PUBLICIDADE

Cirrose é câncer? Entenda a ligação entre essas doenças

Os dois quadros são diferentes, mas um pode ocasionar o outro

Muitas pessoas costumam se perguntar: cirrose hepática é um tipo de câncer? Na verdade os dois quadros são bem diferentes entre si.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Para entender melhor, a cirrose hepática é a consequência de uma lesão crônica do fígado com fibrose e formação de nódulos de regeneração, deformando a estrutura do órgão. O resultado é a perda de função do fígado e alteração de fluxo sanguíneo, o que leva aos sintomas e complicações desta doença.

Já o câncer no fígado pode ser resultado de metástases de um câncer de outro órgão ou pode se originar no próprio órgão (uma neoplasia primária do fígado). O carcinoma hepatocelular ou hepatocarcinoma é o mais prevalente dos tumores malignos do fígado e geralmente está ligado à cirrose hepática.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tanto a cirrose hepática quanto o carcinoma hepatocelular tem sintomas iguais, como:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

No entanto, o carcinoma pode apresentar também redução do apetite e febre, enquanto os sintomas de cirrose podem trazer também:

Por isso que eles são facilmente confundidos.

Cirrose pode evoluir para um câncer de fígado

No entanto, a cirrose costuma ser a principal causa do câncer de fígado, além de outros fatores como:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além disso, todo paciente que apresenta cirrose hepática e sofre uma descompensação da doença deve necessariamente ser avaliado para descartar a ocorrência deste tumor. Esta avaliação é feita com exames de sangue e, principalmente, de imagem, como:

Prevenir é melhor do que remediar

A prevenção do câncer de fígado é feita evitando-se a ocorrência da cirrose hepática e com o rastreio dos pacientes de alto risco. A prevenção da cirrose é feita pelo diagnóstico precoce e tratamento das hepatites crônicas com destaque para as hepatites virais, aconselhamento a fim de evitar o consumo abusivo de álcool e controle dos fatores de risco para doença hepática gordurosa não alcoólica.

Nos pacientes que já apresentem cirrose hepática e em alguns pacientes com hepatite B crônica está indicada a realização semestral de ultrassonografia de abdômen para rastreio do câncer de fígado tendo em vista um diagnóstico mais precoce e, portanto, um melhor prognóstico com o tratamento adequado.