Relaxamento do isolamento pode aumentar casos de COVID-19?

Liberação de algumas atividades pode gerar falsa sensação de segurança na pandemia

Desde a identificação do novo coronavírus na China, diversas cidades do mundo adotaram um regime de quarentena como forma de controle da transmissão do SARS-CoV-2 entre a população. No Brasil, a medida foi adotada por governos estaduais e municipais desde março, quando houve o diagnóstico do primeiro paciente com a doença em São Paulo.

Mais de seis meses depois que a pandemia de COVID-19 chegou ao país, várias cidades começaram a flexibilizar as regras de isolamento social. Consequentemente, houve a liberação de algumas atividades dentro das regras de distanciamento, como a reabertura de restaurantes, bares, academias e salões de beleza - que até então era proibida.

De acordo com Paula Massaroni Peçanha Pietrobom, infectologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, as medidas de flexibilização levam em conta diversos fatores, como a questão econômica do país, a necessidade da população de retomar sua vida social, mas, principalmente, as evidências que mostram mais segurança para iniciar essa retomada do isolamento rigoroso que estava sendo proposto.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Hoje, temos uma taxa de transmissão do vírus menor no Brasil. Além disso, temos também uma queda no número de internações e óbitos - já conseguimos fechar hospitais de campanha sem ter um colapso ou desassistência no sistema de saúde", pontua a médica.

Atualmente, a taxa de transmissão do coronavírus (Rt) é de 0,93, segundo o Imperial College. O parâmetro utilizado para o índice é o número 1: quando a taxa fica acima de 1, a quantidade de pessoas doentes com potencial de transmissão aumenta exponencialmente; e quando a taxa fica abaixo de 1, ocorre o contrário. Na prática, isso significa que a cada 100 pessoas com COVID-19, outras 93 pessoas podem ser contaminadas com o vírus.

Em abril, o Brasil estava em situação pior. Com um Rt de 2,81, o país era o local com a maior taxa de transmissão de COVID-19 no mundo. Apesar da melhoria no cenário da doença no país, é importante que a população não se iluda com a falsa sensação de segurança.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Isso porque o coronavírus ainda é uma realidade e não deve ser negligenciado. "Estamos vivendo ainda em um momento de alerta, e isso deve perdurar até a garantia de uma imunização efetiva para grande parte da população ou, pelo menos, para grupos de maior risco. O problema ainda não está resolvido", alerta Paula.

Flexibilizar a quarentena aumenta a transmissão?

Com a flexibilização, uma das dúvidas que surgiram é sobre a possibilidade de haver um aumento de casos e da transmissão de COVID-19 entre a população. Segundo Paula, esta não é uma possibilidade a ser descartada.

"A flexibilização aumenta a possibilidade de transmissão, porque as pessoas estarão se encontrando mais. Porém, ao conviver, se a população respeitar o uso de máscara, o distanciamento social e a higiene correta das mãos, conseguiremos reduzir bastante este risco", afirma a médica.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Uma vez que a retomada das atividades é uma realidade, algumas práticas devem ser consideradas no dia a dia. De acordo com a infectologista, independente do ambiente que a pessoa for frequentar, a regra ainda é manter o distanciamento de, no mínimo, 1,5 metro entre as pessoas, usar máscaras durante todo o período de convivência, higienizar as mãos de forma adequada e evitar tocar a área do rosto, principalmente em ambientes públicos.

Veja a seguir como se adaptar ao momento de flexibilização e, ao mesmo tempo, manter-se seguro contra o coronavírus:

Momentos de lazer

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quando for aproveitar momentos de lazer durante a pandemia, a recomendação é priorizar atividades ao ar livre, principalmente em parques. "Isso porque há uma ventilação maior, o que diminui o risco de contaminação", explica Paula.

Restaurantes e bares

Quando a opção de lazer for em ambientes fechados, como restaurantes e bares, é importante seguir as medidas de segurança. Além disso, vale também observar se o estabelecimento mantém os espaços entre as mesas e capacidade reduzida.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"No momento da escolha da mesa, o ideal é optar por espaços abertos e ventilados. Por último, lembrar de tirar a máscara somente na hora de comer e higienizar as mãos sempre que possível", aconselha a médica.

Visitar amigos e parentes

Embora muitas pessoas tenham voltado a visitar parentes e amigos, essa atividade, assim como festas em casa, ainda não é indicada. "O cenário de ambiente fechado, com pessoas compartilhando o mesmo ar, é arriscado, pois é difícil o uso de máscara nestas situações", afirma a médica.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Outro ponto levantado pela infectologista é o risco de jovens disseminarem o vírus para pessoas mais velhas. "Atualmente, temos uma infecção maior entre jovens e, por mais que neste grupo as reações tendem a ser menos graves, permanece a possibilidade desta pessoa infectar outra com um quadro de saúde mais debilitado, que pode não reagir tão bem à doença", diz Paula.

Viagens

O conselho, no momento, é evitar viagens muito longas, especialmente aquelas feitas em ônibus e avião. "Esses meios de transporte não possuem circulação de ar adequada e há uma proximidade grande com outras pessoas - portanto, um cenário propício à infecção, ainda mais se for uma viagem longa. Caso seja uma necessidade, priorize locais mais próximos, em que o deslocamento possa ser feito de carro com as pessoas que já vivem na mesma casa - e, se possível, com as janelas abertas", orienta a médica.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Caso a viagem seja inadiável, é recomendado verificar se o destino obedece as medidas de segurança, como a redução de pessoas no mesmo ambiente e a restrição de atividades que podem gerar aglomeração. E, se for passear por lá, é importante deixar para visitar apenas os espaços abertos.

Volta ao trabalho

Ao longo da pandemia, algumas atividades foram remanejadas para o lar do trabalhador (enquanto os serviços essenciais não interromperam seu funcionamento). Porém, com a flexibilização, o movimento de retorno aos escritórios tende a ser cada vez maior. "Por vezes, essa retomada não é uma escolha do trabalhador. Se existe a opção de home office, ela ainda é a mais adequada e segura", afirma Paula.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quando o home office não é uma realidade, a infectologista recomenda algumas ações que podem diminuir o risco de contaminação. "A empresa precisa oferecer um ambiente com distanciamento social ou em esquema de turnos para evitar aglomeração, assim como materiais necessários para a higiene correta e, sem dúvidas, fiscalizar o uso de máscaras", indica.

Além disso, de acordo com a especialista, um momento crucial que deve ser pensado é o da refeição. "Isso porque é preciso evitar o costume de comer todos juntos, por ser um período que todos estarão sem máscara", considera a médica.

Paula também avalia a importância de haver uma comunicação entre trabalhadores e empresa para que haja a notificação de qualquer sintoma de COVID-19. "Assim, conseguimos uma avaliação rápida e minimiza a chance de contaminação de outros funcionários", esclarece.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Pandemia de COVID-19

Vacina da COVID-19: veja as mais promissoras e o que esperar

Falta de vitamina D pode aumentar o risco de COVID-19, diz novo estudo

Cientistas confirmam primeiro caso de reinfecção de COVID-19