Disfunção erétil: o que fazer quando os medicamentos não funcionam?

Alternativas ao tratamento padrão envolvem cirurgia e uso de bomba peniana

ARTIGO DE ESPECIALISTA - PUBLICADO EM 12/05/2015

Dr. Dr Ailton Fernandes
Urologia - CRM 728179/RJ
especialista minha vida

Disfunção erétil, mais conhecida como impotência sexual, é uma doença bastante prevalente na população brasileira, principalmente naquelas pessoas que possuem pressão alta e taxa de glicose elevada no sangue. Existem inúmeros tratamentos para este quadro, sendo que o tratamento de primeira é feito com drogas conhecidas como inibidores da 5-fosfodiesterase, tais como sildenafil (Viagra), vardenafil (Levitra), tadalafila (Cialis), dentre outras. Porém, nem todos os pacientes respondem adequadamente a estas medicações. Para o medicamento fazer efeito, inicialmente deve haver estímulo sexual e vontade sexual (libido). Sem estímulo ou libido a medicação pode não funcionar. Outro ponto importante é a troca da medicação caso o paciente não responda com um em específico. Não é porque o paciente não obteve uma resposta satisfatória com determinada medicação que outra não funcionará. Contudo, não se devem combinar duas medicações diferentes por via oral ao mesmo tempo. Atualmente, pode-se combinar a terapia oral com um tratamento local usando bomba à vácuo peniana, que ainda apresenta pouca aceitação na população em geral.

PUBLICIDADE

Existem pacientes com grau de disfunção erétil tão elevado que mesmo com utilização de vários tipos de inibidores da 5-fosfodiesterase não existe uma resposta adequada. Neste caso, recomenda-se o tratamento de segunda linha, que seria com os medicamentos injetáveis no corpo cavernoso do pênis. Inúmeras medicações injetáveis podem ser utilizadas, dentre elas fentolamina, papaverina, pepitídeo vasoativo intestinal e prostaglandina, seja isoladamente ou em combinação.

Nos pacientes que apresentam falha nos tratamentos de primeira e segunda linha, pode-se utilizar outros tipos de tratamento. Os mais indicados seriam os cirúrgicos, seja o implante de próstese peniana semirrígida ou inflável ou a tentativa de revascularização cirúrgica do pênis.

O que se deve saber é que toda queixa de disfunção erétil deve ser investigada antes de ser iniciado o tratamento.

*Artigo escrito em parceria com o urologista Helce Ribeiro Julio Junior (CRM 52-80011-2), da Sociedade Brasileira de Urologia Regional RJ. Membro do departamento de Andrologia da SBU-RJ, mestre em ciências cirúrgicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ) e membro da Sociedade Internacional de Medicina Sexual.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.