Veja alimentos polêmicos para quem tem diabetes e entenda como comê-los

Saiba mais sobre o açúcar, suco, farinha branca, frutas, pipoca, amendoim, batata, entre outros alimentos e bebidas que geram dúvidas entre os portadores da doença

POR BRUNA STUPPIELLO - ATUALIZADO EM 15/09/2016

Uma das principais questões da dieta dos diabéticos é o impacto da glicose no organismo, já que o paciente de diabetes costuma ter quantidades mais altas de açúcar no sangue. Os carboidratos que são consumidos se quebram e são transformados em glicose, mas há dois tipos diferentes: os simples (açúcar e massas refinadas), que são digeridos mais rapidamente, e os complexos (grãos integrais) que demoram mais para passar por esse processo.

Ao ingerir um alimento as pessoas com a doença precisam observar dois pontos: o seu índice glicêmico, a velocidade com que a glicose entra no organismo (se o carboidrato é simples ou complexo) , e a carga glicêmica, quantidade de glicose que irá entrar no organismo.

O alimento mais prejudicial para as pessoas com diabetes é aquele com carga e índice glicêmico altos. Isto porque ele irá elevar a glicose no sangue e como ela não será completamente absorvida pelas células, estas irão buscar energia em outro lugar, nas gorduras. A queima de gorduras, por sua vez, produz substâncias ácidas conhecidas como cetonas, que passam a se acumular no sangue. O excesso de cetonas é a chamada acidose que pode causar danos nos olhos, rins, nervos, entre outros problemas. "Se a glicose sobe muito, ela oxida o vaso sanguíneo e esse é o primeiro passo para depois acumular o colesterol e ocorrer um infarto", alerta o nutrólogo Roberto Navarro.

Os alimentos que contam somente com o índice glicêmico ou com a carga glicêmica alta não são tão perigosos, mas também precisam de atenção. Por isso, é importante que os diabéticos, tanto o tipo 1 quanto o tipo 2, mantenham um controle rígido da alimentação. "A dieta dessas pessoas tem que ser toda planejada. A nutricionista ou nutrólogo vai definir o quanto de carboidratos será ingerido na alimentação do paciente", diz a nutricionista Nicole Trevisan, do ADJ Diabetes Brasil.

A maneira como os portadores de diabetes tipo 1 e tipo 2 controlam o consumo de carboidratos é diferente. "Como o tipo 1 não produz insulina, ele utiliza a insulina conforme a carga glicêmica, a cada 20 gramas de carboidrato, eles utilizam uma unidade de insulina. É mais fácil se organizar", diz Navarro.

Já os portadores do tipo 2 também precisam realizar uma contagem de carboidratos, mas como eles ainda produzem insulina é um pouco mais complicado manter o exato controle. Para orientar os portadores de diabetes quanto ao consumo de carboidratos, o Centro de Diabetes de Belo Horizonte elaborou um Manual de Contagem de Carboidratos.

Selecionamos os alimentos mais polêmicos entre os portadores de diabetes e explicamos se eles são bons ou não para quem tem a doença. Será que o açúcar, o pão branco, refrigerantes, sal, entre outros podem ser consumidos por quem tem diabetes? Descubra!

Farinha branca

Os alimentos elaborados com a farinha branca, como os pães franceses e as massas, não são recomendados para os portadores de diabetes porque possuem um alto índice e carga glicêmica.

As melhores opções para quem tem a doença, e para a população em geral, é a farinha integral. "Isto porque ela não irá proporcionar grandes picos glicêmicos", conta a nutricionista Nicole Trevisan do Diabetes Brasil. Porém, os integrais possuem alta carga glicêmica, ou seja, tem boas quantidades de carboidratos, por isso, os portadores de diabetes também não devem abusar do consumo deles.

Este conteúdo ajudou você?
Sim Não