Biopsia testicular: cirurgia para captação de espermatozóides

O procedimento é mais invasivo do que a punção, e é usado quando a primeira não localiza gametas

O que é a biopsia testicular

A biopsia testicular é um procedimento que retira os espermatozoides diretamente do testículo através de uma cirurgia que retira uma microporção deste órgão, normalmente para a realização da fertilização in vitro ou ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides) em homens que não apresentam gametas em seu esperma. 

Outros nomes

TESE, Micro-TESE                                                              

Como e quando é feita a biopsia testicular

Diferente da punção testicular, em que apenas agulha fina e seringa são utilizadas para a captação do líquido no epidídimo ou testículo, na biopsia é retirada parte do tecido testicular, para captar espermatozoides dessa amostra. Ela é feita justamente quando o outro procedimento não encontra gametas, sendo necessário uma busca com maior precisão. No procedimento é utilizada a anestesia raqui e sedação. Existem dois tipos de cirurgia para realização da biópsia: 


  • TESE (Testicular Sperm Extraction): também conhecido como biopsia aberta ou percutânea, o procedimento é feito com auxílio de microscópio com aumento em 40 vezes, abrindo-se uma incisão de 1 centímetro na pele do escroto e retirando parte do tecido do testículo, na área considerada com maior probabilidade de conter gametas
  • Micro-TESE (Microsurgeral Testicular Sperm Extraction): ele é feito com um microscópio de maior potência e assim localiza dentro do testículo em quais áreas há maior probabilidade de se encontrar espermatozoides. Essa escolha é feita analisando a dilatação de alguns túbulos encontrados dentro desse órgão, pois quanto maiores eles são, maiores as chances de conterem gametas.

Em ambos os casos, o material coletado é enviado para um laboratório, onde os espermatozoides são detectados e separados. Depois de coletados os gametas, eles também passam por uma análise, para verificar sua motilidade e morfologia. Se os resultados foram satisfatórios, eles podem ser usados em uma ICSI. 


Para quem é indicada

Normalmente as técnicas de biopsia testicular são indicadas para paciente azoospermicos, ou seja, que não apresentam espermatozoides em seu esperma, condição detectada em um exame de espermograma.

Pré-operatório

É necessário apenas realizar jejum de no mínimo oito horas quando houver sedação.        

Pós-operatório

Após o procedimento, o homem fica algumas horas no hospital ou clínica para passa a anestesia. Depois o ideal é que o homem cuide da região, aplicando bolsas de gelo nas primeiras 24 horas e tomando analgésicos, caso necessário. Também é importante que pratique um repouso pós-operatório. É normal que os testículos fiquem doloridos por três dias o procedimento. 

Riscos da biopsia testicular

A biopsia pode ser contraindicada para pacientes com doenças testiculares graves. Mas, no geral, não oferece riscos maiores do que outros procedimentos considerados invasivos. 

Onde encontrar

O ideal é realizar esse procedimento em clínicas ou hospitais, pois pedem um ambiente esterilizado. Na rede publica é possível encontrar o procedimento, mas convênios não costumam oferecer o serviço.

Fontes consultadas
Farmacêutica Erika Oliveira Semaco, andrologista da Huntington Medicina Reprodutiva
Urologista especialista em reprodução humana Mauro Bibancos Rosa (CRM SP 89.187), médico da Huntington Medicina Reprodutiva
Urologista Conrado Alvarenga (CRM SP 116.006), da Clínica Vida Bem Vinda, em São Paulo 

links patrocinados
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não