Veja alimentos polêmicos para quem tem diabetes e entenda como comê-los

Saiba mais sobre o açúcar, suco, farinha branca, frutas, pipoca, amendoim, batata, entre outros alimentos e bebidas que geram dúvidas entre os portadores da doença

POR BRUNA STUPPIELLO - PUBLICADO EM 10/03/2014

Uma das principais questões da dieta dos diabéticos é o impacto da glicose no organismo, já que o paciente de diabetes costuma ter quantidades mais altas de açúcar no sangue. Os carboidratos que são consumidos se quebram e são transformados em glicose, mas há dois tipos diferentes: os simples (açúcar e massas refinadas), que são digeridos mais rapidamente, e os complexos (grãos integrais) que demoram mais para passar por esse processo.

Ao ingerir um alimento as pessoas com a doença precisam observar dois pontos: o seu índice glicêmico, a velocidade com que a glicose entra no organismo (se o carboidrato é simples ou complexo) , e a carga glicêmica, quantidade de glicose que irá entrar no organismo.

O alimento mais prejudicial para as pessoas com diabetes é aquele com carga e índice glicêmico altos. Isto porque ele irá elevar a glicose no sangue e como ela não será completamente absorvida pelas células, estas irão buscar energia em outro lugar, nas gorduras. A queima de gorduras, por sua vez, produz substâncias ácidas conhecidas como cetonas, que passam a se acumular no sangue. O excesso de cetonas é a chamada acidose que pode causar danos nos olhos, rins, nervos, entre outros problemas. "Se a glicose sobe muito, ela oxida o vaso sanguíneo e esse é o primeiro passo para depois acumular o colesterol e ocorrer um infarto", alerta o nutrólogo Roberto Navarro.

Os alimentos que contam somente com o índice glicêmico ou com a carga glicêmica alta não são tão perigosos, mas também precisam de atenção. Por isso, é importante que os diabéticos, tanto o tipo 1 quanto o tipo 2, mantenham um controle rígido da alimentação. "A dieta dessas pessoas tem que ser toda planejada. A nutricionista ou nutrólogo vai definir o quanto de carboidratos será ingerido na alimentação do paciente", diz a nutricionista Nicole Trevisan, do ADJ Diabetes Brasil.

A maneira como os portadores de diabetes tipo 1 e tipo 2 controlam o consumo de carboidratos é diferente. "Como o tipo 1 não produz insulina, ele utiliza a insulina conforme a carga glicêmica, a cada 20 gramas de carboidrato, eles utilizam uma unidade de insulina. É mais fácil se organizar", diz Navarro.

Já os portadores do tipo 2 também precisam realizar uma contagem de carboidratos, mas como eles ainda produzem insulina é um pouco mais complicado manter o exato controle. Para orientar os portadores de diabetes quanto ao consumo de carboidratos, o Centro de Diabetes de Belo Horizonte elaborou um Manual de Contagem de Carboidratos.

Selecionamos os alimentos mais polêmicos entre os portadores de diabetes e explicamos se eles são bons ou não para quem tem a doença. Será que o açúcar, o pão branco, refrigerantes, sal, entre outros podem ser consumidos por quem tem diabetes? Descubra!

Sódio

O excesso de sódio, presente no sal e principalmente em alimentos industrializados, é ruim para todas as pessoas, porém no caso dos portadores de diabetes a situação é fica ainda mais complicada. "O sódio pode levar ao aumento da pressão arterial e como eles já tem um risco cardiovascular maior, é preciso cuidado", explica Navarro. A Organização Mundial de Saúde recomenda o consumo de 3 gramas de sal diários, levando em conta tudo que é consumido no dia, para pessoas consideradas saudáveis e para pessoas com diabetes, mas sem complicações. Caso o paciente com diabetes tenha pressão alta é importante conversar com o médico a fim de saber o quanto de sal poderá ingerir.

Não é só ao sal de cozinha que é preciso ficar atento, comece a observar a tabela nutricional para identificar a quantidade de sódio dos alimentos industrializados e embutidos, pois ela costuma ser alta.

Este conteúdo ajudou você?
Sim Não