Fuja da flacidez

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 23/05/2005

Uma das principais conseqüências do "efeito sanfona" é a flacidez. Barriga, bumbum, coxas e braços são as partes do corpo mais atingidas. O processo é lento, porém progressivo, e pode ser ocasionado por diversos motivos. Emagrecer e engordar, constantemente, é apenas um deles.

O colágeno e a elastina (fibras responsáveis pela sustentação da pele) começam a enfraquecer naturalmente com o passar do tempo. Algumas pessoas, no entanto, mesmo sendo jovens, podem notar sinais de flacidez pelo corpo. Nesses casos, há grandes possibilidades de ser um fator genético. Mas isto não significa que não há maneiras de diminuí-la.

De acordo com a dermatologista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Ediléia Bagatin, "pessoas com esta pré-disposição à flacidez, devem evitar o cigarro e não devem se expor ao sol sem proteção e por longos períodos". Ela alerta ainda, que é conveniente iniciar um tratamento com cremes para flacidez, mais cedo que as pessoas que não têm tal fator genético.

Porém, as causas da flacidez não param por aí. Sedentarismo, alimentação inadequada e exposição ao sol em excesso também podem fazer com que uma pessoa saudável se torne flácida no futuro.



Um fato curioso, é que a flacidez atinge mais mulheres que homens. A dermatologista Ediléia explica que a incidência é maior no sexo feminino por questões hormonais. Devido aos hormônios também, é que a pele fica mais flácida, após a menopausa. Por isso, nada melhor que fazer exercícios para diminuir as probabilidades deste mal, que atinge tantas mulheres, aparecer.



Mas e aquelas pessoas que já sofrem com a flacidez? O remédio indicado é o mesmo: exercício. A atividade mais adequada para quem quer evitar, ou ainda, acabar com a flacidez, é a musculação. O professor de educação física, Gustavo Araújo Lázaro, explica que este tipo de atividade enrijece os músculos e tonifica a pele, fazendo com que a flacidez vá embora.

Segundo o professor, a freqüência mínima para praticar os exercícios é de três vezes por semana. Porém, "quanto mais tempo de treino e mais peso a pessoa conseguir levantar, maior será o tônus muscular". Gustavo explica que o tônus é a rigidez do músculo.



Mas se a musculação não é seu tipo de atividade física preferida, não desanime. O professor ressalta que qualquer tipo de exercício é bem-vindo, inclusive esportes coletivos.







PUBLICIDADE