Minha Vida - Saúde, Alimentação e Bem-Estar

Reduza os níveis de colesterol e triglicérides das crianças

Oferecer uma alimentação mais saudável e com menos industrializados já ajuda

Por Especialista - publicado em 01/02/2011


A cada dia aumenta a quantidade de crianças com níveis elevados de colesterol e triglicérides sanguíneos. Este problema, que antigamente preocupava apenas os adultos, agora faz parte do dia a dia de muitas crianças brasileiras. Mas por quê? O que mudou?

A rotina das crianças mudou muito, assim como os seus hábitos alimentares. Antigamente, comiam-se mais frutas, verduras e as refeições eram preparadas na hora pela mãe. Em contraposição, hoje em dia, os alimentos congelados e embutidos fazem parte do prato da criançada: hambúrgueres, nuggets, linguiça, salsicha, pizzas, dentre outros. O consumo de alimentos prontos para o consumo também aumentou: salgadinhos de pacote, batatas fritas, refrigerantes, chocolates, bolos e biscoitos recheados, queijos amarelos, salame, mortadela, presunto.  

Muitas crianças saem de casa sem tomar o café da manhã e no intervalo comem coxinha ou hambúrguer e refrigerante

Outra mudança é a falta de atividade física. Antes, as crianças brincavam de correr, pular corda ou jogar bola, hoje, o sedentarismo tomou conta e os pequenos só assistem televisão, jogam videogame ou ficam no computador e, na maioria das vezes, beliscando guloseimas.

Então, o que fazer?

É preciso se reorganizar. A maioria das mães e pais trabalham fora, chegam em casa e querem preparar uma refeição rápida, porém precisa ser nutritiva.

O que geralmente recomendo aos pais é mudar as compras no supermercado: evitem comprar bolachas recheadas, bombons, salgadinhos, refrigerantes. Procurem comprar frutas, bolachas sem recheio, leite, iogurtes, queijo branco e peito de peru. Quando a criança estiver com fome, ela irá comer o que tiver em casa, mas é lógico que se tiver uma guloseima, ela vai preferi-la a comer uma maçã, por exemplo.

Quanto às refeições, procure preparar diariamente: saladas, legumes cozidos, arroz, feijão, carnes. Caso a mãe não tenha tempo de cozinhar, uma alternativa é preparar alguns pratos no final de semana e congelar: feijão, carnes cozidas, carne moída refogada com legumes, frango e peixes. Para quem tem uma pessoa em casa que prepara as refeições, deixe anotado o que você quer que ela prepare.  

Faça seus filhos consumirem mais sucos naturais, água de coco e água. Evite ter refrigerantes em casa.

Procure oferecer uma alimentação saudável e nutritiva durante a semana e aos finais de semana libere seu filho para comer algo que ele queria como um doce, sorvete, um lanche ou chocolate. O que não pode é a criança ingerir estes alimentos todos os dias.

É preciso observar também o lanche da escola. Muitas crianças saem de casa sem tomar o café da manhã e no intervalo comem coxinha ou hambúrguer e refrigerante. A ingestão desses alimentos todos os dias, com certeza, irá contribuir para o aumento do colesterol e triglicérides sanguíneos e pode levar até a obesidade infantil.

Quanto ao sedentarismo, procure levar seu filho para fazer atividades ao ar livre, mesmo que seja apenas alguns dias da semana. Se puder coloque-o para fazer um esporte: natação, futebol, judô, ballet, aulas de circo, o que ele gostar mais. Incentive-o a andar de bicicleta, dançar, pular corda ou outras atividades que o façam mexer o corpo.

Está na hora dos pais darem uma atenção maior para a saúde dos seus filhos. Algumas mudanças no dia a dia podem fazer muita diferença e, no futuro, o seu filho irá lhe agradecer. 


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

siga o minha vida e melhore sua qualidade de vida

Saiba mais

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."