publicidade

Entenda melhor a dor da rejeição

Pesquisas indicam que esse sofrimento ativa as mesmas áreas do cérebro da dor física

Por Especialista - atualizado em 30/01/2014


Como disse Carlos Drummond de Andrade, "A dor é inevitável. O sofrimento é opcional". Mas será que quando estamos imersos em uma dor conseguimos pensar dessa forma? 

Segundo estudos recentes conduzidos nos Estados Unidos, o sentimento da rejeição é semelhante à dor física, ativando inclusive as mesmas áreas no cérebro. Quando sentimos alguma dor física ou algo que nos incomode imediatamente procuramos uma forma de resolver e sanar isso, seja através de medicamentos ou outros tipos de tratamentos. Mas quando temos uma dor emocional, como a da rejeição, não há uma resolução prática e pontual que possa dar conta dessa sensação. 

A intensidade da dor da rejeição nada tem a ver com o tempo de relacionamento ou momento de vida do casal, até porque muitas vezes a rejeição vem antes mesmo de se estar em uma relação e ainda sim pode ser intensa e capaz de fazer com que se reflita sobre os pensamentos e comportamentos diante de novas experiências amorosas. 

Comumente se ouve que homens e mulheres sentem essa dor de forma diferente, porém, essa questão não está relacionada ao gênero, mas sim com questões enraizadas através da educação, sociedade, cultura e com características de personalidade individuais. Sofre mais aquele que estava mais envolvido na relação, que estava mais entregue e que tinha mais expectativas, aquele que provavelmente não desejava o término do relacionamento e isso não tem qualquer relação com o fato de ser homem ou mulher. 

Não existe uma receita ideal de como lidar com o término de um relacionamento. Há quem prefira se isolar e resguardar suas emoções e há aqueles que buscam conhecer outras pessoas a fim de virar a página. O importante é reconhecer que uma relação precisa de duas pessoas para acontecer e essa experiência difícil pode inclusive contribuir fortemente para o autoconhecimento, podendo ser muito útil para um próximo relacionamento. 

Uma atitude muito positiva para melhorar é se recordar de alguma outra situação anterior que também tenha lhe causado dor e como foi o seu processo de cura. Ainda que esse processo tenha sido muito doloroso, ajuda a percepção de que o sofrimento tem começo, meio e fim e que, mesmo deixando cicatrizes, a dor deixa de ser tão ativa e presente como a que está vivenciando no momento. 

De certa forma o sofrimento pode ser mesmo encarado como "opcional", para isso é preciso estar disposto a encarar as perdas e seguir em frente com as dores e cicatrizes, mas também com novos aprendizados e aberto a novas experiências. 


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Mais sobre:

 Janaína  Reis

Escrito por:

Janaína Reis

Psicologia

Ajudou 3220 pessoas


Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."


Você está usando uma versão antiga do seu navegador :( Para obter uma melhor experiência, atualize agora!
X