PUBLICIDADE

Anvisa aprova novo tratamento para prevenção da enxaqueca

Voltada apenas para adultos, a injeção Ajovy pode ser administrada mensal ou trimestralmente para reduzir os episódios intensos de dor de cabeça

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de aprovar um novo tratamento para a prevenção de enxaqueca no Brasil. Trata-se do medicamento Ajovy, uma injeção de aplicação mensal ou trimestral que promete reduzir os episódios de dor de cabeça nos pacientes.

A liberação do produto para o mercado brasileiro foi publicada nesta segunda-feira (16) no Diário Oficial da União. Produzido e distribuído pela Teva Farmacêutica, o composto deve estar disponível para comercialização no primeiro semestre de 2020, portanto ainda não há informações sobre preço e locais de venda.

Tratamento para enxaqueca

O Ajovy faz parte de uma nova classe de medicamentos voltados à prevenção da enxaqueca, conhecidos como inibidores de CGRP (peptídeo relacionado ao gene da calcitonina) - um composto químico que está relacionado à ativação da enxaqueca e à duração da dor.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Por aqui, o medicamento será encontrado como uma seringa pré-preenchida de 225mg/1,5ml de uso único, com duas opções de dose: 225mg mensal administrado em uma única aplicação subcutânea; ou 675mg, aplicado a cada três meses (trimestral), em sistema de três injeções subcutâneas.

De acordo com a fabricante, o produto, que tem como princípio ativo o fremanezumabe, é indicado para adultos com pelo menos 4 dias de enxaqueca por mês. Além disso, a venda só será permitida sob prescrição médica e a aplicação deve ser realizada, preferencialmente, por algum profissional capacitado.

Além do Ajovy, a Anvisa também aprovou neste ano outros dois medicamentos similares, igualmente voltados para a prevenção da enxaqueca: o Pasurta (erenumabe), comercializado pela Novartis, e o Emgality (galcanezumabe), fabricado pela Eli Lilly do Brasil. Ambos são injetáveis e de aplicação única mensal.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Promessa de prevenção da enxaqueca

Antes de ser aprovado pelos órgãos reguladores de saúde, o produto foi avaliado em dois estudos clínicos que envolveram pacientes com enxaqueca incapacitante e que utilizavam ou não outros tratamentos preventivos orais.

Os testes duraram 12 semanas e os pacientes tiveram uma redução no número de dias por mês com dor de cabeça. Dessa forma, a injeção se mostrou eficaz na profilaxia da enxaqueca, tendo como benefício principal a contenção dos episódios de dor de cabeça de gravidade pelo menos moderada.

Sintomas de enxaqueca

Considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a sexta doença mais incapacitante do mundo, a enxaqueca afeta cerca de 15% da população brasileira - com mais de 2 milhões de casos registrados por ano no país.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Com incidência maior entre as mulheres, a doença é apenas um dos vários tipos de dor de cabeça (cefaleia) e possui causa desconhecida, relacionada a inúmeros fatores, que podem variar desde estresse a problemas hormonais.

Normalmente, o diagnóstico da enxaqueca é feito clinicamente, mas o paciente pode suspeitar da doença se apresentar os seguintes sintomas:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Antes de iniciar qualquer tratamento, as causas da dor devem ser investigadas por um médico especialista. Somente ele poderá dizer qual é o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. NUNCA se automedique.

Enxaqueca merece atenção

Enxaqueca: saiba o que fazer durante uma crise

Enxaqueca pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Enxaqueca: uso correto da medicação pode prevenir novas crises