vai para a academia entre 4 e 5 vezes na semana praticando treinos intensos de 50 minutos. "Essas mudanças de hábitos foram me estimulando. Por isso, não tive grande dificuldade em resistir às tentações e minha alimentação foi ficando ainda melhor", conta. Graças a esses hábitos, após 10 meses, ela conseguiu eliminar o excesso de peso e construir músculos para chegar aos 65 quilos, que mantém até hoje, aos 36 anos. Outro efeito da malhação são os 12% de gordura corporal que apresenta, o mesmo percentual de atletas olímpicos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Com tanto resultado para mostrar, a criação do blog foi algo natural. "Eu havia feito uma transformação física e emocional, mas percebi que faltava um blog que falasse sobre o emagrecimento com uma pegada saudável e decidi criar o blog da Mimis", afirma. "A coisa mais linda é ver como ele estimula outras pessoas a emagrecerem", orgulha-se.

Confira quais foram as principais estratégias realizadas na dieta da Mimis. Entenda por que elas foram essenciais para a perda de peso da blogueira e são boas estratégias para outras pessoas que desejam emagrecer de forma saudável.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Na cozinha, só pratos saudáveis

Mimis adora cozinhar, mas quando estava acima do peso fazia muitos pratos calóricos. Então, ela adaptou as receitas antigas, tornando-as mais saudáveis e criou novas preparações perfeitas para a dieta. "Comecei a ver a comida como um alimento para o corpo e então elaborava tudo com muito carinho e arrumava os pratos, o que ajudou, pois também comemos com os olhos", diz Mimis.

Ela adora doces e então passou a fazer versões lights com ingredientes como frutas, iogurte, cacau e canela. A blogueira também prepara uma deliciosa fritada de abobrinha e o risoto, que antes levava muita manteiga e era feito com arroz branco, agora é elaborado com arroz integral e muitos vegetais.

Elaborar pratos variados faz com que a dieta saia da monotonia e fique saborosa. "Michelle provou que no regime não é preciso comer só frango grelhado e salada, é possível fazer uma reeducação alimentar com sabor e isso é contagiante", observa Roberta Stella, nutricionista chefe do programa de emagrecimento Dieta e Saúde.

Mimis mudou seu estilo de vida e emagreceu - Foto: Blog da Mimis
Mimis mudou seu estilo de vida e emagreceu

Além disso, cozinhar os próprios alimentos faz com que eles sejam preparados da maneira mais saudável possível, Mimis, por exemplo, não utiliza óleo nas receitas. "Quando a pessoa participa da montagem do prato, ela também dá mais valor ao que come", ressalta a nutricionista Vivian Ragasso, do Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte.

Longe das bombas calóricas

Mimis adora doces e quando estava acima do peso comia brigadeiro diariamente. Porém, para conseguir emagrecer, ela restringiu o consumo das sobremesas e de outros alimentos calóricos, como massas. No começo, Mimis se permitia comer dois extras no final de semana, um deles era uma refeição saudável sem controle de quantidade e o outro podia ser duas doses de bebida alcóolica ou um prato livre ou um doce.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Assim, os doces deixaram de fazer parte do dia a dia de Mimis. "Costumo dizer que eu adoro viajar, mas não faço todo dia, também adoro ir para à praia, mas também não faço todo o dia. Então, por que eu comeria o chocolate todos os dias?", afirma Mimis.

Além de tornar a dieta mais fácil, essa estratégia ainda pode ser uma aliada no emagrecimentoemagrecimento. "Se a pessoa continuar sempre com o mesmo regime cria-se uma acomodação metabólica, mas se der uma leve escapada no final de semana ou em outro momento há o choque metabólico, o que distância do efeito platô", esclarece a nutricionista Vivian Ragasso.

É importante ressaltar que este benefício vale para uma ou outra escapada na semana. Um dia totalmente livre não é recomendado, mas pode haver concessões, como liberar a sobremesa ou um prato mais calórico. "Isto pode colocar todo o esforço da semana a perder e como a pessoa está acostumada com um volume pequeno, o exagero pode causar dor de barriga ou vomito", alerta Roberta Stella.

Casa organizada para a dieta

Para evitar as tentações Mimis deixou os chocolates, balas, bombons, entre outros doces, fora do alcance. "Tornava meu acesso aos alimentos calóricos difícil, se quisesse comê-los teria que sair de casa. Também enchi um armário da cozinha de alimentos saudáveis", afirma a blogueira.

Mimis deixou de usar óleo na comida - Foto: Blog da Mimis
Mimis deixou de usar óleo na comida

A atitude de Mimis em casa certamente contribuiu para o emagrecimento. "Ela fez uma medida preventiva para se manter na dieta", conclui Roberta Stella. Também é importante ficar atento com o que come no trabalho, não deixe a gaveta da sua mesa cheia de guloseimas, faça com que este espaço também fique recheado de lanches saudáveis.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Por que você come?

Além das transformações no corpo, Mimis também começou a fazer terapia, isto porque costumava descontar sentimentos bons ou ruins na comida. "Foi o primeiro tratamento que procurei. Precisava melhorar minha relação com o mundo para melhorar minha relação com a comida", explica a blogueira. Atualmente, Mimis reconhece que os problemas emocionais foram os principais entraves nas outras tentativas de emagrecer.

A nutricionista Roberta Stella dá uma dica para saber se a sua relação com os alimentos é emocional ou não. "Anote como se sente antes e depois de comer e assim poderá entender como se relaciona com a comida", orienta.

Alimentos saudáveis, sempre

Outro grande segredo da Mimis foi apostar na velha regra das substituições saudáveis. "Não uso óleo para cozinhar e troquei a farinha branca pela integral, o açúcar refinado pelo mascavo ou mel e passei a comer integrais, chia, aveia, muitos vegetais, entre outros", conta a blogueira.

Mimis investiu nos vegetais para emagrecer - Foto: Blog da Mimis
Mimis investiu nos vegetais para emagrecer

As trocas feitas por Mimis são boas para o regime e a saúde. O açúcar refinado é somente fonte de calorias vazias, sem nutrientes importantes. Já o mel conta com uma série de componentes que proporcionam benefícios, fazendo com que o adoçante natural seja bom para o intestino. Como o açúcar mascavo não passou pelo processo de refinamento, ele também contém mais nutrientes do que a outra versão.

A farinha integral possui menos calorias e mais fibras, proteínas, antioxidantes, vitaminas, como a E e do complexo B, e minerais, como zinco e fósforo do que a farinha branca. Isto ocorre porque a primeira não passou pelo processo de refinamento ao qual a outra foi submetida.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Mais vegetais para espantar a fome

Uma estratégia que Mimis usa para chegar a hora do almoço com menos fome é beliscar vegetais, como brócolis, abobrinha, cenoura, enquanto ainda está preparando as refeições e isso faz com que ela sinta menos fome quando senta-se à mesa para a refeição. "Como faço muita atividade física, comer pouquinho não funciona. Então passei a encher os pratos de verduras ou legumes. Fazia um risoto com muita quantidade de vegetais e isso me enganava, achava que estava comendo muito arroz, mas na verdade não", afirma a blogueira.

Os vegetais de fato fazem com que a pessoa se sinta mais saciada. "Legumes e frutas contam com mais fibras, o que irá dar a sensação de estufamento. Além das fibras, eles possuem muita água que proporciona maior volume", explica Roberta Stella. Quando estes alimentos são ingeridos antes, a pessoas realmente tende a comer menores quantidades dos outros itens do prato.

Mimis não tem intolerância ou alergia ao glúten e nem à lactose. Mesmo assim, após consultar uma nutricionista funcional, a profissional recomendou um cardápio sem essas duas substâncias. O glúten é encontrado em alimentos à base de trigo, aveia, cevada, centeio e malte, fontes portanto principalmente de carboidratos. Já a lactose é encontrada no leite e seus derivados. "Disse a ela que não conseguiria fazer essas restrições. Eu já tinha que diminuir doces e massas e ainda teria que cortar o glúten e a lactose?! Tinha 30 quilos para perder e ia pirar com tantas restrições", lembra Mimis.

De fato, a restrição destas duas substâncias só é recomendada em casos de alergia ou intolerância. "Ao impor a ausência desses alimentos pode ocorrer a restrição de algum grupo alimentar importante porque a pessoa não adquire um substituto, ou por ser mais caro ou de difícil preparo", explica Vivian Ragasso. Além disso, não há provas de que a ausência de glúten ou lactose contribui para o emagrecimento.