Recomeço no esporte: "Aprendi que podia fazer coisas que achava impossível"

Ex-dançarino conta como se tornou paraplégico e conseguiu chegar à seleção brasileira de paracanoagem

POR BEATRIZ CAETANO - PUBLICADO EM 10/11/2016

Luis Carlos comemorando uma de suas conquistas - foto: divulgação/facebook
Luis Carlos comemorando uma de suas conquistas

O esporte serve como recomeço para muitas pessoas e um excelente exemplo disso é a história do atleta piauiense Luis Carlos Cardoso, 35 anos. Em 2009, ele começou a sentir fortes dores pelo corpo e, ao ser hospitalizado, foi descoberto que um parasita se alojara em sua medula (esquistossomose medular). O caso, que era irreversível, acabou deixando Luis Carlos paraplégico.

PUBLICIDADE

Aos nove anos, ele começou a dançar como forma de diversão, porém a brincadeira acabou se tornando um sonho profissional. Por causa de um problema financeiro, Luis precisou largar a escola aos 14 anos e se dedicou a dar aulas em academias e ginásios.

Ele trabalhou dessa forma até os 16 anos, quando começou a atuar como dançarino em uma banda de forró. Durante sua carreira, Luis passou por diversas bandas e foi integrante, inclusive, do grupo do cantor Frank Aguiar.

"A dança era tudo pra mim"

Após a paralisia, Luis encontrou-se preso em uma rotina monótona que incluía ficar em casa e ir a clínicas de fisioterapia. "Foi duro saber que nunca mais poderia fazer algo que amava, nunca imaginei que uma fatalidade podia acontecer e minha carreira acabar", revela Luis.

Durante uma busca pela internet, ele descobriu o basquete para deficientes físicos e chegou a treinar por um tempo. No entanto, foi por meio da fisioterapia que conheceu a paracanoagem, que começou a praticar sem grandes pretensões, pensando apenas em sua reabilitação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Porém, aos poucos, Luis começou a participar de alguns campeonatos, até que, em 2012, entrou para a seleção brasileira. Atualmente, o paratleta treina de segunda a sábado, sendo que no período da manhã pratica atividades na água e à tarde faz academia.

Liberdade

Pessoas com deficiências físicas encontram diversos obstáculos diariamente, como a falta de acessibilidade nas ruas, de incentivo ao esporte e de inclusão em escolas, que acabam desmotivando as pessoas a alcançarem seus objetivos.

Luis Carlos acredita que pessoas em condições especiais não podem deixar de acreditar. "Eu me via preso em uma cadeira de rodas, mas o esporte me trouxe essa liberdade, aprendi que podia fazer coisas que achava impossível", disse Luis.

Conquistas

Em 2011, Luis conquistou sua primeira medalha, uma prata, durante uma competição brasileira, além de se classificar para o campeonato Pan-Americano. Desde então as conquistas pelo mundo não pararam de acontecer. Ao todo, Luis Carlos tem 21 medalhas, sendo 11 de ouro. Contudo, sua melhor e maior vitória até agora foi ser eleito o melhor atleta paralímpico do Brasil em 2015.

Algumas das medalhas já conquistadas por Luis Carlos - foto: divulgação/facebook
Algumas das medalhas já conquistadas por Luis Carlos

O paratleta esteve nos Jogos Paraolímpicos Rio 2016, o primeiro ano que a paracanoagem tornou-se esporte oficial. "Foi uma experiência incrível, uma emoção indescritível", comenta ele.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Infelizmente, o atleta não conquistou nenhuma medalha durante a competição, porém ainda está longe de desistir desse sonho. "Quero conquistar uma medalha paralímpica e espero que em 2020 ela possa vir", completa Luis Carlos.

#Eu Posso: uma causa de inclusão no esporte e do direito a uma vida mais saudável
Para muitos brasileiros, praticar atividade física ainda é um direito a ser conquistado e, por isso, o Minha Vida está engajado na causa #Eu Posso, que traz à tona a discussão sobre o direito que todo mundo tem de adotar uma vida mais saudável. Queremos muito saber se você já teve alguma dificuldade para praticar exercícios! Clique aqui e conte a SUA história.

Luis Carlos durante os Jogos Paraolímpicos Rio 2016 - foto: divulgação/facebook
Luis Carlos durante os Jogos Paraolímpicos Rio 2016