Os melhores tecidos para aquecer seu filho nesse inverno

Tipos como lãs e soft acumulam poeira e fiapos, facilitando processos alérgicos

Com a chegada das estações mais frias a preocupação com doenças respiratórias é grande. Principalmente no caso dos bebês, que têm um sistema imunológico mais frágil. "As crianças nascem com alguns componentes de defesa e outros são constituídos com o passar dos anos, é o que chamamos de imunidade adaptativa ou adquirida. Alguns desses componentes só ficam por volta dos 7 anos", explica a imunologista e alergista Fátima Rodrigues, do Hospital Infantil Sabará.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os primeiros meses de vida são o momento em que a criança começa a entrar em contato com possíveis causadores de alergias, como ácaros e poeira doméstica. O mais comum nas crianças são as alergias na pele, como a dermatite de contato, e alergias respiratórias, como bronquite e asma. Portanto, quaisquer lugares que os acumulem podem ser perigosos, inclusive as roupas de frio.

Para saber quais crianças são mais propícias a alergias, basta ver o histórico da família. Normalmente quem tem parentes de primeiro grau alérgicos tem chances mais altas de ter reações com determinados alérgenos. Quando os pais têm algum tipo de alergia, a probabilidade é maior ainda. Pensando nisso, listamos quais os principais tecidos que usamos no inverno e cuidados que devemos ter com eles para preservar a saúde dos bebês.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O mais indicado: Moletom

Para a dermatologista Samar Harati, do Hospital São Luiz, esse é o melhor dos tecidos para as crianças no inverno. "Ele não possui linhas para acumular pó e ácaros, evitando riscos de causar alergias e permite que o bebê fique quentinho", conta a especialista. O tecido muitas vezes é feito com 100% de algodão, o que facilita sua lavagem, outro ponto positivo desse tipo de tecido. Normalmente ele é usado para peças de roupas, como calças e casacos.

Indicados, se usados e cuidados com atenção

Flanela

Esse tecido é muito versátil para o inverno, e pode ser composto por lã, fibra sintética e algodão. O ideal é preferir que a maior parte da composição seja formada pelo último tipo de fio. "As fibras sintéticas podem irritar a pele da criança, já o algodão seca mais rapidamente e acumula menos alérgenos", diferencia a imunologista e alergista Fátima Rodrigues, do Hospital Infantil Sabará. Ele pode ser usado para diversas peças, como casacos e calças.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Plush

A maior característica do plush, tecido usado em cobertores e casacos, é ser mais fofo e bem parecido com uma pelúcia. Por isso mesmo, é o local perfeito para acúmulo de poeira e ácaros, como nos lembra a imunologista Fátima Rodrigues. Mas o ideal é verificar na etiqueta qual a composição do tecido, quanto maior a porcentagem de algodão, e portanto menor a de poliéster, melhor para os pequenos, já que ele é menos irritante para o bebê. Existem plushs com até 80% de algodão, vale priorizar.

Veludo

Um tipo clássico e interessante para peças como calças, pode ser bem pesado. O único problema é que ele também tem uma característica felpuda, com penugens curtas na superfície, sendo um bom local para acúmulo de poeira e ácaros, precisando ser lavado com bastante frequência.

Soft

Tecido comum para cobertores e casacos, ele é bem felpudo, o que já contraindica seu uso. Isso o torna uma má opção, já que acumulam resíduos de poeira e ácaros. Normalmente esses aracnídeos costumam se abrigar em materiais porosos, e tecidos mais peludos tem essa característica, como ensina a imunologista e alergista Fátima. Mas lavando as peças com frequência, toda semana, por exemplo, não é preciso deixar de usá-las completamente, ressalta a especialista.

O menos indicado: Lã

Esse material tem dois problemas principais: o primeiro é ser muito felpudo e por isso soltar fiapos, que podem irritar as vias aéreas do bebê. Em segundo lugar, por ter tramas com muito espaços, é o tecido ideal para o acúmulo de poeira e ácaros. O ideal é evitar o tecido, e caso já tenha alguma peça feita com ele, como cobertores, cachecóis e casacos, vale tomar cuidados especiais. "A lã exige que as peças sejam secas ao sol e guardadas em sacos plásticos individuais", ressalta a dermatologista Samar. Outra dica é preferir os tipos menos felpudos quando for comprar roupas desse material. As lãs menos peludas, por sua vez, podem arranhar ou pinicar a delicada pele do bebê. Vale observar ainda na loja a qualidade do produto, e fazer os testes na sua própria pele se for o caso.

E a roupas dos pais?

Não só as peças das crianças são importantes, como também a dos pais, já que os bebês entram em contato com esses materiais no dia a dia, quando são pegos no colo, por exemplo. Como os itens de inverno ficam guardados ao longo das outras estações, é preciso retirá-los dos armários antes de esfriar e tomar um cuidado especial na lavagem.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Para ter uma higiene adequada é importante evitar produtos com cheiros fortes, preferir sabões neutros, lavar e enxaguar várias vezes o tecido e fazer secagem da roupa em ambiente ventilado, para não acumular mofo", explica a imunologista Fátima. Tirar o pó dos ambientes também é uma boa pedida, sempre usando pano úmido no lugar de aspiradores, vassouras e espanadores, que só espalham as partículas.