Minha Vida - Saúde, Alimentação e Bem-Estar

Mande para longe dificuldades respiratórias com hábitos diários

Rinite, sinusite e bronquite atrapalham a respiração, mas é possível combatê-las

Por Ana Paula de Araujo - publicado em 15/06/2011


Quem tem alguma doença respiratória sabe como um ato tão natural quanto respirar pode se tornar penoso. Em boa parte dos casos, a pessoa respira pela boca, pois o nariz está obstruído demais. No entanto, esse hábito pode se tornar um problema e até levar à rinite crônica. "O nariz tem sistemas de defesa. Quem respira muito pela boca está suscetível a mais infecções", explica o pneumologista Igor Bastos Polonio, da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia.

O ato de respirar pela boca traz reflexos até mesmo na postura do indivíduo. A fisioterapeuta respiratória Tânia Lucia Nen, presidente da Associação Brasileira de Asmáticos (ABRA), afirma que esse tipo de respiração incorreta leva a alterações na coluna, como escoliose e postura cifótica (ombros caídos para frente). "Crianças que dormem de boca aberta e respiram por ela podem ter deformidades no tórax e postura da coluna alterada", pontua. Essas alterações também acontecem no céu da boca, o que pode resultar em um quadro de apneia do sono. 

Respiração

Afaste-se dos causadores desses problemas

É possível respirar bem e pelo nariz, mesmo tendo rinite, sinusite ou outro mal respiratório. Em casos de rinite alérgica, segundo o pneumologista Igor, a primeira atitude é se afastar do agente causador da alergia, seja ele ácaro, pêlo de animais, pólen, carpete, cortina, fumaça de cigarro, entre outros.

De imediato, já poderá haver uma melhora - e essa é a hora do médico associar medicação, caso seja necessário. "O tratamento é a medicação nasal e, em casos sem resposta, cirurgia pelo otorrino", explica o especialista.

Reeduque sua respiração

Outros auxiliadores também podem ser associados em busca de melhorias na respiração. A fisioterapia respiratória se destaca e, em casos de alterações na postura, une-se ao RPG (reeducação postural global). Essa fisioterapia, conta Tânia, corrige os padrões respiratórios, aumenta capacidade respiratória, ventilação e oxigenação pulmonar e, com isso, torna o pulmão mais resistente a crises de asma, além de diminuir a secreção.

O primeiro passo é o profissional de fisioterapia auxiliar o paciente a limpar as vias aéreas. Na desobstrução nasal, a pessoa inclina o rosto para trás para que o fisioterapeuta coloque soro fisiológico em suas narinas. Depois de receber uma massagem nos seios da face, ele estará apto para expelir a secreção para frente.

Beber água ajuda em crises respiratórias

A terapia também trabalha com o relaxamento da musculatura superior do ombro, que está "bloqueada", aumentando a mobilidade do tórax. "As pessoas que tem problemas respiratórios têm muita tensão nessa musculatura e o diafragma fica bloqueado, é como se desse um nó na gravata", explica a fisioterapeuta.

Apesar de esses processos deverem ser realizados por um profissional, há exercícios que podem ser feitos em casa para melhorar sua respiração. Confira alguns exemplos, ensinados pela fisioterapeuta respiratório Tânia:

Sente-se em uma cadeira e coloque uma mão em cima do umbigo. Respire pelo nariz e solte pela boca, fazendo biquinho pra soprar. Quando for encher os pulmões, mantenha os ombros soltos e a coluna reta. "O paciente vai respirar com a 'barriga', vai relaxar o ombro e crescer a 'barriga', soltar o ar e encolher a barriga, para ajudar a liberar o ar que está preso e renovar a respiração", explica a fisioterapeuta.

Na verdade, a barriga não se encherá de ar, mas sim a parte inferior de seus pulmões que, geralmente, é pouco usada na hora de respirar. Para variar esse exercício, você pode, em vez de deixar seus braços repousados, levantá-los conforme os pulmões se enchem. Ao soltar o ar, solte também seus braços.

Mudar de posição também é válido. Se preferir fazê-lo deitado, de barriga para cima, dobre as pernas pra relaxar a musculatura lombar e, da mesma forma, coloque a mão no abdômen. Depois, tente com as mãos elevadas: levante-as ao inspirar e, ao expirar, abaixe. Tente, ainda, deitando de lado, com as pernas flexionadas - sempre tomando cuidado para manter a coluna reta e os músculos relaxados.

Pratique esportes

O esporte também pode ser um grande aliado. Práticas esportivas, como natação, caminhada, futebol e pilates respiratório (uma modalidade que trabalha especialmente padrões respiratórios) podem até diminuir a inflamação, desde que sejam tomados certos cuidados.

Quem resolve fazer natação, por exemplo, pode ser alérgico ao cloro da piscina. Há, ainda, a questão do ambiente a se praticar a atividade. Se isso acontecer em um ambiente poluído, o quadro respiratório pode piorar. Por todos esses motivos, é importante procurar um médico antes de qualquer prática esportiva - e isso vale para qualquer idade, como ressalta Polonio.

Hidrate-se!

Os líquidos têm importante papel na eliminação da secreção e, logo, na qualidade da respiração. "O pulmão precisa ficar hidratado pra ajudar na eliminação do catarro", alerta ela, que explica que, diante da desidratação, a crise pode piorar.

Inalações também são bem-vindas. Quando feitas da maneira correta, elas hidratam os pulmões e dilatam os brônquios, facilitando o respirar. O ideal, apenas, é que seja feita com orientação de um profissional da saúde. 



Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."