PUBLICIDADE

Beijar meus bichinhos de estimação pode me trazer doenças?

Entenda quais cuidados são necessários ao dar carinho para seus animais de estimação

O mundo ao nosso redor (e dentro de nós) é povoado por microrganismos. A maioria deles é benéfica, mas muitos representam um risco. Para explicar como um microrganismo causa doenças e responder à pergunta do título desse artigo, precisamos entender quatro conceitos:

Inóculo: para causar uma doença, o microrganismo precisa entrar no corpo em uma quantidade grande o suficiente - isso é chamado inóculo. É como se fosse um exército atacando um país. Dez soldados seriam esmagados pela patrulha da fronteira, mas, se vierem em 100.000, é provável que consigam invadir.

Virulência: se esse invasor for mais virulento, é pior (esse termo pode até parecer com vírus, mas se refere a qualquer microrganismo). É como se não fosse um simples soldado, mas um agente especializado, com capacidade de causar um grande estrago no país invadido.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Imunidade: o país invadido tem suas defesas. São os soldados, capitães e generais responsáveis pela vigilância e que se organizam gerando diferentes respostas. Às vezes, conseguem eliminar o invasor e fazer com que ele nunca mais consiga entrar. É a imunidade, nesse caso, permanente. É o que vivemos em relação à catapora, caxumba, rubéola. É uma resposta muito desejada nas vacinas.

Autoimunidade: às vezes, nosso próprio exército nos ataca. Isso se chama autoimunidade e é o que causa uma doença autoimune.

Mas o que tudo isso tem a ver com beijar seu pet? Bem, o risco de adquirir um microrganismo que cause doença está em todo lugar: no ar, na água, na comida, nas relações sexuais, no contato com as pessoas e no simples carinho no seu bichinho de estimação. Não é só beijar o animal que pode trazer doenças; VIVER é um risco biológico constante!

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Para se proteger de uma doença, é preciso "diminuir" o inóculo, ou seja, lavar os alimentos, reduzir o número de parceiros sexuais, tomar banho, escovar os dentes, lavar as mãos frequentemente (ou utilizar álcool em gel) - inclusive depois de tocar seu amigo peludo e mantê-lo limpo é fundamental. E se você resolver beijar seu pet, não o beije na boca, pois o inóculo aí é enorme.

Além disso, precisamos nos preocupar com os microrganismos mais virulentos. E a ciência faz isso: as vacinas foram produzidas para gerar imunidade para as doenças mais graves. Então, esteja com as vacinas em dia e vacine seu pet. Você reduzirá muito as chances de contrair várias doenças. Além disso, vermifugue seu pet regularmente e outros tantos problemas serão evitados.

Se você adquirir alguma verminose no contato com seus animais, faça o tratamento e se livre dela. A verminose pode trazer problemas graves, mas a sabedoria popular diz que tudo tem seu lado positivo e aqui temos um muito interessante. Estudos mostram que populações que têm mais verminose têm também uma prevalência menor de doenças autoimunes, provavelmente porque a resposta imunológica induzida pelos vermes, de alguma forma, protege contra os distúrbios autoimunes.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Por fim, existem estudos que mostram os benefícios psicológicos e sociais da nossa relação com os pets. Beijá-los podem nos trazer doenças? Sim. Mas os cuidados reduzem os riscos e os benefícios são superiores. Nessa balança, o amor entre nós e os nossos pets vence!