PUBLICIDADE

Mioma uterino: o que é, sintomas e tratamento

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Visão Geral

O que é Mioma uterino?

O mioma uterino (CID 10 - D25) é um tumor benigno no útero que, muitas vezes, aparece na idade fértil da mulher, sendo um quadro que atinge cerca de 50% das mulheres na faixa etária dos 30 aos 50 anos..

Embora seja um tumor, o mioma não estão associados a cânceres, como o câncer de colo de útero.

Foto: GettyImages
Foto: GettyImages

Sintomas

Sintomas de Mioma uterino

O mioma é assintomático para algumas mulheres. Entretanto, mulheres que apresentam sintomas, geralmente notam os seguinte sinais do mioma no corpo:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Dependendo do tipo de mioma, os sintomas podem se diferenciar:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Visita ao ginecologista

Mioma cresce a barriga?

Em casos raros, o mioma provoca alteração no volume abdominal. Isso ocorre em casos nos quais os miomas atingem volumes grandes e causa pressão sobre órgãos como a bexiga, por exemplo. No entanto, isso quase nunca ocorre.

De qualquer forma, miomas uterinos não são indetectáveis pelo olho humano. Em casos extremos, a expansão do útero atinge a caixa torácica.

Visão Geral

Causas

Como o mioma se desenvolve?

Não sabe ao certo porque o mioma se forma. Também chamado de fibroide uterino, o mioma uterino se desenvolve a partir do tecido muscular liso do útero (miométrio).

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Uma única célula se divide repetidamente e desenfreadamente, até criar uma massa distinta dos tecidos próximos.

Os padrões de crescimento de miomas uterinos variam, podendo se desenvolver de forma lenta, rapidamente ou permanecer do mesmo tamanho.

Alguns miomas passam por surtos de crescimento, e alguns podem encolher por conta própria. Inclusive, muitos miomas que acontecem durante a gravidez tendem a encolher ou desaparecer após o parto.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os miomas não são indetectáveis pelo olho humano, mas suas massas volumosas podem distorcer ou ampliar o útero. Eles podem ser únicos ou múltiplos, e em casos extremos, a expansão do útero atinge a caixa torácica.

Existem algumas suspeitas para a causa do mioma, entre elas:

Mudanças genéticas

Muitos miomas contêm alterações genéticas que os diferem das células normais do músculo uterino.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Há também evidências de que miomas são mais comuns entre pessoas da mesma família e que gêmeas idênticas são mais propensas a terem miomas, se comparadas com gêmeas não idênticas.

Fatores hormonais

Miomas podem conter mais receptores de estrógeno e progesterona do que as células musculares do útero normais.

Desse modo, quando os hormônios entram em desequilíbrio, é possível que ocorra um mioma.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além disso, alguns miomas tendem a diminuir após a menopausa, provavelmente porque a produção hormonal também diminui.

Tipos

Os miomas uterinos dividem-se em três tipos, categorizados pela localização de ocorrência na parede do útero:

Miomas subserosos (CID 10 - D25.2)

Miomas subserosos estão na porção mais externa do útero e geralmente crescem para fora.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Este tipo de mioma não costuma afetar o fluxo menstrual, porém, pode tornar-se desconfortável pelo seu tamanho e pressão sobre outros órgãos da pelve.

Miomas pediculados

Os miomas pediculados ficam na superfície uterina, ligados ao órgão por uma ponte fibromuscular - por onde vem também sua circulação.

Normalmente assintomáticos, seu crescimento ao longo do tempo pode predispor à torção de seu pedículo - gerando dor aguda e necessidade de cirurgia de urgência

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Miomas intramurais (CID 10 - D25.1)

Miomas intramurais crescem no interior da parede uterina e se expandem, fazendo com que o útero aumente seu tamanho.

São os tipos de miomas mais comuns e geralmente provocam um intenso fluxo menstrual, dor pélvica ou sensação de peso.

Miomas submucosos (CID 10 - D25.0)

Ficam na parte mais profunda da do útero, bem por abaixo da capa que reveste a cavidade uterina. Os miomas submucosos são os miomas menos comuns e provocam intensos e prolongados períodos menstruais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Miomas intracavitários

Localizam-se totalmente dentro da cavidade uterina. Miomas intracavitários costumam causar sangramento entre os ciclos menstruais e cólicas.

Fatores de risco

Existem alguns fatores de risco conhecidos para miomas uterinos:

Convivendo (prognóstico)

Complicações possíveis

Gravidez e miomas

Miomas uterinos geralmente não interferem na concepção ou na gravidez. No entanto, é possível que alguns miomas atrapalhem a fertilidade ou o desenvolvimento do feto. Miomas submucosos podem impedir a implantação e crescimento de um embrião.

Em tais casos, os médicos geralmente recomendam a remoção dos miomas antes da mulher tentar engravidar, já que existe o risco aborto espontâneo em casos mais graves.

Anemia

Miomas uterinos geralmente não são perigosos, mas podem causar desconforto e levar a complicações, como anemia por perda de sangue.

Novos miomas

Mulheres que fizeram tratamento para endometriose podem lidar com miomas sintomas novamente em algum momento da vida, exceto aquelas que fizeram histerectomia.

Isso porque, pequenos tumores que o médico não detectou durante a cirurgia podem eventualmente crescer e causar sintomas que merecem tratamento. Isso é muitas vezes chamado de taxa de recorrência.

Existe, ainda, a possibilidade do corpo apresentar novos miomas, que podem ou não podem exigir tratamento.

Raramente, os miomas podem distorcer ou bloquear suas trompas de falópio, ou interferir com a passagem do esperma do seu colo do útero para suas trompas de falópio.

Diagnóstico e Exames

Diagnóstico de Mioma uterino

O diagnóstico do mioma é feito durante um exame ginecológico de rotina, geralmente por acaso.

O médico pode sentir irregularidades na forma do útero, o que sugere a presença de miomas.

A mulher que sentir sintomas de miomas uterinos, pode solicitar estes testes ao médico e vice-versa:

Se os resultados dos primeiros testes não forem conclusivos, podem ser solicitados esses exames:

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Mioma uterino

O tratamento para mioma não tem uma abordagem única. Se há sintomas de mioma, converse com o médico sobre as opções mais adequadas ao seu caso.

Entre as possibilidades de tratamento para o mioma, destacam-se:

Existem também os procedimentos cirúrgicos não invasivos ou minimamente invasivos:

Cirurgia de mioma uterino

É possível optar pela cirurgia de mioma quando os sintomas de mioma uterino incomodam as atividades diárias, ou causam males graves:

Como mulheres com miomas uterinos não experimentam sintomas, ou então apenas sinais leves e pouco irritantes, o acompanhamento médico e conversa com o especialista pode indicar qual é o melhor tratamento para cada caso.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

É recomendado buscar atendimento médico e investigar um caso de mioma na seguinte situação:

Procure atendimento médico imediato se você tiver sangramento vaginal grave ou dor pélvica aguda que vem de repente.

Prevenção

Prevenção

Embora pesquisas estejam sendo feitas para investigar a causas dos miomas, existem poucas evidências científicas conclusivas para prevenção.

Referências

Revisado por: Jurandir Piassi Passos, ginecologista do Lavoisier Medicina Diagnóstica - CRM 60633

Ministério da Saúde

Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia