publicidade

Oito dicas para evitar infecções durante a catapora

Doença forma pústulas e a coceira excessiva pode causar infecções

Por Carolina Serpejante - publicado em 25/10/2011


Conhecida pela formação dos "pontinhos vermelhos" espalhados pelo corpo, a catapora é uma doença comum da infância, sendo benigna na maioria dos casos. Ela se caracteriza pela formação de pústulas ou vesículas na pele, que causam a sensação de coceira constante, além de febre.

Ao apresentar os sintomas da doença, a primeira recomendação é procurar um médico, que pode receitar algum medicamento antialérgico ou loção que irá aliviar a coceira. Há também alguns cuidados que podem ser tomados dentro de casa para que a doença vá embora o mais rápido possível sem nenhuma complicação: 

de 8

unhas - foto Getty Images

Mantenha as unhas cortadas e limpas
Unhas compridas alojam bactérias que podem infectar as feridas, que já estão povoadas pelo vírus da varicela (catapora). "Isso pode gerar uma infecção bacteriana sobreposta que se espalha para outras feridas, podendo comprometer tecidos mais profundos da pele e causar infecções graves", explica o pediatra Luís Fernando Carneiro, do Hospital Santa Cruz. Além disso, mantendo as unhas curtas você evita criar feridas mais graves por conta da coceira. 

catapora - foto Getty Images

Fique longe por um tempo!
A catapora é altamente transmissível pelo contato da pele e através de tosse e espirros de pacientes acometidos pela doença. Por isso, especialistas recomendam que a pessoa doente fique isolada até que a última vesícula - aquela bolinha d'água - seque.

"Devemos tomar cuidado, sobretudo, para não transmiti-la a pacientes com deficiência de imunidade, gestantes que não tiveram catapora e bebês prematuros", explica o pediatra Luís Fernando Carneiro. Ele explica que, no período de crostas - quando só há casquinhas e não mais vesículas -, a catapora não é mais transmitida. No geral, esse período de vesículas dura de sete a 10 dias, independente de qualquer medicação. 

catapora - foto Getty Images

Use roupas leves
"Quanto mais confortável estiver trajado o paciente, menor será o incômodo e o risco de complicações", afirma o clínico geral Carlos Carelli, Gerente Técnico Operacional do Grupo Hospitalar Santa Celina.

A escolha por roupas mais frescas também é recomendado para não esquentar muito o corpo do paciente (que pode apresentar febre), para evitar a transpiração (que pode aumentar a coceira) e para evitar atritos da roupa com as vesículas, que podem se romper e infeccionar. 

banho - foto Getty Images

Banhos mornos
Água de morna a fria pode ajudar a aliviar a coceira do paciente. "Banhos gelados não são indicados, pois podem causar uma queda brusca da temperatura corporal da pessoa, gerando até uma hipotermia", explica o pediatra Luís Carneiro.  

catapora - foto Getty Images

Se a coceira estiver grande, use luvas para dormir
É certo que, durante o sono, a coceira pode ser incontrolável. Por conta disso, os médicos recomendam o uso de luvas ou mesmo meias de algodão, com intenção de evitar a coceira. "Mas a melhor maneira de evitar a infecção secundária por bactérias é manter as unhas aparadas e limpas e controlar o prurido através de medicamentos e banhos mornos", conta o pediatra Luís Carneiro. 

catapora - foto Getty Images

Fuja das receitas caseiras
O uso de pastas de dente, pomadas ou cremes contendo corticoide são totalmente contraindicados para tratar a catapora. Outras medidas, como dar banho com água e maisena ou permanganato de potássio, podem até aliviar a coceira, mas devem ser evitadas. "Uma avaliação médica é a melhor conduta a ser seguida, pois, existem diferentes manifestações da doença, exigindo cuidados diferenciados", conta o médico Carlos Carelli.

De acordo com a infectologista Marta Fragoso, do Hospital VITA Curitiba e VITA Batel, a coceira deve ser controlada com o uso de medicamentos específicos, chamados de anti-histamínicos, que devem ser receitados pelo médico. "O uso de substâncias refrescantes, como o talco mentolado e o banho morno apenas auxiliam na redução da coceira, mas não são medidas efetivas", explica. 

alimentação - Foto Getty Images

Cuidados com a alimentação
Pelo fato de o paciente também poder desenvolver feridas na parte interna da boca e no trato digestivo, é melhor dar preferência a uma alimentação líquida ou pastosa, não muito quente. Outra recomendação é evitar condimentos, sal e alimentos cítricos como laranja e limão, que podem causar desconforto e piorar as lesões. "Líquidos devem ser dados com frequência devido ao risco de desidratação, uma vez que a doença tira o apetite da criança e a febre pode causar perda de líquido", conta o pediatra Luís Fernando Carneiro. 

vacina - foto Getty Images

Saiba mais sobre a vacina
Composta por um vírus vivo enfraquecido, a vacina contra varicela dá imunidade duradoura porque estimula o corpo a fabricar anticorpos contra a doença. A vacinação também impede formas graves da doença que podem deixar sequelas e até provocar morte. Pessoas vacinadas na infância ou crianças recém-vacinadas podem até contrair a doença, mas o risco de isso acontecer é muito pequeno e, mesmo assim, a doença se manifestará de forma muito leve.

A vacina previne 70 a 85% da infecção leve em crianças na faixa etária de 1 a 12 anos, além de prevenir 99% dos casos moderados ou graves. "A partir dos 13 anos de idade, a resposta imune ocorre em 78% das pessoas que recebem uma dose da vacina e em 99% das que receberam uma segunda dose", explica a infectologista Marta Fragoso.  

ver texto completo



Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Mais sobre:

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

siga o minha vida e melhore sua qualidade de vida

Saiba mais

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."


Você está usando uma versão antiga do seu navegador :( Para obter uma melhor experiência, atualize agora!
X