PUBLICIDADE

Colírios são a base para o tratamento de conjuntivite alérgica

Conheça quais são as formas de conter esse quadro alérgico que causa inchaço, vermelhidão e coceira nos olhos

Conjuntivite alérgica é um processo inflamatório da conjuntiva (cobertura delicada e sensível que recobre a córnea e parte interna da pálpebra) mediado por um mecanismo imunológico. Pode haver a participação de um anticorpo denominado IgE-Imunoglobulina E, que caracteriza a chamada resposta do tipo I. Nos indivíduos predispostos os alérgenos se ligam a IgE, esta se prende às células chamadas de mastócitos e basófilos, acontece uma reação e a degranulação destas células determina a liberação de mediadores químicos que são responsáveis pelos sintomas. Esta é uma reação rápida e imediata.

A conjuntivite alérgica caracteriza-se por apresentar coceira nos olhos, vermelhidão, lacrimejamento, edema (inchaço) conjuntival e palpebral (às vezes a pessoa não consegue abrir os olhos), pode haver a presença de secreção que geralmente é serosa, fotofobia, sensação de corpo estranho (impressão de haver areia nos olhos), ardência e pode haver borramento da visão. Os sintomas são geralmente bilaterais, ou seja, ocorrem nos dois olhos e pioram com o clima quente e seco. A associação da conjuntivite alérgica com a rinite alérgica é muito comum chamando-se de rinoconjuntivite alérgica.

Quais as opções de tratamento?

O tratamento pode ser realizado pelo alergologista e/ou oftalmologista. A higiene ambiental é recomendada caso haja envolvimento de alérgenos comprovados pelo teste alérgico, com atenção especial à colocação de capa de colchão e travesseiro especiais para os indivíduos sensíveis à poeira doméstica, assim como exclusão de animais domésticos àqueles alérgicos a epitélios de animais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Ambientes com ar condicionado, cigarro, poluentes também podem estar envolvidos nas causas da conjuntivite alérgica, portanto o ideal seria evitá-los.

A imunoterapia, tratamento com vacinas tanto subcutâneas como sublinguais, é eficaz e pode ser considerada como uma opção terapêutica. É um tratamento longo com duração mínima de três anos, baseado no resultado positivo do teste alérgico de leitura imediata para inalantes.

Colírios para conjuntivite alérgica

Compressas frias e geladas com agua filtrada ou soro fisiológico podem aliviar o sintoma da coceira.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O tratamento farmacológico pode ser realizado com colírios e se necessário com anti-histamínicos via oral (cuidado pois podem provocar ressecamento nos olhos). Veja os principais tipos de colírios usados:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Qualquer um destes medicamentos requer prescrição médica de preferência do especialista alergologista ou oftalmologista.

Caso haja envolvimento da córnea com ceratocone pode ser necessária cirurgia com transplante de córnea. Ceratocone é uma doença degenerativa do olho na qual a córnea se torna mais fina e tem seu formato modificado, assumindo um aspecto cônico, em lugar da forma esférica normal, causando distorção das imagens percebidas, podendo levar a perda da visão.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

No caso de conjuntivite papilar gigante recomenda-se a suspensão do uso de lentes de contato por tempo variável ou definitivo e controle do processo inflamatório.

Na ceratoconjuntivite tóxica as drogas que mais causam reação de contato são cloranfenicol e outros antibióticos. Entre os conservantes: cloreto de benzalcônio. Deve se afastar o agente causal e realizar o tratamento local.