PUBLICIDADE

Entenda como as doenças infecciosas se espalham

Pessoas, animais e outras fontes podem disseminar vírus amplamente

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Imagine que em 48 horas é possível estar em qualquer lugar do mundo. Apesar de ser uma facilidade com diversos benefícios, a evolução do transporte global de pessoas tem consequências na área da saúde.

"Costumamos dizer que as doenças infecciosas não respeitam fronteiras", afirma a infectologista Tânia Chaves, membro do Comitê Científico de Medicina dos Viajantes da Sociedade Brasileira de Infectologia.

A globalização das doenças transformou a contenção de enfermidades infecciosas em um desafio que deve ser encarado com seriedade. E nem sempre o viajante é quem dissemina o vírus.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Alguns reservatórios extra-humanos, como animais ou a dispersão hídrica, podem ajudar a espalhar o vírus", comenta a médica brasileira que participa da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras, Lúcia Brum.

"Sempre que se possa identificar a presença do vírus e isolá-lo no hospedeiro, se conseguirá conter a sua disseminação, mas este cenário raramente acontece", esclarece o médico Marlo Libel, consultor da Skoll Global Threats Fund, empresa que colaborou no desenvolvimento do aplicativo Guardiões da Saúde em parceria com o Ministério da Saúde.

Ele explica ainda que grande parte dos vírus não produz sintomas ou eles se manifestam depois de vários dias que o hospedeiro foi infectado. Esse período de incubação tem o potencial de espalhar a doença sem que a pessoa saiba que está infectada.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Informação e vacina

Lúcia ressalta que já que a contenção do vírus é inviável, a capacidade de detecção de surtos e doenças infecciosas é fundamental: "É necessário investir no sistema de saúde. As autoridades precisam responder em tempo oportuno para controlar um vírus. O esforço global tem que ir no sentido da estruturação da área da saúde".

"Conter a introdução do vírus é um desafio. Mesmo países com recursos financeiros amplos não conseguem fazer isso. A gente precisa se preparar para enfrentar o problema ao invés de tentar contê-lo. Um dos enfrentamentos mais eficientes é disponibilizar informações para a população de forma clara e objetiva", reforça Tânia.

Outra iniciativa importante é manter a população com a cobertura de vacinação em dia. Em alguns casos, a doença pode ser controlada dessa forma. Foi o que aconteceu com a febre amarela, como aponta a infectologista Tânia Chaves.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Ainda existe a ideia de que vacina é coisa de criança, mas é um equívoco. Não existe faixa etária nesse caso. Vacina é para todos", enfatiza a médica.

Cuidados

Além de se vacinar, as pessoas podem ajudar também no controle de doenças infecciosas passando informações de sintomas para as autoridades de saúde, seja no posto de saúde, no hospital ou através de outras ferramentas, como aplicativos e sites de vigilância participativa.

Medidas de cuidados pessoais também são eficientes. Veja, abaixo, como você pode fazer a sua parte para ajudar no controle de doenças infecciosas:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)