Como tratar sintomas leves de COVID-19 em casa

Saiba como monitorar quadros leves da doença fora do hospital e quando é recomendado voltar ao médico

Apesar do novo coronavírus ter o potencial de causar quadros graves que necessitam de internação, a maioria das pessoas infectadas apresentam sintomas mais leves. Nesses casos, em que o indivíduo não precisa permanecer no hospital, alguns cuidados podem auxiliar no monitoramento da COVID-19 em casa.

Essas recomendações precisam ser seguidas a partir da orientação de um médico, especialmente se a pessoa tiver procurado um serviço de saúde, como evidencia a infectologista Dania Abdel Rahman, do Hospital Albert Sabin.

Neste sentido, vale saber que, meses após o início da pandemia, as diretrizes do Ministério da Saúde foram alteradas e passaram a recomendar que qualquer pessoa com suspeita de infecção por coronavírus busque auxílio imediato.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Para que o indivíduo seja mandado para casa após o atendimento, ele não deve apresentar nenhum sintoma que ameace sua vida naquele momento. Assim, de maneira resumida, é necessário que o paciente não tenha falta de ar, apresente febre baixa ou tenha apenas perda de olfato e paladar.

Saiba mais: Sintomas de coronavírus: veja quais são os primeiros sinais

Quadros leves de COVID-19: o que fazer

É essencial que o paciente observe o quadro e fique alerta para o surgimento de sintomas como cansaço e falta de ar. Se esses sinais surgirem, é necessário estar atento também para possíveis pioras, principalmente depois de esforços físicos, como tomar banho, ir ao banheiro e ao se levantar. Nesses casos, é indicado que ele retorne ao médico.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além da observação, a hidratação é fundamental para qualquer pessoa, com ou sem infecção. No entanto, especialmente durante um quadro ativo como o de COVID-19, é indicado que os pacientes bebam bastante água, uma vez que isso evita sintomas como tontura e dor de cabeça.

Com relação a atividades físicas, as recomendações precisam ser individualizadas. Pessoas aptas a se exercitarem costumam ser assintomáticas ou com sintomas tão leves a ponto de não ficarem incomodadas com o esforço. "Um paciente com dispneia não pode realizar exercícios físicos. Quem tem muita prostração e cansaço muscular precisa fazer repouso", acrescenta Dania.

Como acompanhar os sintomas em casa

O monitoramento dos sintomas pode ser efetuado pelo próprio paciente, caso ele esteja em bom estado geral. Porém, a piora nos quadros de dispneia e cansaço indica a necessidade de auxílio profissional.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Observar a temperatura corporal com um termômetro também é importante para a acompanhamento do quadro. Além disso, a pessoa pode acompanhar a saturação de oxigênio nas células a partir de um aparelho conhecido como oxímetro. Ele pode ser usado em casa desde que sejam seguidas algumas recomendações, como:

O uso de antitérmicos e analgésicos para aliviar dor e febre só deve ser feito pelo paciente conforme a orientação de um especialista - lembrando que NUNCA é recomendada a automedicação em qualquer quadro de saúde.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Recomendações para familiares

O que os especialistas indicam para quem vive junto a uma pessoa infectada continua igual: o paciente doente deve permanecer em um cômodo separado. Com relação à alimentação, é aconselhável que alguém leve a comida em uma bandeja, se afaste e só então o infectado abra a porta para pegar a refeição.

Os utensílios do paciente devem ser lavados normalmente com água e sabão e, preferencialmente, não podem ser utilizados por outros integrantes da casa. Se possível, é indicada também a utilização de um banheiro exclusivamente para o doente - caso haja mais de um banheiro na casa.

O lixo deve ser descartado do cômodo pela própria pessoa doente, embalando e deixando o saco no lado de fora, para que outra pessoa possa levá-lo. Entretanto, é importante ressaltar que pessoas não contaminadas devem manusear o mínimo possível esse tipo de material, seguindo alguns cuidados, como o uso de luvas descartáveis.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Por último, a utilização de máscara durante qualquer interação necessária com infectado é extremamente relevante, assim como não dormir no mesmo cômodo e deixar janelas abertas para manter o ambiente bem arejado.

O tempo de isolamento indicado para os casos de COVID-19 tratados em ambiente domiciliar é de 14 dias. Depois desse período, se febre e sintomas respiratórios desaparecerem, é possível retornar à rotina normal. As pessoas que tiverem contato com doentes devem estar atentas ao surgimento de eventuais sintomas e, da mesma maneira, buscar atendimento médico.

Risco de infecção por coronavírus

Relaxamento do isolamento pode aumentar casos de COVID-19?

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Lavar máscaras à mão pode aumentar riscos de contaminação

Coronavírus: quem corre mais risco ao contrair a COVID-19?