PUBLICIDADE

Sarampo: sintomas, causas e quem deve se vacinar

Visão Geral

O que é Sarampo?

O sarampo é uma doença contagiosa que aparece com febre e manchas no corpo, e o tratamento é feito para atenuar estes sintomas. A doença é causada por um vírus chamado Morbillivirus, e é uma das principais responsáveis pela mortalidade infantil em países sub-desenvolvidos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

As vacinas contra sarampo são dadas na infância, e isso fez com que, em 2016, o Brasil tenha recebido da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo.

Foto: ChooChin/Shutterstock
Foto: ChooChin/Shutterstock

De acordo com boletim do Ministério da Saúde divulgado em 4 de setembro de 2019, cerca de 2.753 casos de sarampo foram confirmados de junho a agosto no Brasil. Os registros da doença têm aumentado mais de 18% por semana.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Desde agosto, já foram divulgadas quatro mortes por sarampo no país: um em Pernambuco; e três em São Paulo, sendo a capital paulista responsável por quase 99% das ocorrências do surto.

Campanhas de vacinação têm priorizado a dose da vacina tríplice viral aos seguintes grupos de risco: jovens de 15 a 29 anos; bebês de 6 meses a 11 meses e 29 dias; e profissionais de saúde.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sarampo em bebês

Bebês também podem contrair sarampo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a doença costuma se manifestar entre seis meses de idade e 2 anos.

O sarampo pode ser prevenido a partir da imunização com a vacina tríplice viral. Ela deve ser aplicada no bebê de 1 ano e reforçada com a tetraviral, que protege contra o sarampo, rubéola e caxumba + varicela/catapora).

Devido ao surto do sarampo em 2019, postos de saúde têm aplicado uma dose da vacinação a bebês de 6 meses a 11 meses e 29 dias.

Sarampo mata?

Segundo o clínico geral Eduardo Finger, o sarampo pode deixar sequelas e eventualmente causar a morte. Normalmente, a doença leva ao óbito por facilitar o surgimento de infecções secundárias, que são potencializadas pelo vírus.

Infecções secundárias se instalam em nosso corpo quando já estamos debilitados e em tratamento por uma infecção mais antiga, também chamada de primária.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sarampo
Sarampo

De acordo com o Ministério da Saúde, até o momento foram confirmadas 12 mortes por sarampo no Brasil (quatro em Roraima, seis no Amazonas e dois no Pará). Estes dados foram atualizados em janeiro de 2019.

Até o dia 9 de setembro de 2019, o país já confirmou 2.753 casos confirmados de sarampo em 13 estados brasileiros nos últimos três meses.

Entre junho e agosto, aproximadamente 21 mil casos foram notificados; sendo mais de 15 mil ainda em investigação.

Sintomas

Sintomas de Sarampo

Como é a transmissão do sarampo?

Altamente contagioso, o sarampo é propagado por meio das secreções mucosas (como a saliva, por exemplo) de indivíduos doentes para outros não-imunizados. O período de incubação dura em média 10 dias, mas pode variar de 7 a 18 dias. Isto significa que esta é a média de tempo desde a data da exposição ao vírus até o aparecimento dos sintomas.

Sarampo: doença provoca manchas avermelhadas na pele

Os sintomas do sarampo iniciais apresentados pelo doente são:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Do 2° ao 4° dia desse período, os sintomas iniciais se agravam, e ainda surgem outros sinais de sarampo:

As manchas avermelhadas geralmente progridem em direção aos pés, com duração mínima de três dias. Além disso, pode causar infecção nos ouvidos, pneumonia, diarreia, convulsões e lesões no sistema nervoso.

Após a fase inicial, há sintomas de remissão:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sintomas do sarampo em bebês

O sarampo em bebês começa repentinamente com uma temperatura alta em torno de 39°C, que geralmente dura três dias. Após esse período pode acontecer pode aparecer erupções de coloração rosada nos braços e nas pernas do bebê. É comum que o bebê fique mais irritado.

Visão Geral

Tipos

Não há tipos de sarampo, somente fases de apresentação e complicações relacionadas à doença.

Prevenção

Prevenção

Vacina contra o sarampo

Vacinar é o meio mais eficaz de prevenção contra o sarampo. A primeira vacina contra o sarampo ocorre aos 12 meses, com a vacina tríplice viral (vacina para sarampo, rubéola e caxumba). Já aos 15 meses, o bebê deve tomar a vacina tetra viral (vacina para sarampo, rubéola, caxumba e varicela). Elas são oferecidas nos postos de saúde.

As duas doses da vacina são recomendadas para garantir a imunidade e evitar surtos, já que aproximadamente 15% das crianças vacinadas apenas com a primeira dose não desenvolvem imunidade.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Para crianças que ainda não foram vacinadas, uma prevenção é evitar o contato com pessoas que apresentam os sintomas de sarampo.

Além disso, adultos e adolescentes de até 29 anos que não foram vacinados ou não tiveram sarampo anteriormente podem se vacinar nos postos de saúde. Para esse público são oferecidas duas doses com intervalo de 30 dias. Pessoas que têm entre 30 e 49 anos podem ser imunizados com uma dose oferecida pelo sistema público.

Campanha de vacinação contra o sarampo 2019

No município de São Paulo, onde estão a maioria dos casos no ano, a campanha de vacinação contra o sarampo em 2019 vai até 16 de agosto tem como alvo três grupos:

Já no resto do Estado, o alvo são os jovens de 15 a 29 anos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quem não pode tomar a vacina contra o sarampo?

Visão Geral

Causas

Não há uma causa específica para o sarampo. O vírus ainda circula por não ter uma população completamente imune. Os surtos de sarampo ocorrem devido a fluxos de pessoas suscetíveis ao sarampo, ou seja, que não foram vacinadas, e também à diminuição da cobertura vacinal nos últimos anos.

Como pegamos sarampo?

A transmissão do sarampo é diretamente de pessoa a pessoa, por meio das secreções do nariz e da boca expelidas pelo doente ao tossir, respirar ou falar.

Por isso, quem reconhece os sintomas do sarampo precisa se consultar com um médico. Se a doença for confirmada, deve evitar o contato com pessoas não infectadas.

Ficar em locais fechados junto com uma pessoa doente facilita a transmissão do vírus do sarampo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Saiba mais: Casos de sarampo e poliomielite cresceram no mundo inteiro, diz OMS

Diagnóstico e Exames

Diagnóstico de Sarampo

Como saber se está com sarampo?

O diagnóstico é basicamente clínico, ou seja, confirmado pelo próprio médico. Porém, o sarampo pode ser diagnosticado com exames laboratoriais específicos como IgM para Sarampo ou PCR (reação da cadeia de polimerase) para identificar o vírus.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Sarampo

Seja em adultos, crianças ou bebês, é importante dizer que não existe tratamento específico para o sarampo, apenas para os sintomas.

O tratamento dos sintomas consiste em:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além de tudo, uma pessoa que está com sarampo deve ficar de repouso por todo o período de infecção, pelo menos até quatro dias após o aparecimento das manchas, que é quando a transmissão pode ocorrer de maneira mais fácil. Em caso de complicações, o médico pode aumentar esse período.

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Pacientes com sarampo, em geral, apresentam um boa recuperação. Crianças menores de 5 anos, adultos, gestantes e pessoas imunodeprimidas tem maior risco de complicações como complicações respiratórias e cerebrais.

A doença torna-se mais grave quando atinge mães em período de amamentação, crianças desnutridas e adultos

Referências

Ministério da Saúde

Janete Kamikawa (CRM 62330), assessora médica em imunização do Fleury Medicina e Saúde