PUBLICIDADE

Fórmula infantil e cólicas: saiba o que é mito e como prevenir desconfortos no bebê

Técnicas para o uso correto da mamadeira e até estado emocional dos pais podem influenciar a intensidade das cólicas. Saiba como lidar com o problema

*Conteúdo patrocinado por Luftal

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sabemos da importância do aleitamento materno para o crescimento adequado do bebê. Porém, nem todas as mulheres têm a possibilidade de amamentar seus filhos e precisam recorrer ao uso de fórmulas infantis para auxiliar nas necessidades dos seus pequenos.

O fato é que, com o leite materno ou fórmulas infantis, os bebês são suscetíveis às temidas cólicas, o que provoca angústia e preocupação nos pais. Elas ocorrem devido a uma combinação de causas distintas, como a imaturidade do sistema digestivo dos bebês até a pega incorreta na hora da amamentação, que faz com que a criança engula mais ar ao tentar sugar o peito da mãe ou o bico da mamadeira.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Independentemente do tipo de amamentação, é possível lidar com esse desconforto e garantir que o seu bebê se desenvolva com saúde, sem sofrimento. Veja abaixo algumas dicas de como evitar o surgimento das cólicas e também minimizá-las no dia-a-dia dos pais e bebês:

Uso correto da mamadeira e liberação de gases

Quando os bebês precisam se alimentar usando a mamadeira, eles não conseguem controlar tão bem a saída do leite e não abocanham completamente o bico do acessório - isso pode fazer com que eles engulam uma quantidade maior de ar durante a mamada. Por isso, é normal que os bebês sintam um pouco mais de desconforto em relação a gases que podem provocar cólicas** e arrotos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O pediatra Marcus Renato de Carvalho, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especialista em amamentação, alerta que, para evitar que os desconfortos sejam constantes, a amamentação por mamadeira deve ser feita de um jeito específico: "A inclinação da mamadeira é importante para que o bebê mame de verdade e não mastigue a chupeta. Portanto, há uma boa inclinação quando aparecem pequenas bolhas na mamadeira. Além disso, o bico da mamadeira deve estar sempre cheio para evitar que o bebê engula ar. É importante não dar mamadeira com o bebê deitado, o ideal é semi-sentado e sempre colocá-lo para arrotar em pé no colo".

Quando preso no organismo, o ar ingerido pode acabar favorecendo a formação de gases, que causam desconforto abdominal e cólicas. Os medicamentos à base de simeticona podem ser uma alternativa, pois rompem as bolhas de ar causadoras dos gases e das cólicas, deixando seu bebê bem mais confortável. Líder em prescrição pelos pediatras*, Luftal, com simeticona em sua fórmula, pode ajudar a aliviar o desconforto rapidamente e não é absorvido pelo organismo dos bebês.

Ambiente aconchegante

Sabemos que os momentos em que as cólicas aparecem podem causar muita ansiedade nos pais. Essa agitação, por sua vez, acaba afetando o bebê, que se sente inseguro e reage à dor com mais intensidade. A dica, nesses casos, é deixar o ambiente o mais aconchegante e seguro o possível para a criança, embalando-a nos braços, de preferência de bruços.

Cuidados como estes ajudam a reduzir o estresse do seu bebê, que ainda não sabe lidar com as cólicas e precisa da segurança dos pais. A sua tranquilidade, portanto, faz toda a diferença na hora de acalmá-lo: se você se sentir sobrecarregada, peça a ajuda de alguém e tente aliviar a tensão por alguns minutos, só para evitar que o bebê se sinta ainda mais inseguro com a sua reação, que é natural nesses primeiros meses de vida. Respire fundo, distraia-se rapidamente e volte quando se sentir mais tranquila para embalar o seu bebê com paciência, ternura e calma.

A técnica para amamentar, seja no peito ou na mamadeira, pode fazer a diferença na hora de prevenir as cólicas e outros desconfortos no bebê. Por isso, é muito importante atentar-se à pega e à posição do bebê ao amamentar, a fim de evitar que ele engula muito ar durante o processo. Outros fatores, como imaturidade intestinal, também podem agravar esses sintomas; lembre-se, portanto, de sempre consultar o seu médico pediatra para investigar a causa dos desconfortos do bebê.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Médico consultado: Marcus Renato de Carvalho - CRM 52396770 - RJ

LUFTAL® (simeticona) M.S. 1.7390.0009. Indicado para pacientes com excesso de gases no aparelho digestivo. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO. MAIO, 2018

*IQVIA, NPS, Mercado de Antiflatulentos, em volume de prescrição e por especialidade médica (pediatria), MAT Mar?18

**Referências:

1. Cristine M. Trahms e Kelly N. McKeans. Nutrição no estágio inicial da Infância. In: Mahan, K & Sylvia, E. Krause´s food nutrition & diet therapy. 13.Ed. São Paulo: Roca,2013.

2. Weffort, VRS. Fórmulas e suplementos infantis. In: Nutrição em pediatria da neonatologia à adolescência. 2ª.Ed. São Paulo: Manole, 2017.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)