publicidade

Pré-natal: conheça os exames e quando fazê-los

O acompanhamento da gestação detecta e ajuda a prevenir problemas

Por Minha Vida - atualizado em 04/07/2013


O acompanhamento pré-natal é uma das maiores provas de amor que uma mãe pode dar ao filho quando ele ainda está na sua barriga. Afinal, é através desses exames que a mulher pode cuidar de sua saúde e do bem-estar do bebê, evitando diversas doenças e complicações que podem trazer inclusive o parto prematuro e o aborto. "Os cuidados pré-natais têm também um aspecto muito importante, que é o de orientar a futura mãe sobre o que esperar e como agir durante a gestação", complementa o ginecologista e obstetra Fredric D. Frigoletto, do General Hospital de Boston (EUA) e um dos autores do livro Primary Care of Woman (ainda sem tradução para o Brasil).

Normalmente as consultas acontecem mensalmente, e a semana depende muito de qual o momento em que você descobriu a gravidez e foi ao médico pela primeira vez. Por isso mesmo, os exames acabam sendo mais divididos entre os trimestres, e os ultrassons respeitam melhor a divisão das semanas. Confira a seguir quais são os principais testes pedidos nessa época, e quando são feitos, para você poder cobrar todos do seu obstetra!

de 9

Grávida fazendo exame de sangue - Foto: Getty Images

Hemograma completo

O que o exame indica:
O hemograma é a avaliação de todos os compostos presentes no sangue, como a série vermelha (dos glóbulos vermelhos), série branca (dos glóbulos brancos) e plaquetas. Os primeiros são importantes para avaliar se a gestante está com anemia. "As grávidas são mais propensas ao problema, pois há um aumento de 50% do sangue, portanto o ferro se dilui", explica Marco Antônio Borges Lopes, especialista em Medicina Fetal do Fleury Medicina e Saúde. Além disso, a análise das plaquetas indica como está a coagulação e os glóbulos brancos ajudam a identificar como está o sistema imunológico e se há algum infecção dentro do corpo.

Quando é feito:
O exame sempre é pedido na primeira consulta da gestação, podendo ser repetido no segundo ou no terceiro trimestre de acordo com a conduta do obstetra.

Resultados normais:
Hemácias - 3.800.000 a 5.200.000/mm3
Hemoglobina - 12.0 a 16.0 g/dl
Global de Leucócitos - 4.000 a 11.000 /mm3
Plaquetas - 140.000 a 450.000/mm3 

Análise de amostra de sangue - Foto: Getty Images

Glicemia

O que o exame indica:
O exame de glicemia de jejum indica a quantidade de glicose presente no sangue. Quando as taxas estão acima do normal, o médico pode suspeitar do quadro de diabetes gestacional, que torna a gravidez mais arriscada, podendo causar problemas de saúde no feto. "A queda da glicemia também pode trazer riscos para a gestante e o nenê, mas devido a seu tipo de sintomatologia é mais rapidamente diagnosticado e tratado", comenta Jurandir Passos, médico obstetra e ginecologista do laboratório Exame. Os sintomas de queda de glicemia na gestante incluem tontura, taquicardia, desmaio e sudorese.

Tipos:
Pode ser feita a glicemia de jejum, que contabiliza a quantidade de glicose no sangue quando não há ingestão de alimentos. Depois pode ser feita a curva glicêmica, que mede a quantidade de açúcar no sangue após duas horas de ingestão desse alimento.

Quando é feito:
Normalmente a glicemia é pedida junto com a primeira bateria de exames e a curva glicêmica é pedida no quinto mês.

Preparação:
O exame de glicemia de jejum pede a ausência de alimentação pelo mínimo de 8 horas. Já a curva glicêmica precisa da ingestão de açúcar duas horas antes do exame.

Resultados normais:
Glicemia de jejum: o normal é que esteja abaixo de 99 mg/dl
Curva glicêmica: os valores são abaixo de 92 mg/dl no primeiro exame, menos de 180 mg/dl após uma hora e menor que 153 mg/dl depois de duas horas 

Grávida fazendo exame de sangue - Foto: Getty Images

Sistema ABO e fator Rh

O que o exame indica:
Esse procedimento indica qual o tipo de sangue da mãe. Saber o sistema ABO ajuda em possíveis transfusões sanguíneas. Já o fator Rh é mais importante: "Mães que sejam fator negativo e têm bebês com fator positivo podem obter um quadro chamado eritoblastose fetal. No parto, quando os sangues entram em contato, são formados anticorpos anti-Rh no corpo da mãe, que podem destruir as hemácias do próximo bebê Rh+ que ela tiver", ensina Fabio Rosito, especialista em Ginecologia e Obstetrícia e diretor de Novos Negócios e Alta Tecnologia em SalomãoZoppi Diagnósticos. Para evitar que isso aconteça, é ministrado um medicamento após o parto que impede que esses anticorpos se formem.

Quando é feito:
O exame é pedido na primeira consulta pré-natal e não há necessidade de ser repetido. 

Análise de amostras de sangue - Foto: Getty Images

Sorologia para HIV e VDRL

O que os exames indicam:
O primeiro exame indica quando a mãe é soropositiva para HIV, ou seja, tem chances de desenvolver AIDS. Já o segundo mostra se a mãe está contaminada com a bactéria que causa sífilis. "Se o resultado for positivo é importante que essa paciente seja tratada para evitar a transmissão do vírus para o filho", frisa Augusto Bussab, ginecologista e especialista em medicina reprodutiva. O exame é indicado para todas as gestantes, pois elas podem estar infectadas sem saberem e ambas as doenças podem prejudicar o feto. O HIV prejudica o sistema imunológico, já a sífilis congênita pode causar problemas no sistema nervoso central e coração, entre outros órgãos.

Quando é feito:
Sempre no início do pré-natal, para que, em caso positivo, o tratamento preventivo comece logo. 

Mulher no início da gravidez fazendo exame de sangue - Foto: Getty Images

Reação para toxoplasmose e para rubéola

O que o exame indica:
Os exames indicam se a paciente já teve algum contato com os causadores dessas duas doenças. "Eles medem os anticorpos contra os agentes. Pela quantidade de IgG e IgM dá para saber se a infecção ocorreu há muito tempo ou durante a gravidez", conta o ginecologista e obstetra Fábio Rosito. A toxoplasmose pode provocar sequelas para o feto e malformações, por atacar e destruir tecidos. Já a rubéola pode trazer complicações neurológicas, cegueira e surdez para a futura criança.

Quando é feito:
Ele sempre é feito no início do pré-natal e depois repetido no terceiro trimestre.

Resultados normais:
Quando a infecção é mais antiga, os valores de IgM são mais baixos e de IgG são mais elevados, de acordo com obstetra Passos. 

Grávida na consulta pré-natal - Foto: Getty Images

Sorologias para hepatite B e C e para citomegalovírus

O que os exames indicam: Verificam se a mãe está com alguma dessas doenças, que podem prejudicar o desenvolvimento do feto também. O citomegalovírus pode causar malformações no bebê, mas é uma doença considerada mais rara, de acordo com Rosito. Já as hepatites B e C podem ser passadas para as crianças, que se tornaram portadoras dos vírus também.

Quando é feito:
Ele é feito no primeiro trimestre e repetido no terceiro trimestre, ou mais vezes de acordo com o histórico da paciente 

Grávida com amostra de urina - Foto: Getty Images

Urina

O que o exame indica:
O exame de urina normalmente indica se a paciente está com alguma infecção urinária, mesmo que sem sintomas. "Ela precisa ser tratada, porque pode passar para os rins ou para o corpo inteiro, causando parto prematuro, além de problemas de saúde para a mãe", considera o especialista em medicina fetal Borges Lopes. O primeiro exame feito é o Urina 1, que indica a concentração de células de defesa na urina. Caso ele dê positivo, são feitos outros exames para verificar quais bactérias são essas, assim o obstetra avalia o melhor tratamento.

Quando é feito:
É pedido na primeira consulta pré-natal e normalmente é repetido nos outros trimestres.

Preparação:
Basta fazer a coleta em casa. Resultados normais: É indicado que a densidade varie de 1005 e 1030 e o pH esteja entre 5,5 e 7,5. No exame químico não devem constar glicose, proteínas, cetonas, bilirrubina, urobilinogênio, leucócitos, hemoglobina e nitritos. Já na Microscopia do Sedimento deve exibir:
- Células epiteliais - algumas
- Leucócitos - 5 por campo
- Hemácias - 3 por campo
- Muco - ausente
- Bactérias - ausentes
- Cristais - ausentes
- Cilindros - ausentes

Grávida no banheiro - Foto: Getty Images

Fezes

O que o exame indica:
Ele mostra se a gestante está com alguma verminose. Apesar delas serem pouco comuns em locais com saneamento básico, são pedidas para todas as gestante, já que algumas podem aumentar os quadros de anemia. Algumas precisam ser tratadas, mas de acordo com sua gravidade e com o tipo de medicamento usado, pois alguns podem interferir na gravidez.

Quando é feito:
É feito apenas no início do pré-natal.

Preparação:
Cada laboratório pede preparações diferentes 

Ultrassonografia - Foto: Getty Images

Ultrassonografia

Muitas mulheres acham que os ultrassons são obrigatórios em todas as consultas pré-natais, mas não necessariamente. Não há nada de errado em realizá-lo em todas as semanas, principalmente se o especialista tiver o aparelho em seu consultório, mas Borges Lopes separa quais são os quatro que não podem faltar:

- Logo no começo do pré-natal é importante um ultrassom que avalie onde está ocorrendo essa gestação, se ela realmente está dentro do útero; qual a idade gestacional do feto, para que possa se calcular o desenvolvimento; e se há mais de um bebê;

- Entre as semanas 11 e 14 é feito um ultrassom morfológico, que avalia como está o desenvolvimento da criança e se a formação está bem, como o desenvolvimento dos membros, coração, sistema nervoso, entre outros;

- Entre as semanas 20 e 24 é preciso avaliar a morfologia do bebê novamente, verificando rins, coração, pulmões, sistema nervoso e outros órgãos, além dos membros, ver se tudo se desenvolveu da forma correta ou se há máformação;

- Por volta da 32ª semana um ultrassom é feito para conferir se está tudo certo para o parto, se o bebê está na posição correta, por exemplo, e se ele cresceu nem nesse período.

ver texto completo


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Mais sobre:

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."


Você está usando uma versão antiga do seu navegador :( Para obter uma melhor experiência, atualize agora!
X