PUBLICIDADE

Respire pilates

O método melhora o humor, a imunidade e a saúde de diversos tecidos corporais

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

O Pilates já nasceu estreitamente ligado ao tema da respiração. O seu criador, Joseph Hubertus Pilates, foi uma criança raquítica e asmática e passou a vida inteira pesquisando atividades físicas que melhorassem sua função respiratória e, em conseqüência, o seu desenvolvimento corporal.


Um apaixonado pelo movimento, Joseph Pilates foi buscar informações que muito contribuíram para o que hoje conhecemos como seu método em atividades como ioga e nas diversas modalidades de lutas (Wrestling).


O resultado disso? Sucesso no seu objetivo.

É possível, por meio do Pilates, devolver aos sedentários, aos fumantes e ex-fumantes, às gestantes do terceiro trimestre e a tantas outras pessoas que, com freqüência, não respiram de forma eficaz uma organização corporal mais eficiente, uma conseqüente otimização da respiração e melhora da qualidade de vida. Tudo isso também pode prevenir futuros problemas corporais.


A respiração normalmente se distribui em três planos principais: anterior-posterior, lateral e superior-inferior. Com o Pilates, buscamos um equilíbrio desses três planos respiratórios.

Nenhuma dessas respirações sozinha é a correta nem totalmente nociva ou boa; precisamos saber equilibrá-las, otimizá-las e diferenciá-las, desenvolvendo a consciência do momento em que cada uma delas é mais indicada ou necessária.


A respiração é freqüentemente automática e inconsciente, mas também pode ser um ato voluntário e consciente. A respiração pode ser enfatizada como instrumento para atingir qualidade na execução dos movimentos. O contrário também acontece, pois movimentos adequados com a região do tronco estimulam e ampliam a entrada e a saída de ar dos pulmões.

Quando expiramos com mais força e colocamos as mãos na barriga, sentimos a ação dos músculos abdominais, que são os músculos que nos curvam para frente (flexão de coluna). A expiração facilita a mobilização da coluna em flexão. Desta forma, economizamos gasto energético e a execução do exercício é mais eficiente.


Por outro lado, a inspiração profunda faz o peito subir e a coluna iniciar um arco para cima e para trás, essa respiração auxilia a realizar exercícios que exijam a extensão da coluna. A respiração profunda ou forçada otimiza a troca de gases O2 e CO2 e é um excelente treino para os abdominais.


Quando bem desenvolvida, ela explora movimentos laterais, inferiores e posteriores da cesta torácica formada por nossas costelas, a coluna e o osso externo, na parte anterior. Quando essa troca é mais eficiente, o resultado é uma melhora do humor, da imunidade, da saúde dos mais diversos tecidos corporais, diminuindo a depressão, a irritação e o cansaço, tão comuns entre os que utilizam a respiração acessória como fonte principal.


Cito aqui uma frase de profunda beleza e significado, que escutei de Márcia Santiago, amiga e educadora da Physio Pilates, que revela a importância desse tema: A respiração é o nosso primeiro e último ato de vida .



Alice Becker
é educadora máster, fundadora e presidenta da Physio Pilates Educação


Para saber mais, acesse: www.physiopilates.com