Compulsão alimentar engana seus sentidos

Se, mesmo sem fome, você devora o que vê pela frente é hora de buscar ajuda

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 09/08/2007

Todo o domingo, depois de farto almoço em família, você promete a si mesma: amanhã, começa o regime (encontre aqui uma dieta que atende as suas necessidades). Até pensa na salada com grelhado no almoço, na frutinha de lanche e na sopa bem leve do jantar. Mas o dia começa e o estresse (no trânsito, no trabalho, com a família) acaba botando tudo a perder afinal, existe calmante mais abençoado do que um bom chocolate? (veja o que um bom chocolate faz pela sua saúde)

Resolver as angústias entre uma garfada e outra, no entanto, está longe de ser uma situação exótica. Ao contrário, o problema é bem mais comum do que você imagina. Quem sofre de compulsão alimentar está desconectado de si mesmo, sentindo-se infeliz e imperfeito , explica Márcia de Lucca, professora de ayurveda (a tradicional medicina indiana).

É como se buscássemos fora o alimento que falta à alma enfraquecida pelas exigências absurdas do cotidiano, recheado de modelos inatingíveis de perfeição , diz a professora, com o gabarito de quem trabalha há mais de 20 anos aplicando tratamentos relacionados à alimentação



Na prática, você acaba comendo muito e rápido demais -- uma pista da sua urgência em se livrar do mal-estar que anda te incomodando. Aí, só restam dois sentimentos, ambos terríveis: amargar o arrependimento por se empanturrar de comida e o fracasso de não controlar sua vontade à mesa. (veja por que comer em casa ajuda a emagrecer)

Essa doença é tão grave quanto a anorexia e a bulimia , afirma a nutricionista do Minha Vida, Roberta Stella. Além do ganho de peso, que pode levar à obesidade, a compulsão alimentar ainda aumenta o risco de desenvolvimento de problemas associados ao sobrepeso, como diabetes, hipertensão, colesterol alto.(veja o mal que a norexia e bulimia causam ao seu organismo)

Os mais característicos sintomas da doença são a perda do controle quanto à alimentação e a ingestão de grandes quantidades em pouco espaço de tempo. "Na adolescência, só conseguia estudar se comesse ao mesmo tempo. Quando me dei conta do exagero, tentei parar e não consegui" , conta a designer Ana Lúcia Martinelli, 30 anos. "Meu mundo caiu, chorava desesperadamente. Não sabia que tinha uma doença" , lembra mais tranqüila, após ter buscado ajuda profissional para se recuperar, inclusive, de uma depressão.



Ainda que a compulsão apareça sob o disfarce de um problema físico, os fatores que levam à patologia são de origem psicológica. Estresse, carência, medo de rejeição e sentimento de inadequação podem disparar esse mal. (veja se a terapia pode ajudar você a melhorar)



"A margarina da família perfeita, o bombom embalado de amor verdadeiro, a latinha de refrigerante que promete status, mas esconde toxinas estão entre as ciladas que nos seduzem" , exemplifica Márcia de Lucca. Para reverter o quadro, ela indica meditação, ioga e práticas que auxiliem a reconexão consigo mesma, além de um acompanhamento nutricional e psicológico. (veja que tipo de yoga tem mais a ver com você)



Técnica contra a compulsão alimentar


No livro A Idade do Poder transformação, saúde e beleza para a mulher, Márcia de Lucca indica a seguinte receita para quem sentir fome fora de hora:

Coma uma banana esmagada com uma colher de chá de ghee (manteiga purificada) e uma pitada de cardamomo. Use condimentos como pimenta cayenne, cominho e curry, que queima as toxinas causadoras da compulsão. Quando der fome fora de hora, beba uma xícara de água morna com uma colher de chá de mel e 10 gotas de limão (um excelente substituto para a comida, que ainda ajuda a derreter gordura). Mas nada de cortar as refeições principais, atitude que prejudica a saúde e, além de tudo, obriga o corpo a armazenar tudo o que você consome, como proteção. Em bom português? É um hábito que só engorda.





texto6Ds