Vacina para Hepatite A

Ela imuniza contra o vírus VHA, causador da doença

O que é a vacina para hepatite A

A vacina imuniza contra o vírus VHA, causador da hepatite. Ele é usado inativo, ou seja, com pedaços mortos do vírus, portanto normalmente não apresenta contraindicações e é considerada opcional, ou seja, não consta como obrigatória no Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. 

Variações

A imunização contra hepatite A pode ser feita através da vacina para hepatite A e B, disponível apenas na rede privada de saúde. 

Doenças que a vacina para hepatite A previne

Vacina contra hepatites A e B: proteja-se contra as infecções virais do fígado

A hepatite A é a inflamação (irritação e inchaço) do fígado causada pelo vírus da hepatite A. Os sintomas começam entre 2 e 6 semanas após a exposição ao vírus da hepatite A. Eles são geralmente leves, mas podem durar vários meses, especialmente em adultos. Os mais comuns são: urina escura, fadiga, coceira, perda de apetite, febre baixa, náuseas e vômitos, fezes pálidas ou com cor de argila e pele amarelada (também conhecida como icterícia). 


A contaminação se dá ao: comer ou beber água contaminada por fezes que contenham o vírus da hepatite A (frutas, verduras, frutos do mar, gelo e água são fontes comuns do vírus da hepatite A), manter contato com as fezes ou o sangue de uma pessoa que tenha hepatite A, quando uma pessoa contaminada não lavar as mãos adequadamente após ir ao banheiro e tocar outros objetos ou alimentos, participação de práticas sexuais que envolvam contato oral-anal. 

Indicações

Normalmente essa vacina é indicada para crianças no segundo ano de vida. A vacina é dada pelo Ministério da Saúde com indicação médica nas seguintes situações: pessoas com doenças hepáticas crônicas; portadores crônicos de hepatites B ou C; problemas de coagulação; crianças com menos de 13 anos com HIV; adultos portadores de HIV e das hepatites B ou C; doenças genéticas ou trissomias, como a Síndrome de Down; pessoas com fibrose cística; candidatos a transplante de órgão; transplantados e doadores de órgão ou de medula óssea; pessoas com doenças do sangue e imunodeprimidos.

Grávida pode tomar essa vacina?

Para as grávidas, a contraindicação só perde lugar caso ela esteja sob risco de exposição a alguma doença.

Doses necessárias

É feita a vacinação em crianças com duas doses: a primeira dada aos 12 meses de idade e a segunda aos 18 meses. Em adultos, é importante que a segunda dose seja dada sempre 6 meses depois. 

Administração da vacina para hepatite A

Via intramuscular, aplicada no braço.                                                                                 

Contraindicações

A vacina contra a hepatite A é contraindicada na ocorrência de hipersensibilidade imediata (reação anafilática) após o recebimento de dose anterior, ou de história de hipersensibilidade aos componentes da vacina.

 Qualquer hipersensibilidade aos componentes de uma vacina a torna contraindicada, além da reação anafilática após tomar uma das doses.

Quando a vacina for com bactéria atenuada ou vírus vivo se tornam contraindicações as seguintes condições: imunodeficiência congênita ou adquirida, uma neoplasia maligna e tratamento com corticoides a mais de 2 mg por quilo ao dia para crianças e 20 mg por quilo ao dia para adultos. 

Efeitos adversos possíveis

Podem haver vermelhidão, enduração e dor, todos de intensidade leve, em menos de 25% das crianças e 60% dos adultos. Efeitos como cefaléia, mal-estar geral, fadiga e febre relatados em aproximadamente 15% dos vacinados, mais frequentes em adultos. E a anafilaxia é rara. 

Onde encontrar a vacina para hepatite A

Por ser uma vacina opcional, só é encontrada em hospitais e clínicas privadas, ou nos postos do SUS apenas quando há indicação médica. Alguns convênios médicos cobrem esta vacina no sistema particular de saúde. Consulte sua operadora para ver se seu plano oferece essa cobertura.

Perguntas frequentes

Se eu não me lembro de ter tomado a vacina ou perdi minha carteira de vacinação, posso ir ao posto e repetir a dose?
Sim. A melhor medida a fazer nesses casos é conferir a carteirinha de vacinação. Mas se você a perdeu por algum motivo, ou então achou que estava vacinado, mas não consta no registro, o melhor a fazer é se vacinar, ainda que repetidamente. "Contudo, é preciso ficar atento às vacinas de vírus vivos de doenças graves, como a febre amarela, porque há uma mínima chance de o excesso do vírus causar a doença", diz o imunologista Eduardo Finger, coordenador do departamento de pesquisa e desenvolvimento do SalomãoZoppi Diagnósticos, em São Paulo. Fora esses casos, o melhor a fazer é se certificar e tomar a vacina. "Lembrando sempre que as vacinas são ainda mais seguras quando o calendário é seguido." Além disso, a vacina válida é somente aquela vacina que foi registrada. Se você toma suas vacinas em uma clínica privada, provavelmente o local terá em registro um histórico das suas vacinas, não sendo necessário tomar novamente. Entretanto, a rede pública ainda não conseguiu informatizar esses dados, por isso uma pessoa que se vacina na rede pública e perde sua carteirinha precisará tomar todas as vacinas recomendadas para adultos novamente.

Se eu não me lembro de ter tomado a vacina, posso ir ao posto e repetir a dose?
Sim. A melhor medida a fazer nesses casos é conferir a carteirinha de vacinação. Mas se você a perdeu por algum motivo, ou então achou que estava vacinado, mas não consta no registro, o melhor a fazer é se vacinar, ainda que repetidamente. "Contudo, é preciso ficar atento às vacinas de vírus vivos de doenças graves, como a febre amarela, porque há uma mínima chance de o excesso do vírus causar a doença", diz o imunologista Eduardo Finger, coordenador do departamento de pesquisa e desenvolvimento do SalomãoZoppi Diagnósticos, em São Paulo. Fora esses casos, o melhor a fazer é se certificar e tomar a vacina. "Lembrando sempre que as vacinas são ainda mais seguras quando o calendário é seguido." 

Pessoas com alergia a alguma vacina não poderão tomá-la nunca mais?
No geral, é muito difícil uma pessoa ser alérgica à vacina em si, mas a outros elementos que estão dentro dela. As contraindicações existem, segundo a pediatra Isabella, somente para pessoas que já sofreram um choque anafilático nos seguintes casos: para anafilaxias por ovo é contraindicada as vacinas de sarampo, caxumba, rubéola e febre amarela, pois esses vírus vivos são cultivados no alimento antes de irem para a vacina; em casos de anafilaxias por mercúrio são contraindicadas as vacinas com esse elemento, no geral as ministradas pelo SUS; e quem já teve choque anafilático por látex deve se informar sobre as vacinas em seu local de vacinação padrão, pois algumas podem conter resquícios da substância.

Se eu perder minha carteirinha terei que vacinar tudo novamente?
Sim, pois a vacina válida é somente aquela vacina que foi registrada. "Se você toma suas vacinas em uma clínica privada, provavelmente o local terá em registro um histórico das suas vacinas, não sendo necessário tomar novamente", diz a pediatra Isabella. Entretanto, a rede pública ainda não conseguiu informatizar esses dados, por isso uma pessoa que se vacina na rede pública e perde sua carteirinha precisará tomar todas as vacinas recomendadas para adultos novamente. "Nesses casos, é como se ela nunca tivesse se vacinado." 

Fontes

Ministério da Saúde
Clínico geral Eduardo Finger (CRM: SP72161), coordenador do departamento de pesquisa e desenvolvimento do SalomãoZoppi Diagnósticos

links patrocinados
Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não