PUBLICIDADE

Refluxo gastroesofágico pode causar complicações como úlceras e adenocarcinoma

Veja os tratamentos para a doença e quais os riscos de negligenciá-la

Refluxo gastroesofágico é o retorno do alimento do estômago para o esôfago. A doença do refluxo gastroesofágico é definida pela presença do refluxo associada a sintomas ou complicações. É uma das queixas mais prevalentes em consultórios de gastroenterologia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os sintomas se dividem entre típicos e atípicos. No primeiro grupo incluímos a azia ou pirose (queimação retroesternal) e regurgitação. No segundo grupo temos sensação de impactação alimentar, tosse crônica, asma, fibrose pulmonar, pneumonia, dor torácica, laringite, sinusite, otite, aftas, rouquidão, pigarro, halitose e erosão dentária.

Entre as causas pode-se citar hérnia de hiato, hipotonia do esfíncter esofagiano inferior (músculo que contraído evita que o conteúdo do estômago volte para o esôfago), perda da peristalse do esôfago (contrações musculares coordenadas para conduzir o alimento), aumento da secreção gástrica, aumento da pressão intra-abdominal e estômago muito cheio por um tempo prolongado. Outros fatores de risco incluem obesidade, tabagismo, etilismo, gravidez, esclerodermia, alimentação inadequada, hábitos alimentares ruins e certas medicações como betabloqueadores, broncodilatadores, bloqueadores dos canais de cálcio para pressão arterial alta, agonistas dopaminérgicos, sedativos e antidepressivos tricíclicos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Entre os medicamentos utilizados temos antiácidos, antagonistas H2, inibidores de bomba de prótons, agentes procinétidos e relaxadores do fundo gástrico.

Entre os exames diagnósticos temos a endoscopia digestiva alta (que auxilia na definição de prognóstico e conduta), phmetria esofagiana, esofagomanometria e impedanciometria.

No exame endoscópico do esôfago nota-se em alguns casos inflamação (esofagite). Em um número menor de pacientes, especialmente naqueles com hérnias hiatais volumosas e refluxo crônico, observa-se complicações como úlceras, estreitamentos (estenoses) e metaplasia colunar. A metaplasia colunar no esôfago distal é uma reação do esôfago à presença do conteúdo gástrico refluído. É especialmente preocupante quando temos esôfago de Barrett que é processo de metaplasia no qual o epitélio do estômago assume algumas características do epitélio intestinal. Neste caso temos um aumento no risco de câncer de esôfago, sendo necessário um acompanhamento endoscópico.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Todo refluxo crônico deve remeter a avaliação por um médico, com acompanhamento regular, visando não só a resolução dos sintomas bem como a prevenção ou acompanhamento de possíveis complicações como úlceras, estreitamentos do esôfago e adenocarcinoma.

O tratamento se inicia com uma alimentação adequada, procurando evitar alimentos que sabidamente causam o refluxo, álcool, alimentos cítricos, cafeína, bebidas gasosas, chocolate, tomate, alguns condimentos e temperos, alimentos gordurosos, menta e hortelã. Além disso, deve-se evitar refeições copiosas, não deitar por três horas após comer, alimentar-se a cada três horas, parar de fumar, evitar obesidade e roupas apertadas e não exercitar-se após a alimentação. Para evitar o refluxo noturno, recomenda-se elevar a cabeceira da cama em 15 cm, permitindo que o material refluído para o esôfago retorne prontamente ao estômago.

Entre os medicamentos utilizados temos antiácidos, antagonistas H2, inibidores de bomba de prótons, agentes procinétidos e relaxadores do fundo gástrico. Como possuem indicações precisas e efeitos colaterais que incluem diarreia, vômitos, pólipos gástricos, hipomagnesemia, aumento no risco de infecções gastrointestinais e pneumonias, o uso de medicamentos deve ser feito apenas com prescrição médica.

Cirurgias antirrefluxo como a fundoplicatura de Nissen são usadas em casos selecionados, considerando idade do paciente, sintomas, características anatômicas e funcionais do esôfago, complicações do refluxo e preferências do paciente.