PUBLICIDADE

Ansiedade em crianças: transtornos comuns e formas de lidar

Crianças podem apresentar quadros diferentes de ansiedade que merecem atenção e tratamento adequado

Por Miguel Angelo Boarati, psiquiatra da Infância e Adolescência*

Medo e ansiedade são reações humanas normais e até necessárias, pois são parte de um mecanismo do corpo para identificarmos possíveis situações de ameaças. Existe um complexo processo, que envolve funções cerebrais e hormonais, e possibilita uma reação rápida, podendo levar a um comportamento de luta ou de fuga quando estamos diante de uma situação de perigo real e iminente. Já um transtorno de ansiedade trata-se de uma reação patológica de medo diante de um perigo que não é real ou tem não tem a magnitude interpretada pela pessoa.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Com as crianças não é diferente. Elas tendem a ser naturalmente mais medrosas do que adolescentes e sentem especialmente medo de coisas simples, como de se afastar dos pais e conversar com pessoas estranhas.

No início da nossa vida, dado nosso alto grau de vulnerabilidade, dependência e imaturidade, apresentar reações de medo e ansiedade é muito mais frequente do que quando nos tornamos adultos - e, na medida em que desenvolvemos uma compreensão mais realista do mundo e dos reais perigos, passamos a temer apenas situações de real risco.

Quando se preocupar com a ansiedade em crianças?

Para entender quando o medo é característico de um transtorno de ansiedade em crianças é preciso considerar a faixa etária em que ela está, o seu tempo de duração e os prejuízos e sofrimento associados. Uma criança na faixa de cinco a seis anos que não consegue se afastar dos pais de forma nenhuma, por exemplo, pode apresentar um transtorno chamado de Ansiedade de Separação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Essa é uma situação esperada em uma criança de dois anos, mas que em uma criança mais velha, que está quase entrando na fase escolar, não é adequada. Este transtorno surge em crianças mais velhas, sendo menos presente em adolescentes e adultos, porém quando atinge idades maiores normalmente segue com outras complicações, como depressão, problemas de relacionamento, de autoestima e dificuldades escolares.

Outro transtorno de ansiedade que pode ocorrer em crianças é o Transtorno de Ansiedade Generalizado (TAG) que se caracteriza por medo e preocupação excessiva com diferentes situações e contextos, como uma briga entre os pais, notas ruins, doenças etc.

Crianças que sofrem de TAG costumam ser tensas, angustiadas e não conseguem relaxar. São também muito perfeccionistas e sensíveis a críticas e rejeição. Podem possuir baixa autoestima e um sentimento crônico de serem incapazes, além de serem muito propensas a apresentarem quadros depressivos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Há também a fobia social que é um medo exagerado de situações de exposição social e que se diferencia da timidez pela intensidade em que ela ocorre, causando paralisação e esquiva de toda e qualquer possibilidade de se expor. Essas crianças apresentam grande sofrimento visto que há o desejo de fazer amigos e socializar, mas se sentem impossibilitadas de enfrentar essa situação.

Aproximadamente 15% das crianças e adolescentes apresentam algum tipo de transtorno ansioso que exigiria tratamento especializado. As causas da ansiedade infantil são várias, desde fatores genéticos, temperamento infantil e fatores ambientais.

O comportamento dos pais é bastante determinante, tanto na ocorrência dos quadros ansiosos como na intensidade dos sintomas. Pais ansiosos, rígidos, perfeccionistas e com alto nível de cobrança podem gerar inseguranças e medos em crianças que podem evoluir para um transtorno de ansiedade.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Como tratar a ansiedade infantil?

O primeiro ponto é saber diferenciar medos e ansiedades infantis de um transtorno de ansiedade, que necessitaria de um tratamento especializado. Se a criança não se socializa, não vai para à escola ou apresenta fortes reações emocionais todas as vezes que precisa se expor a uma situação que teme, podemos suspeitar de um transtorno de ansiedade. O tratamento psicológico da criança, juntamente com a orientação de pais, é a principal abordagem terapêutica.

Diferentemente dos adultos, as crianças não respondem adequadamente aos tratamentos medicamentosos e não há nível de evidência científica que valide o uso da classe dos antidepressivos ou de benzodiazepínicos nesses casos. Por outro lado, é possível que os pais precisem ser encaminhados para tratamento psicológico e psiquiátrico caso apresentem níveis de ansiedade que justifiquem o transtorno do filho.

Muitas vezes os transtornos de ansiedade em crianças podem se confundir com comportamentos de mimo ou birra, pois toda a vez que a criança está diante de uma situação ansiogênica ela poderá tentar se esquivar, chorar ou se recusar a fazer o que precisa. É importante fazer essa diferenciação, pois expor uma criança a uma situação fóbica ou que gere ansiedade de maneira abrupta poderá causar mais sofrimento e agravamento do quadro.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Por isso é importante buscar atendimento especializado com psiquiatras e psicólogos da infância e adolescência que possam esclarecer e tratar a situação adequadamente.

*Miguel Angelo Boarati é Psiquiatra da Infância e Adolescência e médico da Comunidade ALICE, plano de saúde individual.