PUBLICIDADE

Os diferentes tipos de violência contra a mulher

A cada 6 horas, uma mulher é morta dentro de casa no Brasil. Conheça as formas de violência de gênero

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Ser mulher é estar sujeita a inúmeras formas de violência. Por uma cultura machista que ainda persiste no mundo (e no Brasil não é diferente), cada uma de nós segue diariamente vivendo (e sobrevivendo) em busca de mais respeito aos nossos corpos, aos nossos estilos de vida, orientação sexual etc.

Em um país em que uma mulher é morta dentro de casa a cada 6 horas e 23 minutos, segundo o Atlas da Violência 2020, é possível notar como uma pandemia agrava mais a situação, transformando a própria casa em um ambiente hostil. Conheça, a seguir, alguns tipos de violência contra a mulher e saiba como identificá-los.

Violência racial contra a mulher

O racismo é uma forma de discriminação e violência presente nas mais sutis formas de relação. Falando especificamente das mulheres negras, Bruna Soares da Rosa, mulher negra advogada e militante das causas de raça e gênero, reforça que são essas brasileiras as que lideram todos os rankings sobre violência em razão da estrutura patriarcal e racista estabelecida no Brasil pós-escravidão.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"A mulher negra é a parcela mais vulnerável da sociedade em razão dos nossos corpos serem alvo das três mais cruéis opressões: opressão de gênero, de raça e de classe", diz a advogada. Consequentemente, as mulheres negras no país são as que mais sofrem violência sexual, violência obstétrica, feminicídio, entre outros tipos de violência.

Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2020, elaborado pelo Fórum de Segurança Pública e que traz dados de 2019, 66,6% das vítimas de feminicídio no Brasil são negras. "Este percentual revela uma maior vulnerabilidade das mulheres negras a este tipo de crime", diz o relatório.

"De acordo com levantamento realizado entre os anos de 1996 e 2018, ocorreram mais de 38 mil mortes maternas - e mulheres pretas e pardas totalizaram 65% dos óbitos maternos; ainda somos a maioria das vítimas de violência doméstica. Além disso, somos as mães que vemos nossos filhos serem assassinados, presos, aliciados, violentados pelo Estado das mais diversas e perversas formas", lembra Bruna.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Violência doméstica na pandemia

Pela Lei Maria da Penha (nº 11 340/2011), violência doméstica e familiar contra a mulher é toda e qualquer ação ou omissão baseada no gênero que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial à mulher no ambiente doméstico, familiar e em relações íntimas de afeto.

Com a pandemia, casos de violência doméstica cresceram no mundo todo, segundo a ONU Mulheres. Entretanto, segundo o Fórum de Segurança Pública, o que se verificou no Brasil foi a redução dos registros de lesão corporal dolosa (-10,9%), ameaça (-16,8%), estupro (-23,5%) e estupro de vulnerável (-22,7%), além do aumento da violência letal contra as mulheres (+ 0,8% ) e das ligações para o 190 (+3,9%) no primeiro semestre de 2020.

Como a maior parte dos crimes é cometido em casa e exige a presença da mulher para a instauração do inquérito, as denúncias diminuíram na quarentena em função das medidas de distanciamento social e pela presença mais intensa do agressor nos lares - o que constrange a vítima a realizar uma ligação telefônica ou mesmo de dirigir-se às autoridades competentes para comunicar o ocorrido.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Violência contra a mulheres lésbicas e bissexuais

Não é raro que mulheres lésbica e bissexuais sejam alvo de ofensas homo e bifóbicas, estupros corretivos, fetiches sexuais em relação a seus corpos, entre outros formas de violências verbais e físicas que revelam a visão do relacionamento entre duas mulheres de forma estranha ou como um serviço para o agrado dos desejos de homens.

"É uma forma de violência, pois agride a virilidade e a masculinidade frágil dos homens heterossexuais. A misoginia também figura como uma das razões para ocorrência destas violências. A sociedade como um todo banaliza e infantiliza essas relações, hipersexualiza essas mulheres, situação que acaba legitimando a prática das mais cruéis formas de violência física, sexual e psicológica", diz Bruna.

Violência contra a mulher trans

O Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo. Segundo Dossiê dos ASSASSINATOS e da violência contra pessoas Trans em 2020, elaborado pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais, foram contabilizados 175 assassinatos: todos contra pessoas que expressavam o gênero feminino em contraposição ao gênero designado no nascimento.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A violência contra mulheres trans ocorre das mais variadas formas: seja pela negação de direitos básicos à vida, exclusão política e social, a ignorância das instituições que se negam a aplicar e a enquadrar determinados crimes como feminicídio, violência doméstica, homofobia e transfobia.

"Tivemos um pequeno avanço em 2019, quando STF passou a considerar os crimes de homofobia e transfobia nos mesmo termos definidos pela Lei do Racismo (nº 7 716/1989). O que eu vejo como um pequenino passo, pois a Lei do Racismo infelizmente não tem efetividade, já que depende de um homem branco e cisgênero para ser aplicada. Nossa jornada é longa!", analisa Bruna.

Violência obstétrica

A violência obstétrica é um conjunto de práticas realizadas durante a gestação, parto, nascimento ou pós-parto em relação ao corpo e ao psicológico da mulher. "É um conceito em construção. Transita entre o desrespeito humano durante o cuidado ao nascimento até à prática de condutas médicas sem respaldo científico", explica Hemmerson Magioni, médico obstetra fundador do Instituto Nascer.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

De forma prática, a violência obstétrica pode ocorrer da seguinte forma segundo um levantamento encomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS):

"Embora os maus tratos às mulheres durante o parto ocorram frequentemente no nível da interação entre mulheres e profissionais de saúde, falhas sistêmicas da unidade de saúde e do sistema de saúde também contribuem para sua ocorrência", conclui o estudo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Como denunciar casos de violência contra a mulher?

A denúncia de um caso de violência contra a mulher pode ser feito nos seguintes canais:

Quanto à violência obstétrica, os canais são:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além dos canais mais conhecido, vale também recorrer a meios alternativos de denúncia para a violência contra a mulher:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)