PUBLICIDADE

Esporotricose: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

A esporotricose é um tipo de micose que atinge humanos, gatos e outros animais; veja como se prevenir da doença

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

O que é esporotricose

A esporotricose é uma micose profunda causada pelo fungo Sporothrix schenckii, que habita a natureza e está presente no solo, palha, vegetais, espinhos e madeira. Por muito tempo, foi conhecida como a "doença do jardineiro", porque era comum acometer esses profissionais.

De acordo com a dermatologista Cristina Saad, da clínica Simone Neri, a esporotricose humana ocorre em grande parte pelo contato com felinos doentes que são abandonados ou que vivem nas ruas. A infecção é mais frequente nas regiões tropicais e subtropicais, sendo rara em regiões frias.

Além do ser humano e dos gatos, o Sporothrix schenckii também pode infectar cães, animais selvagens e roedores. Enquanto os cachorros adquirem uma forma de baixa virulência, semelhante à dos humanos, os gatos geralmente contraem uma forma grave e disseminada da doença.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Transmissão

Na transmissão da esporotricose, o fungo é introduzido no organismo humano por entrada direta na pele ou eventualmente nas mucosas. Essa inoculação ocorre por ferimento com material contaminado, principalmente palhas ou espinhos. Mordeduras de animais e picadas de insetos também podem veicular a doença, sendo que os animais são apenas transportadores dos fungos nesses casos.

Não há relatos de transmissão da esporotricose de pessoas para pessoa ou de cachorro para humanos. A maioria dos relatos diz respeito à transmissão de gato para humanos e de gato para cachorro. Desta forma, os felinos são considerados os maiores vetores da infecção.

Esporotricose em gatos

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A esporotricose em gatos ocorre com maior frequência e, geralmente, se desenvolve em uma forma mais grave. Felinos também apresentam alto potencial de transmissão da esporotricose, pois os fungos estão presentes em grande quantidade no aparelho respiratório e nas lesões cutâneas.

Sintomas

A dermatologista Nina Rosa Rigoni, da clínica Carvalho Concept, ressalta que, em seres humanos, a infecção normalmente é benigna e se limita apenas à pele. Porém, há casos em que ela se espalha por meio da corrente sanguínea, atingindo ossos e órgãos internos.

Nos felinos, os sintomas são variados e merecem atenção. Os sinais mais comuns da doença são as lesões ulceradas na pele, ou seja, feridas profundas geralmente com presença de pus, que não cicatrizam e costumam evoluir rapidamente.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tipos

A esporotricose humana geralmente afeta braços ou face, sendo menos comum nas pernas e muito rara no tronco. As formas clínicas da doença podem ser separadas da seguinte maneira:

Diagnóstico da esporotricose

O diagnóstico da esporotricose deve ser feito por um médico dermatologista. A forma cutâneo-linfática pode ser identificada por meio da análise clínica, pois o aspecto em rosário da infecção é característico. Nos demais casos, podem ser aplicados os seguintes procedimentos:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tratamento da esporotricose

Remédio para esporotricose

A droga específica para o tratamento da esporotricose é o iodo, administrado via oral como iodeto de potássio. Porém, como ele pode causar inúmeros efeitos colaterais, o medicamento mais receitado (inclusive para os animais) é o itraconazol. Além desses dois, há a possibilidade do tratamento ser feito à base de terbinafina, fluconazol e anfotericina B.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Somente um médico poderá dizer qual é o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações e NUNCA se automedique. Não interrompa o tratamento sem consultar um especialista antes.

Pomadas são indicadas?

Não há indicação de terapia tópica, com uso de pomadas, para esporotricose. A exceção seriam as lesões ulceradas, nas quais as opções antissépticas podem ser usadas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Esporotricose tem cura?

A doença não é considerada grave e tem cura. Porém, o tratamento deve começar logo e pode ser longo, durando de 3 a 6 meses e podendo chegar a 1 ano. De acordo com a especialista Nina Rigoni, o tratamento não deve ser abandonado em momento algum nesse período.

Prevenção

A esporotricose é considerada uma doença negligenciada e um problema de saúde pública. Isso porque há a ausência de um programa ou ações de controle, além da falta de medicação gratuita para o tratamento, tanto em humanos quanto em animais, e do desconhecimento da população sobre as medidas de prevenção, como alerta a médica Nina Rigoni.

Para quem trabalha ou gosta de jardinagem, é importante o uso de luvas e roupas protetoras ao manusear plantas como forma de atenuar os riscos de esporotricose - lembrando que até mesmo o contato com solo contaminado pode ser suficiente para contrair a doença.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Outro ponto que deve ser levado em consideração é que os gatos não são vilões e, sim, as maiores vítimas da doença. Por enquanto, não há nenhuma vacina para humanos ou animais contra a esporotricose. Caso o animal de estimação contraia a doença, é importante que ele permaneça isolado e receba tratamento.

Em caso de morte do animal, o corpo precisa ser cremado e não enterrado para que o fungo não se espalhe pelo solo e outros animais ou até mesmo pessoas possam ser contaminados. O ideal é que o gato não saia de casa, evitando a contração dessa ou outras doenças.

Referências

Nina Rosa Rigoni, médica dermatologista da clínica Carvalho Concept - CRM 86543

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Cristina Saad, médica dermatologista da Clínica Simone Neri - CRM 91170 SP