PUBLICIDADE

Bebê de 1 ano: dar autonomia melhora o desenvolvimento

Pediatra dá dicas de como oferecer liberdade ao bebê de forma segura

Mesmo prestes a completar seu primeiro ano de vida, alguns ambientes ainda podem causar desconforto ao bebê. Esse pode ser o caso de locais desconhecidos porque, de acordo com a pediatra Patrícia Marañon Terrivel, qualquer ambiente que não traga imagens maternas ou paternas causa estranheza.

Ou seja, quando o local não tem o jeito e o cheiro dos pais, principalmente o materno, os bebês ficam mais instáveis. Além disso, eles ainda não estão acostumados a ver muitas pessoas desconhecidas, apenas aquelas do seio familiar.

Com o crescimento dos pezinhos, muitos pais ficam tentados a comprar novos sapatos para o bebê. Outros acreditam que deixá-lo andar descalço pode ser prejudicial à sua saúde.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Entretanto, andar descalço é uma forma de descoberta do mundo para os bebês. Além disso, a pediatra acrescenta o fato de que o desenvolvimento cognitivo e motor é afetado quando a criança usa sapatos demasiadamente. "Descalço, o bebê facilita a criação da curvatura do pé, impedindo o famoso pé chato", explica.

A nova fase do bebê é marcada por muitas descobertas. A partir de 1 ano, a criança desperta a curiosidade sobre os móveis mais altos e querer escalá-los pode se tornar uma saga.

Embora isso ajude no desenvolvimento motor e cognitivo, é importante que alguns cuidados sejam tomados para evitar acidentes em casa. Sendo assim, inclua a proteção nos berços e camas, principalmente quando há vãos estreitos. Mantenha fora do alcance travesseiros, almofadas e brinquedos que facilitem a escalada, instale telas e grades nas janelas e varandas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Mude a disposição de móveis que estejam próximos de janelas e mantenha-os em uma distância segura. Aposte em tranca de gavetas e protetores de quina para os móveis. Mas, mesmo com todos os cuidados em dia, nenhum deles dispensa a supervisão constante de um adulto.

No entanto, essa supervisão não deve tirar a autonomia da criança de descobrir o mundo ao seu redor e explorá-lo. Esteja sempre por perto e permita que a criança descubra o ambiente, intervindo em situações de risco.