PUBLICIDADE

Dormir pouco causa um aumento de 3 centímetros no abdômen

Sono mais curto também está associado a níveis reduzidos do colesterol bom no organismo

Um estudo realizado pela Universidade de Leeds descobriu que dormir mal pode aumentar em até três centímetros a circunferência abdominal.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A pesquisa contou com a participação de 1615 adultos, que relataram seus hábitos relacionados ao sono e alimentação. Além disso, a investigação também mediu saúde metabólica geral, pressão arterial, colesterol e açúcar no sangue, função da tireoide, peso e circunferência abdominal.

Os cientistas descobriram que pessoas que dormiam por seis horas ou menos tinham uma circunferência abdominal de três centímetros maior do que aqueles que dormiam nove horas por noite.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O sono mais curto também está associado a níveis reduzidos do colesterol bom no organismo. É importante dizer que esse tipo de colesterol ajuda a eliminar a gordura do corpo e protege contra doenças cardíacas.

Curiosamente, no entanto, o estudo não encontrou uma relação entre o sono encurtado e uma dieta menos saudável - um fato que surpreendeu os pesquisadores.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Outros estudos

Essa não é a primeira vez que a pouca quantidade de sono é associada ao ganho de peso. Um estudo realizado pela Universidade do Colorado constatou que pessoas que passam mais tempo acordadas ingerem mais calorias do que gastam, podendo até mesmo engordar um quilo por semana.

De acordo com os pesquisadores, pessoas que dormem menos acabam se alimentando em horários em que o organismo não terá possibilidade de queimar calorias, por exemplo à noite.

Outro ponto importante é que a restrição de sono leva ao aumento de cortisol e a baixa tolerância à glicose, o que aumenta risco de diabetes. Estudo publicado no Journal of Applied Physiology mostrou que menos de 6,5 horas de sono por noite, pode reduzir a tolerância à glicose em 40%, o que favorece aparecimento da doença.

Um novo estudo publicado pela Universidade da Califórnia, BERKELEY sugere que uma das razões seja o impacto que a privação do sono tem sobre o cérebro.

O estudo mostra que pessoas que se privam do sono por 1 noite desenvolvem mudanças importantes na forma como seus cérebros respondem a alimentos muito calóricos (junk food). O consumo de batata frita e doces, por exemplo, estimula intensa resposta numa parte do cérebro que ajuda a regular a motivação para comer.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Ao mesmo tempo, ocorre importante redução na atividade do córtex frontal, que é uma parte mais evoluída do cérebro nos quais as decisões racionais são tomadas levando em conta as consequências. Essa ação dupla no cérebro "sonolento" leva a uma reação de impulso mais forte ao "junk foods" e menor habilidade para se controlar.

Muitos outros estudos já mostraram essa relação entre ganho de peso e noites mal dormidas também tem a ver com alterações hormonais: a privação do sono aumenta a produção de grelina, produzida no estômago, que dá fome, e diminui a produção de Leptina, elaborada nas células de gordura, que diminui a fome. Além disso, ocorre aumento na produção de cortisol, que leva ao acúmulo de gordura principalmente na barriga.

Por todos esses motivos podemos concluir que dormir mal engorda sim! Basta uma noite de privação para que essa "bagunça" neurológica, hormonal e metabólica comece.