"Gugudada": Palavras com sons repetitivos ajudam o bebê a falar mais cedo

Estudo associou o uso de palavras "de bebê", como repetições e diminutivos, a um crescimento de vocabulário

É difícil evitar. Ao encontrar um bebê, os adultos tendem a mudar o tom de voz, usar diminutivos e palavras com repetição de sílabas, como "gugudadá". E essa pode ser uma boa estratégia se você quer que o pequeno ganhe vocabulário mais cedo. Pesquisadores descobriram que essas características podem ajudar no processo de aquisição de fala pelos bebês.

O título da pesquisa é, em uma tradução literal, "Por que 'piuí' é melhor que 'trem'?". Os cientistas da Universidade de Edimburgo, na Escócia, mensuraram o vocabulário de 47 crianças entre os 9 e os 21 meses (1 ano e 9 meses), com uma medição no início, uma ao 15 meses e outra no fim.

Ao longo desse tempo, eles associaram o crescimento desse vocabulário à proporção de palavras no diminutivo e com sílabas repetitivas que eles ouviam. Ao final do estudo, descobriram que, quanto mais palavras assim os bebês ouviam, mais rápido era o desenvolvimento da linguagem.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Nossas descobertas sugerem que diminutivos e reduplicação, que são frequentemente encontradas nas 'vozes de bebê' em diferentes línguas, podem facilitar o estágio inicial do desenvolvimento de vocabulário", explicou Mitsuhiko Ota, que liderou a pesquisa.

Estimulando o bebê a falar na rotina

"Quanto mais a criança for exposta à linguagem, melhor será para seu desenvolvimento", afirma a fonoaudióloga Marcella Vidal, da Telex Soluções Auditivas. Por isso, aproveite para contar histórias, cantar músicas e dizer o que você está fazendo com ele na hora do banho, de dormir ou em outros momentos do dia. Pode parecer que o bebê não está entendendo nada, mas não se engane: o cérebro dele já está memorizando as palavras. "Por volta de um ano de idade, uma criança pode produzir ao redor de 10 palavras e compreender mais de 20", afirma a fonoaudióloga Debora Befi-Lopes, coordenadora do Departamento de Linguagem da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia.

Nesta reportagem, damos mais dicas que você pode usar para estimular seu filho a falar.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)