PUBLICIDADE

Mulher descobre um verme que se movia sob sua pele

Após notar que um inchaço nos olhos se moveu para os lábios repentinamente, a paciente decidiu procurar ajuda médica

Foto: Divulgação/The New England Journal of Medicine
Foto: Divulgação/The New England Journal of Medicine

Você já deixou de dar atenção para um pequenas alterações como inchaços e roxos que aparecem em seu corpo? Embora seja muito comum ignorar esses sintomas, a verdade é que eles podem indicar que algo mais sério.

Há alguns meses, a história de uma mulher russa de 32 anos chocou médicos, isso porque eles descobriram que um ?caroço? que havia migrado da região dos seus olhos para o seu lábio, se tratava de um verme vivo em sua pele.

De acordo com um artigo publicado no New England Journal of Medicine (NEJM), a mulher, que não teve a identidade divulgada, chegou ao hospital localizado em Moscou reclamando de inchaços que ardiam e coçavam muito.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Após uma análise clínica, a equipe médica constatou que a paciente precisava realizar uma cirurgia para remover a protuberância. Durante a cirurgia, eles descobriram que o problema se tratava de uma verme nematoide, também conhecido como filária.

O estudo do caso não revelou o tamanho do verme, mas pela foto acima parece ser grande o suficiente para causar muito incômodo a paciente. Em investigações, os especialistas descobriram que era um Dirofilaria repens ? uma infecção parasitária.

Segundo a pesquisa, o Dirofilaria repens é um parasita que normalmente infecta cães e gatos, sendo transmitido, na maioria das vezes, para humanos através de picadas de mosquitos infectados.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quando já está alojado na pele, o verme pode se mover para outras partes do corpo, porém quando tratado corretamente dificilmente traz complicações. De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a forma mais comum para tratar a condição é através de remoção cirúrgica, mas medicamentos antiparasitários também podem ser usados.