Alergia alimentar: conheça os principais causadores

Siga a orientação médica para excluí-los da dieta sem causar deficiências nutricionais

POR LAURA TAVARES - PUBLICADO EM 08/07/2012

A repetição de determinados sintomas após uma refeição - que vão desde problemas gastrointestinais até dificuldades respiratórias - levam à suspeita de uma alergia alimentar. A hipersensibilidade a determinados alimentos é uma reação do corpo que pode afetar em cheio a sua imunidade. A solução? Excluir o desencadeante da dieta.

Segundo a alergista Ana Paula Castro, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI), 85% das reações se dão por leite, ovo, amendoim, crustáceos e peixes. "Mas praticamente todo alimento pode desencadear uma alergia alimentar", complementa. No Dia Mundial da Alergia, marcado para 8 de julho, conheça melhor os principais alimentos alérgenos e saiba como a sua exclusão afeta a dieta.

PUBLICIDADE

Leite

Leite - Foto Getty Images

"A alergia ao leite é especialmente comum em crianças, o que pode ser bastante complicado entre os bebês menores de um ano que consomem somente este alimento", aponta o alergista Daniel Strozzi, professor da Unidade de Alergia e Imunologia da PUC de Goiás. Segundo a nutricionista funcional Ana Flávia Marçal, do Centro de Alergia e Imunologia Ymune, em Goiânia, o leite possui mais de 20 proteínas sensibilizantes.

A grande preocupação de quem precisa excluí-lo da dieta deve ser o cálcio, fundamental para a saúde dos ossos. Para suprir a deficiência, recomenda-se o consumo de produtos fortificados com cálcio, além de legumes verdes, cereais e peixes. Se for necessário, o médico que está acompanhando o caso pode indicar suplementação.

Fique atento a: biscoitos, bolachas, bolos, pães, chantilly, chocolate, coalhada, pudim, manjar, iogurtes, molho branco, molho nechamel, pão de queijo e sorvete.

Em receitas, substitua o leite por: leites vegetais - como o de coco, amêndoas, arroz, quinoa e girassol -, água e suco de frutas. 

Ovo

Ovos - Foto Getty Images

 O ovo é o segundo maior causador de alergias alimentares. Tirá-lo da alimentação pode levar à deficiência de ferro no organismo. Por isso, o nutrólogo Carlos Alberto Nogueira de Almeida, da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), sugere investir na tradicional combinação de arroz com feijão. "O feijão é rico em ferro, enquanto o arroz fornece aminoácidos que o feijão não possui e, assim, eles se complementam, formando uma refeição de alto valor biológico", explica.

Fique atento a: maionese, chantilly, marshmallow, merengue, molho holandês e molho bernaise ? alimentos que levam ovo na receita.

Em receitas, substitua por: linhaça, polvilho ou vinagre de maçã.

Trigo

Farinha de trigo - Foto Getty Images

O glúten, presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada e no malte é uma proteína de difícil digestão. "Ela é responsável pela elasticidade e plasticidade das massas, fazendo com que elas cresçam macias", diz a nutricionista Ana Flávia. Diferente da intolerância ao glúten, o alérgico não pode ingerir qualquer quantia de alimentos com essa proteína. A principal dificuldade, portanto, não está relacionada a deficiências nutricionais, mas sim à difícil tarefa de manter uma dieta sem glúten, já que grande parte do que consumimos contém esse nutriente. Por isso, o acompanhamento de um nutricionista é fundamental.

Fique atento a: macarrão, pão, tabule, bolos e chocolates.

Em receitas, substitua por: produtos sem glúten, farinha de arroz, creme de arroz, polvilho e fécula de batata.

Peixes

Peixe - Foto Getty Images

De acordo com o nutrólogo Carlos, não é porque você tem alergia a determinado peixe que terá alergia a todos os peixes. Por isso, sob orientação profissional, vale experimentar outros tipos. Mas, imaginando que eles seriam excluídos da dieta ou consumidos com menor frequência, o paciente deveria buscar outras fontes de ômega-3. "Exemplos são óleo de canola, óleo de soja, azeite de oliva, rúcula e espinafre", diz.

Crustáceos

Crustáceos - Foto Getty Images

A alergia a camarão, lagosta e outros crustáceos pode ser um problema em regiões do Brasil próximas ao litoral, em pessoas que se alimentam principalmente desse tipo de alimento. Entre os nutrientes mais relevantes desses alimentos está o zinco, o selênio e o iodo. Como nosso sal é iodado, é raro apresentar deficiência desse nutriente. Os demais podem ser obtidos em nozes, castanhas, milho, carne bovina, frango, arroz integral, feijão e leite.

Corantes

Alimentos com corante - Foto Getty Images

"Alergia a corantes não é comum, pois eles são incansavelmente testados antes de irem para o mercado", afirma o nutrólogo Carlos. Entretanto, Ana Paula Castro aponta que o vermelho carmin pode atuar como alérgeno. "Neste caso, verifique nos rótulos dos produtos a presença desse componente e evite o alimento", recomenda a alergista.

Milho

Milho - Foto Getty Images

Como todo cereal, o milho é rico em carboidratos. Além disso, ele fornece boas quantias de vitaminas do completo B, vitamina E e fibras. Alimentos integrais, ovo, brócolis, fígado e verduras verde escuro podem fornecer esses nutrientes.

Fique atento a: pamonha, curau, bebidas alcoólicas e corantes amarelos.

Amendoim

Amendoim - Foto Getty Images

A retirada do amendoim  da dieta não causa qualquer prejuízo, mas, de acordo com a nutricionista Ana Flávia, é possível ser alérgico ao amendoim e não apresentar qualquer reação a outros alimentos da mesma família que ele, como a castanha de caju.

Fique atento a: bombons de chocolate, confeitos, marzipã, nougat, paçoca e nozes.

Em receitas, substitua por: amêndoas, nozes e castanhas.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não