PUBLICIDADE

Criação de seus filhos afeta relacionamentos deles no futuro

A busca por parceiros dos seus filhos é baseada no afeto que vivenciaram em casa na infância

"Quando nasce, o bebê humano é muito desamparado". É o que afirma a neuropsicóloga Deborah Moss, mestre em psicologia do desenvolvimento. Na infância, as crianças precisam de muita dedicação dos pais, pois são eles que lhes apresentarão o mundo através do afeto.

A influência dessa troca é tamanha que poderá definir não só a personalidade futura dessa criança, mas também seus relacionamentos amorosos. Esses padrões vividos ainda na infância podem ajudar a perpetuar comportamentos na construção da sua nova família.

Segundo Deborah, crianças pequenas aprendem através da imitação e os pais são os modelos de conduta. Elas começam a imitar a mãe ou o pai em brincadeiras e, conforme vão crescendo, isso se internaliza e se incorpora no comportamento de maneira inconsciente.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Da infância aos relacionamentos

"Existem pesquisas que mostram que mulheres cujo pai era alcoólatra acabam procurando parceiros parecidos", exemplifica.

Tanto experiências negativas quanto as positivas podem exercer grande influência nessa escolha.

Experiências positivas: Crianças vivendo em um ambiente com pais que se respeitam e têm uma relação de carinho observam isso e adquirem uma referência para buscar relacionamentos semelhantes aos dos próprios pais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Experiências negativas: Ao mesmo tempo, crianças expostas à violência doméstica, abusos, agressões verbais ou psicológicas; ou ainda a relações parentais menos afetuosas, com pais narcísicos ou com algum problema psiquiátrico como esquizofrenia, depressão e bipolaridade, também podem levar estas marcas à sua vida adulta.

"Se ela não quebra esses modelos é bem possível que, na repetição do próprio contexto familiar, acabe buscando parceiros semelhantes", diz Deborah. Porém, ainda que essa consequência seja uma tendência, isso não representa uma relação de causa e consequência.

"A tendência é a reprodução de modelos, mas existe a possibilidade de romper com essas repetições", completa.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Muitos jovens ressignificam as experiências vividas e utilizam como um "anti modelo" de sistema familiar. Assim, buscam parceiros mais saudáveis e relações familiares mais estáveis, com características opostas às do pai e da mãe.

Teoria do apego

E não é só na escolha de parceiros que os pais podem influenciar. Essas relações vivenciadas na infância também têm impacto na formação da personalidade da criança e na sua percepção sobre o mundo.

De acordo com a neuropsicóloga Bia Sant'Anna, ainda na infância construímos crenças sobre si e sobre o mundo que se tornam regras rígidas que servirão de base para seus comportamentos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Ela cita o psiquiatra John Bowlby para explicar o impacto do tipo de relacionamento estabelecido com o cuidador principal durante a tenra infância. Segundo ele, em sua Teoria do Apego, esses padrões podem ser divididos em:

A formação destes padrões acontece no chamado período crítico de desenvolvimento, quando criança está mais sensível a certos estímulos ambientais. Isso porque, quanto mais novo, mais plástico e moldável é o cérebro. Durante esse período, forma-se um grande número de sinapses (conexões nervosas), mediante a experiência e a interação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Não que seja algo irreversível ou fixo, mas é altamente desejável que se desenvolvam vínculos afetivos positivos precoces, pois eles certamente afetam os relacionamentos posteriores", completa a neuropsicóloga Bia.