Entenda por que seus músculos ficam tensos

O estresse mental é capaz de provocar contrações musculares e tensão; veja 5 causas do problema e elimine-as da sua rotina

Você já se perguntou se aquelas dores musculares que insistem em aparecer ao fim do dia podem ser consequências de seus hábitos? Pois é. Quando passamos por situações preocupantes ou mantemos uma postura inadequada no trabalho, além de repetirmos os mesmos movimentos, estamos sobrecarregando o corpo, e aí vem aquela dor incômoda que pode, inclusive, refletir em dor de cabeça, a tão popular cefaleia tensional1.

Como os músculos podem ficar tensos em resposta a estímulos externos, sejam eles físicos ou psicológicos, o ideal é evitar fazer movimentos além das nossas capacidades físicas, bem como procurar alternativas de lidar com o estresse mental. A atividade física moderada, por exemplo, é uma ótima aliada para resolver esses problemas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Veja abaixo 5 causas de tensões musculares e mude seus hábitos:

Estresse2: inimigo número um dos nossos músculos, o estresse envia sinais ao corpo de que algo de errado está acontecendo, orientando que ele se prepare para uma emergência. Assim, os músculos, que até então estavam relaxados, acabam se contraindo, gerando dor. Portanto, a não ser que seja uma situação que realmente exija força física, o estresse constante é nocivo e precisa ser combatido por meio de atividades relaxantes, como a meditação.

Má postura3: ficar todo largado no sofá de casa, no banco do carro ou na cadeira do trabalho resulta, fatalmente, em dores musculares no fim do dia. Os músculos ficam contraídos e em posições inadequadas durante horas a fio, levando às tensões e às dores. É importante distribuir o peso corporal de forma correta por meio de uma postura ergonômica, além de fazer pausas para uma pequena caminhada e alongamento. A ginástica laboral ajuda muito nesse ponto. Lembre-se: o corpo não foi feito para ficar parado.

Movimentos repetitivos4: digitar o dia todo, mexer no mouse, fazer uma faxina caprichada que exige esfregar o chão com esmero durante horas a fio... Todas essas atividades, consideradas repetitivas, podem provocar tensões musculares - e consequentes dores. Quando feitas de forma exaustiva, podem, inclusive, ser a causa de lesões por esforços repetitivos. O ideal é manter a postura sempre correta e fazer pausas de 10 minutos a cada 50 minutos trabalhados.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Exercícios físicos5,6: que fique claro - fazer exercícios físicos é uma forma excelente de ganhar saúde. No entanto, no desejo de ganhar músculos e condicionamento rapidamente, muitos ignoram as recomendações do professor na academia e exageram nas atividades. E, claro, nossos músculos reclamam do excesso de esforço, principalmente por não estarem condicionados para isso. Em um primeiro momento pode vir a tensão e, com o exagero, há risco de lesões. Portanto, cuidado: procure aumentar gradativamente a quantidade de exercícios, tanto na duração como no peso, sempre respeitando seu corpo.

Mexer no celular7,8: já reparou que, depois de passar muitas horas com o pescoço curvado mexendo no celular, a região fica tensa e dolorida? Isso acontece porque, ao inclinar a cabeça nessa posição, o peso da cabeça dobra ou até mesmo triplica em relação ao que aconteceria se a postura estivesse correta. Ou seja, os músculos são forçados a lidarem com uma carga bem maior do que aquela comum.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O ideal, então, é maneirar no WhatsApp ou nos jogos eletrônicos, e sempre usar o celular em uma posição apenas um pouco abaixo do rosto, evitando que o pescoço fique curvado de uma maneira antinatural. Quando houve exagero no uso e a dor já apareceu, faça lentamente um alongamento na região do pescoço, em movimentos de 'sim' e 'não'. A medida ajudará a aliviar os sintomas desconfortáveis.

E em caso de dores musculares, Dorflex tem uma potente combinação com analgésico9 e relaxante muscular, que ajuda a aliviar as dores provenientes da tensão muscular.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Referências:

1 - Debashish Chowdhury, Tension type headache. Annals of Indian Academy of Neurology. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3444224/

2 - American Psychological Association. Stress effects on the body. Disponível em: https://www.apa.org/helpcenter/stress-body

3 - Santos, A. F., Oda, J. Y., Nunes, A. P. M. et al. Benefícios da ginástica laboral na prevenção dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR. Disponível em: http://revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/1520/1335

4 - Ministério da Saúde. Diagnóstico, Tratamento, Reabilitação, Prevenção e Fisiopatologia das LER/DORT. Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas, Área Técnica de Saúde do Trabalhador. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diag_tratamento_ler_dort.pdf

5 - Nicola Maffulli, Angelo Del Buono, Francesco Oliva. Muscle Injuries: A Brief Guide to Classification and Management. Translational Medicine @UniSa. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4592039/

6 - Mayo Clinic. Overuse injury: How to prevent training injuries. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/fitness/in-depth/overuse-injury/art-20045875

7 - Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Campanha: Celular x Postura. Disponível em: https://campanhas.portalsbot.org.br/celular-x-postura/

8 - Seong-Yeol Kim, Sung-Ja Koo. Effect of duration of smartphone use on muscle fatigue and pain caused by forward head posture in adults. Journal of Physical Therapy Science. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4932032/

9 - Malvar Ddo C, et al. The antipyretic effect of dipyrone is unrelated to inhibition of PGE(2) synthesis in the hypothalamus. Br J Pharmacol. 2011 Mar;162(6):1401-9.

9 - Malvar Ddo C, et al. The antipyretic effect of dipyrone is unrelated to inhibition of PGE(2) synthesis in the hypothalamus. Br J Pharmacol. 2011 Mar;162(6):1401-9.