PUBLICIDADE

Meu medicamento para depressão está em falta, e agora?

Em alguns casos a substituição do medicamento pode piorar o quadro do paciente

Na maioria dos casos de depressão a medicação é fundamental, porque diminui a duração do quadro depressivo com maior eficácia. O psiquiatra Mario Louzã, membro filiado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo explica que em casos graves de depressão o paciente corre risco de cometer suicídio, por isso o tratamento da doença é muito importante. Mas e se de repente o paciente precisa interromper o tratamento pela falta do antidepressivo?

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A falta de medicamento não é uma queixa rara, principalmente para quem depende do Sistema Único de Saúde (SUS) para obter os medicamentos. E a interrupção do tratamento pode acarretar em diversos problemas. O psiquiatra Roberto Miotto diz que bastam alguns dias para o quadro da doença ser piorado pela falta do medicamento.

As Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e outros estabelecimentos designados pelas Secretarias de Saúde dos municípios disponibilizam de graça antidepressivos como fluoxetina e clomipramina, o antiepilético clonazepam e o antipsicótico hemifumarato de quetiapina. A única exigência para a retirada desses medicamentos é que a receita seja de um médico psiquiatra.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O que fazer se meu antidepressivo está em falta?

Caso haja a falta do antidepressivo nos postos de saúde pública ou para retirada pelo plano de saúde, os especialistas indicam que a primeira iniciativa que o paciente deve tomar é procurar seu médico.

Os medicamentos mudam conforme cada caso. Por isso, é preciso saber qual o quadro depressivo que está sendo tratado como depressão no âmbito bipolar, depressão crônica ou depressão recorrente, para que assim possa haver uma substituição medicamentosa.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além disso, se você retira seu antidepressivo pelo SUS e ele está em falta, é possível entrar em contato com a ouvidoria do SUS. A mesma coisa acontece se seu medicamento está em falta e você tem plano de saúde, pode procurar a ouvidoria dos planos de saúde.

Como a falta do antidepressivo prejudica o paciente

Os sintomas da abstinência de medicação variam muito para cada paciente e também de medicação para medicação. No caso dos antidepressivos, algumas pessoas têm uma síndrome de descontinuação que pode causar:

Já no caso dos benzodiazepínicos a interrupção leva a um efeito contrário, conhecido como efeito rebote. O paciente tem uma piora do quadro podendo agravar mais ainda a insônia e a ansiedade.

Posso aumentar os intervalos com que tomo o medicamento?

"As dosagens são estritamente calculadas pelo médico que avalizou e examinou o paciente. Isso não deve ser modificado sem a decisão do mesmo", aconselha Miotto.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O psiquiatra Louzã diz que boa parte dos medicamentos utilizados em psiquiatria são chamados de meia vida, significa o tempo que o remédio fica no organismo da pessoa até ser eliminado totalmente, um tempo de 20 a 24 horas. Então, quando o paciente toma o medicamento dia sim e dia não, a medicação no sangue fica variada com subidas e descidas, fazendo com que haja recaídas da doença.

Outro esquema comum é dividir os comprimidos para tomar por mais tempo. Além de prejudicar o paciente, por ser uma mudança abrupta de dosagem, muitos remédios não devem ser partidos ao meio. Em caso de dúvida sobre o medicamento a bula tem no item 6 "Como devo usar este medicamento" informações para sanar as dúvidas.

É possível substituir o medicamento?

Embora os especialistas usem a alternativa de substituir o medicamento quando está em falta, no caso da depressão essa troca pode ser tão perigosa quanto o paciente parar de tomar o antidepressivo. "Muitas vezes nos vemos obrigados a fazer uma substituição de medicamento para evitar um mal maior", conta Louzã.

Em casos de falta da medicação para depressão, a única solução viável é trocar o remédio por outro que tenha componentes mais parecidos, para evitar uma piora do quadro da doença. Vale lembrar que essa substituição só pode ser feita pelo médico.

Entretanto, essa não é a melhor opção. Louzã explica que isso pode levar o paciente de volta ao estado inicial do tratamento "Mas deixar a pessoa sem medicação pode ser tão ruim que é melhor trocar por outro, mesmo que você vá demorar uns dias para ter uma resposta terapêutica", ressalta.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Medicamentos receitados para depressão

O psiquiatra Roberto Miotto esclarece que os medicamentos usados para o tratamento da depressão são:

"Dependendo do caso do tipo de depressão a associação dos estabilizadores de humor com o antidepressivo pode evitar que a pessoa ao sair da depressão entre em um quadro maníaco, quando se trata de transtorno bipolar", afirma Mario Louzã.

Os sintomas da depressão mais recorrentes são a ansiedade e insônia. "Para uma atuação mais imediata os ansiolíticos são mais eficazes nesse sentido, então eles são usados por alguns dias, algumas semanas e depois suspende quando a pessoa já está melhor e não precisa mais deles", diz Louzã.