publicidade

10 dúvidas comuns de quem quer parar de fumar

Usar adesivo de nicotina, controlar a respiração e procurar um psiquiatra pode ajudar

POR MINHA VIDA - publicado em 29/08/2011


Largar o cigarro nunca é tarefa fácil. A exposição crônica à nicotina promove um quadro de dependência, tanto física como psicológica, já que essa substância causa mudanças neuroquímicas em nossos neurônios. Para piorar, na hora de largar o vício, muitas dúvidas podem surgir, o que acaba atrapalhando o tratamento. Segundo o grupo de psiquiatras do Núcleo de Álcool e Drogas do Hospital Israelita Albert Einstein, algumas confusões quanto ao tratamento ainda são bastante comuns e podem desmotivar quem está tentando lagar o vício.

"Procurar um profissional para ajudar nesse período é muito importante para que a pessoa consiga largar de vez o cigarro", diz a psiquiatra Alessandra Maria Julião, do Hospital Israelita Albert Einstein. Esclareça algumas das dúvidas mais comuns. 

de 10

Fumantes - Foto Getty Images

O grau de dependência pode variar conforme o sexo da pessoa?

O grau de dependência pode variar conforme o número de cigarros por dia, além de fatores biológicos e psicológicos, mas tanto homens como as mulheres, possuem as mesmas chances de apresentar grau de dependência grave à nicotina. 

Adesivos de nicotina - Foto Getty Images

Os adesivos de nicotina realmente ajudam na hora de largar o vício? Como eles agem?

Muito conhecidos e utilizados, os adesivos realmente ajudam na hora de acabar com o vício de fumar. Eles são medicamentos à base de nicotina que ajudam a controlar os sintomas de abstinência da nicotina, facilitando o processo de interrupção do tabagismo. Mas, segundo a equipe de psiquiatras do Núcleo de Álcool e Drogas do Hospital Israelita Albert Einstein, para que isso ocorra, é importante que a dose de nicotina seja calculada de acordo com a necessidade de cada paciente. "É feito um trabalho de redução gradual dos níveis de nicotina, até a retirada completa do adesivo", diz Alessandra Maria Julião. 

Obeso- Foto Getty Images

Quem para de fumar realmente engorda?

Nem todos os pacientes que param de fumar engordam, mas o ganho pode, de fato, ocorrer. De acordo com dados levantados no Hospital Albert Einstein, a média de ganho de peso é de cinco a seis quilos, mas cerca de 10% dos ex-fumantes chegam a ganhar mais de 10 quilos.

Para de fumar - Foto Getty Images

É melhor diminuir o número de cigarros gradativamente ou parar de uma vez?

Ao contrário do que muitos pensam, parar de fumar completamente, de uma vez só, é mais indicado do que tentar largar o cigarro gradativamente. Isso acontece porque, quando o paciente continua em contato com o vício, os riscos de voltar a fumar como antes são bastante grandes. No entanto, segundo os psiquiatras do Hospital Israelita Albert Einstein, o tratamento deve ser avaliado pelo médico individualmente.  

Água- Foto Getty Images

Tomar água quando a vontade de fumar é grande ajuda a largar o cigarro?

Manter uma garrafa de água sempre perto é muito importante para manter o corpo hidratado, mas não alivia os sintomas de abstinência de nicotina ou de outras substâncias contidas no cigarro que causam vício.  

Estresse- Foto Getty Images

Parar de fumar realmente causa estresse?

 Parar de fumar pode desencadear sintomas de abstinência no paciente, como ansiedade e irritabilidade incomuns. De acordo com os a equipe de psiquiatras do Núcleo de Álcool e Drogas do Hospital Albert Einstein, esses sintomas duram enquanto o corpo da pessoa sentir falta do hábito. Por isso, o paciente deve ser acompanhado por um profissional habilitado a ajudá-lo nesse processo e controlar o estresse.

Técnicas de respiração comuns em aulas de ioga, Pilates e Tai Chi Chuan, que objetivam controle de sintomas, como ansiedade e irritabilidade, são úteis para ajudar o paciente a se manter abstinente.

Remédios- Foto Getty Images

Existem remédios que ajudam a controlar o desejo por cigarro?

O arsenal de remédios que ajudam a largar o cigarro é grande hoje em dia. Além dos adesivos, outras formas de substituição de nicotina, como as dos medicamentos à base de bupropiona e a vareniclina, podem auxiliar o paciente a acabar com o tabagismo. 

Parar de fumar - Foto Getty Images

Uma pessoa que fumou durante muito tempo tem mais dificuldade de largar o cigarro?

De acordo com os especialistas, não se pode afirmar que o tempo de uso do tabaco esteja associado à gravidade da dependência de nicotina e à dificuldade encontrada para parar de fumar. "No entanto, o uso habitual do tabaco durante muitos anos pode ser um obstáculo para o sucesso do tratamento em uma porcentagem dos pacientes", alerta a psiquiatra Alessandra Maria Julião. 

Adolescente fumando - Foto Getty Images

A idade que a pessoa começou a fumar também influencia na hora de largar o cigarro?

De acordo com a equipe de especialistas do Hospital Israelita Albert Einstein, quanto mais precoce o início do vício, maiores serão a gravidade da dependência e os problemas a ela associados. Infelizmente, o consumo de tabaco costuma começar na adolescência. Nesses casos, pode ser mais difícil parar de fumar.  

Cigarro e álcool- Foto Getty Images

A bebida alcoólica tem alguma relação com a vontade de fumar?

Segundo uma pesquisa feita por cientistas americanos do Annals of Behavioral Medicine, pessoas que têm problemas com álcool enfrentam maiores dificuldades para deixar de fumar. "Existem evidências, na literatura, de uma estreita associação entre dependência à nicotina e presença de dependência ao álcool, bem como de outros transtornos psiquiátricos", diz a psiquiatra Alessandra Maria  

ver texto completo



Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."


Você está usando uma versão antiga do seu navegador :( Para obter uma melhor experiência, atualize agora!
X